“A ilha de São Miguel é a ilha da Natália Correia, o que para mim tem muito  valor”, admite a cantora Lena d´Água Ler mais

“A ilha de São Miguel é a ilha da Natália Correia, o que para mim tem muito valor”, admite a cantora Lena d´Água

Filha de uma estrela de futebol, tendo-se tornado também uma estrela no mundo da música. Falamos de Lena d’Água. Era um dos nomes da 7.ª edição do Festival Tremor que iria realizar-se a partir do final deste mês, mas que foi cancelado devido à situação actual que se vive mundialmente. No entanto, o Correio dos Açores já tinha tido oportunidade de entrevistar a cantora no passado mês de Fevereiro e aqui partilhamos a nossa conversa. Lena d’Água trocou Lisboa por Bombarral e diz gostar muito do clima dos Açores! Apesar de ter estado vários anos sem gravar discos, sempre realizou concertos. Para a cantora, “o caminho certo é cantar em português”.

 

“O Ultramar era uma ameaça para todos os jovens naquela época” Ler mais

“O Ultramar era uma ameaça para todos os jovens naquela época”

Era o único açoriano da sua companhia e aos 68 anos, ainda pensa em voltar à terra onde permaneceu durante vários anos: Moçambique. Manuel Pereira Medeiros, natural da freguesia de Santa Bárbara, do concelho de Ponta Delgada, tentou adiar a sua ida para o Ultramar o máximo possível devido à situação familiar por que passou nos últimos tempos antes de embarcar. Refere que o Ultramar “era uma guerra psicológica e era isso que interessava ao inimigo”.

Serviços mínimos poderão não estar garantidos devido à greve dos estivadores em Lisboa Ler mais

Serviços mínimos poderão não estar garantidos devido à greve dos estivadores em Lisboa

A Associação de Empresas de Trabalho Portuário de Lisboa (A-ETPL) admite “não ter condições para satisfazer os serviços mínimos decretados pelo Governo da República perante a greve dos estivadores” visto não ter trabalhadores suficientes “para cumprir as exigências”. A segunda greve dos estivadores teve início na passada segunda-feira, dia 9 de Março, prolongando-se até ao dia 30 deste mês.

Começou com um blog e agora tem empresa de consultadoria Ler mais

Começou com um blog e agora tem empresa de consultadoria

Natural de Angra do Heroísmo, iniciou a licenciatura nos preparatórios de engenharia civil na Universidade dos Açores, tendo concluído o mestrado no Instituto Superior Técnico em Lisboa. Após trabalhar 5 anos numa empresa de engenharia civil, Miguel Ávila decidiu criar a sua própria empresa no ano passado: SaberProjeto. Com 3 pessoas já a tempo inteiro na empresa, o jovem engenheiro conta aumentar a equipa para breve, bem como mudar a sede para o TERINOV - Parque de Ciência e Tecnologia da Ilha Terceira. Aos 28 anos de idade, Miguel Ávila fala da sua empresa e respectivos desafios.

“Foi muito tempo de guerra  e ninguém vai para uma guerra  por querer ou por gostar” Ler mais

“Foi muito tempo de guerra e ninguém vai para uma guerra por querer ou por gostar”

Jorge Manuel Câmara de Araújo, natural do concelho do Nordeste, integrava a primeira companhia que embarcou para África após a Revolução de Abril, tendo lá estado praticamente 1 ano apenas. Não assistiu ao nascimento da sua primeira filha, algo que o revoltou. Chegou a receber uma proposta de trabalho em Moçambique, mas decidiu regressar à sua terra devido à insegurança que se fazia sentir. No entanto, ainda tem o sonho de lá ir e dar a conhecer à sua esposa aquele país que o acolheu, mas que não se desenvolveu ao longo destes anos todos.

“As entidades oficiais deviam apostar mais no que  há nos Açores pois temos músicos de qualidade  e projectos bastante interessantes” Ler mais

“As entidades oficiais deviam apostar mais no que há nos Açores pois temos músicos de qualidade e projectos bastante interessantes”

Bruno Rosa é natural da ilha do Pico. Durante 8 anos, viveu em Aveiro, cidade que o acolheu durante parte do seu percurso académico, mas “a saudade da terra” fez com que regressasse às suas origens. Aos 31 anos de idade, divide os dias entre o seu trabalho, na Direcção Regional do Turismo, dando as boas vindas a quem visita a ilha da montanha, e a música. Foi sobre esta parte da vida de Bruno Rosa que tivemos oportunidade de falar um pouco mais e dar a conhecer o trabalho do músico. 

“O Ultramar foi uma guerra que não  beneficiou ninguém e o resultado  final foi um desastre” Ler mais

“O Ultramar foi uma guerra que não beneficiou ninguém e o resultado final foi um desastre”

O seu serviço militar iniciou-se precisamente 2 anos antes da Revolução de Abril. Manuel de Medeiros Botelho foi para Moçambique no final de 1972 onde permaneceu até Novembro de 1974. Estava decidido a residir naquela terra que o acolheu durante a comissão, cujas cidades estavam muito mais desenvolvidas que a própria Metrópole, mas bastou um dia para o fazer mudar de ideias devido ao que assistiu. É com tristeza que vê a situação actual das antigas colónias. Enquanto puder, irá sempre aos convívios de confraternização da sua companhia, a 3.ª Companhia do Batalhão de Caçadores 4810/72, onde são relembrados camaradas e momentos por que passaram.

“Existe falta de recursos humanos nos Açores com formação específica em Cuidados  Paliativos”, diz Maria Teresa Flor de Lima Ler mais

“Existe falta de recursos humanos nos Açores com formação específica em Cuidados Paliativos”, diz Maria Teresa Flor de Lima

A eutanásia irá voltar a ser discutida no Parlamento após quase 2 anos da legalização da morte assistida ter falhado por 5 votos. Nos últimos dias o assunto tem sido debatido quer nos meios de comunicação social, quer nas redes sociais, onde divergem opiniões sobre o mesmo. Relativamente ao resultado obtido pelo Parlamento, muitos esperam que o referendo não siga em frente, incluindo partidos políticos. A resolução passa pelos cuidados paliativos. Mas estes devem melhorados em diversos aspectos.

Investigador Félix Rodrigues confirma que Coronavírus pode chegar aos Açores e acha “deselegante” que a  tutela da Saúde “atire areia para os olhos das pessoas” Ler mais

Investigador Félix Rodrigues confirma que Coronavírus pode chegar aos Açores e acha “deselegante” que a tutela da Saúde “atire areia para os olhos das pessoas”

Na sequência de um artigo publicado no passado dia 14, o investigador refere que existe uma depreciação do
 trabalho. “Isto entrou um pouco na deselegância. Não se sonhou com um número para que depois fosse publicado”. Félix Rodrigues explica como foi obtida a probabilidade de 37% do Coronavírus chegar aos Açores.

 

Theme picker

Revista Pub açorianissima