Edit Template

Recados com Amor…

Meus Queridos! Não consegui ouvir o discurso do meu querido Presidente Marcelo Rebelo de Sousa no dia 5 de Outubro, mas consegui, depois, juntar os retalhos que foram publicados na comunicação social… e o que li, embora não seja dada à política… leva-me a dizer que foi pena o Presidente ter levado tanto tempo para por a nu as fragilidades que grassam de norte a sul do rectângulo, com impacto também nos Açores e na Madeira, fragilidades que crescem todos os dias sem respostas capazes do poder político que comanda os destinos do país como se fosse dono de tudo e todos. A minha prima Maria da Praia, que me telefonou para pôr a escrita em dia, disse-me que Portugal têm vários problemas, mas o principal está nas raízes que o PS tem expostas por toda a sociedade, assumindo maneiras de uma praga pegajosa que obrigam a dar amparo aos amigos e conhecidos e a defendê-los de qualquer ofensa ou “escorregadela”… Veja-se o que se passa no Ministério da Defesa Nacional, onde altos dirigentes dos serviços públicos e até ex-membros do Governo estão envolvidos em “negócios escuros de milhões de euros” mas cobertos pela generosidade socialista… A arte de governar do PS desde 2015 até agora… faz lembrar a gestão no último ano de Governo de José Sócrates, que estava centrado… nos negócios que transformava depois em medidas festeiras, fazendo crer que Portugal ia no melhor dos caminhos… Depois deu o que deu… A minha prima Maria da Praia diz que o Governo de António Costa transformou-se em dono do país depois da maioria absoluta que consegui… e um ano e poucos meses depois tornou-se num Governo de poder absoluto… Agora o Presidente Marcelo começa a perceber a “alhada” em que se meteu depois de ter dissolvido em 2022 a Assembleia da República depois do chumbo do Orçamento… a “Lua de Mel” acabou e quem está a padecer é o país e as pessoas! Vamos esperar para ver o que vêm aí para o próximo ano…

Ricos! Não se fala noutra coisa agora senão na preparação do Plano e Orçamento, quer nacional quer regional, para o ano de 2024… Fala-se em aumentos de vencimentos e os mais baixos parecem ser os dos funcionários públicos, que têm tido direito a uns tostões e depois dá nas greves que se vêm por todos os lados, com destaque para o fecho das urgências nos hospitais, ou seja, está proibido haver doentes que precisam de ser vistos de urgência, assim como aos fins-de-semana foram proibidos os partos porque os serviços estão encerrados aos fins-de-semana… A minha amigo Maria das Dores, que vive em Lisboa, diz que vai ter de regressar aos Açores porque está grávida de quatro meses e não tem maneira de andar à procura de uma “parteira” para lhe ir a casa quando estiver para nascer a criança. Há quem aconselhe o Governo de António Costa a recrutar as antigas parteiras e dar-lhes formação para elas irem a casa assistir aos partos, como acontecia há meio século atrás…


Meus Queridos! E por falar em Saúde, a minha prima Maria da Praia disse-me que o Deputado Nuno Barata, numa visita que fez à Terceira, descobriu que os Centros de Saúde da Ilha de Jesus devem nove milhões de euros às farmácias e atribui a situação às dificuldades orçamentais sentidas pelas Unidades de Saúde por causa da “má gestão” do Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM). O Deputado Nuno Barata diz que as Unidades de Saúde “em todas as ilhas dos Açores continuam com os mesmos problemas que vinham do passado, que é a questão da desorçamentação”, o que leva a que as Unidades de Saúde de Ilha “comecem cada ano económico já com um défice para pagar. A minha Prima Maria da Praia diz que não percebe como é que se quer ter “sol na eira e chuva na beira”, pois não há forma de ter endividamento zero no Orçamento e depois pedir dinheiro onde ele não existe… O tempo em que se recorria à Casa da Moeda quando os governos precisavam de dinheiro é chão que já deu uvas!


Meus Queridos! Há dias atrás, nos meus recadinhos, desejei as melhoras ao meu querido Director Adjunto do Jornal Correio dos Açores que tão generosamente me acolhe no seu seio. As notícias que me vão chegando dão conta de ligeira recuperação da doença que o acometeu e levou à redução da verve que ele aplicava quer na escrita, como na leitura. Hoje, Santos Narciso completa meio século de Jornalista e ousou fazer um resumo desses cinquenta anos de escrita passados no Correio dos Açores. Certamente que pela síntese que Santos Narciso publica na edição de hoje do Correio dos Açores vai ser parabelizado pelos inúmeros amigos e pelas pessoas que o admiram como Jornalista e comentarista. Como não consegui um espaço no Jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio para lhe mandar um “postal” lembrado os momentos altos que temos mantido nestes cinquenta anos da sua actividade jornalística e como amigo, aqui deixo o meu repenicado beijinho formulando votos de o ver de novo nas páginas do jornal e nas “Leituras do Atlântico” .


Ricos! Os Açores de quando em vez são notícia quando as estatísticas mostram os “escorre gansos” que temos quanto às questões da Educação ou porque crescemos menos do que as “zonas demarcadas” do continente… Mas, desta vez, somos notícia porque um estudo feito a nível nacional coloca os Açores entre três Regiões que dão melhor resposta social aos idosos, resposta que inclui a Região como um dos territórios mais equipados em centros de dia e com melhores estruturas residenciais para idosos… A tabela apresentada pelo estudo nesta área social é liderada pelo Alentejo, Centro, e Região Autónoma dos Açores, e que são, ao mesmo tempo, as Regiões que apresentam a maior taxa média de serviços de apoio domiciliário. A minha comadre Josefina diz que ficou muito contente com estas notícias que dão uma imagem diferente do sector social nos Açores tendo por base o estudo que foi feito, isso em contraponto com as posições assumidas por quem passa a vida a lamentar-se de tudo e de todos…    


Meus Queridos! Fiquei menente ao ler a notícia que dava conta que, na última Assembleia-geral da empresa Arsenal do Alfeite, S.A., que é um estaleiro de construção, reparação e manutenção naval,  de excelência, apareceram duas representantes em nome do accionista único, que é o Estado. Uma das representantes era credenciada pelo Ministério da Defesa e outra pelo Ministério das Finanças, o que foi tido como “um golpe” que divide a administração das Indústrias da Defesa que têm um accionista único, que é o Estado… Escusado será dizer que uma das representantes, ambas credenciadas como mandatadas pelo accionista Estado, teve de ser “expulsa” da Assembleia-geral… Isso, se não fosse grave… até seria uma boa anedota, mas o que aconteceu demonstra como está a funcionar a máquina da administração do Estado… E pior ainda é a falta de coordenação que existe entre os ministérios do Governo do Primeiro-ministro António Costa.


Ricos: Uma vez por outra, a minha comadre Cesaltina reúne umas amigas na sua casita, nos arredores da minha cidade norte, onde algumas linguareiras aproveitam a ocasião para cascar nas casacas dos ausentes. O prato do dia foi a “lixeira” que a autarquia mandou colocar em pleno centro histórico, precisamente onde fora um romântico jardim com as suas frondosas árvores. A indignação vai ao ponto de jurarem que não irão baixar os braços enquanto aquele equipamento não for dali retirado, dado que não levam à paciência lembrarem-se de colocar ali recipientes subterrâneos onde se acumulam imundície, não estivesse mais ao lado, em frente ao antigo quartel dos bombeiros, um sistema idêntico para recolha do lixo. Naquela tarde amena de Outono, também muito se especulou acerca da expectativa dos políticos regionais, quanto ao que se seguirá com a votação do próximo Orçamento, pois ninguém sabe ao certo qual será o resultado. Amparo do Espírito Santo, sempre presente, não se coibiu de fazer um reparo aos talheres que Cesaltina apresentou para a refeição, pois eram, nem mais, nem menos, do que os de uma companhia aérea, que a anfitrião justificou com uma oferta que lhe fizeram. Uma tarde bem passada em que os araçás foram o rei da festa.


Ricos! Amanhã, dia 9 de Outubro, o meu rico Presidente Bolieiro vai assistir ao evento promovido pela Delta Cafés que vai dar a conhecer as recentes novidades que tem sobre o projecto de café produzido nos Açores. . O evento decorrerá no Delta The Coffee House Experience, situada na Avenida da Liberdade em Lisboa e contará com as presenças do CEO do Grupo Nabeiro – Delta Cafés, Rui Miguel Nabeiro e do Presidente da Associação de Produtores Açorianos de Café, Luís Espínola. Esta relação entre os produtores de café dos Açores e o Grupo Nabeiro – Delta Cafés vem já há algum tempo, e aquele importante Grupo pretende “apoiar” os agricultores interessados na produção de café, de modo a poderem estabelecer-se, e criar o seu negócio, além da colaboração na criação de estruturas para aumentar a produção. Rui Miguel Nabeiro, responsável pelo Delta Cafés em Portugal, é da opinião, que “dentro de três anos, haverá condições para que o café açoriano possa ser comercializado em força no mercado”. A minha prima Maria da Praia a este propósito… disse-me que tem conhecimento que em todas as ilhas tem crescido o número de produtores de café, assim como a porção de áreas para a plantação de cafezeiros que no último ano terá, de acordo com os números disponíveis, crescido cerca de 40%, e actualmente tem mais de 50 produtores nas nove ilhas dos Açores. Em tempo pré eleitoral é uma boa notícia para quem governa… assim como  para quem gosta de café, como é o caso da minha prima Maria da Praia.

Edit Template
Notícias Recentes
Plano de Saúde2030 aprovado pelo Governo “garante igualdade nos resultados da saúde”
Vilafranquense regressa às Festas de São João da Vila e forma a Marcha do Emigrante com representantes dos Estados Unidos, Canadá, Bermuda e Inglaterra
Novo hotel Hilton é de “vital importância para o desenvolvimento da notoriedade internacional dos Açores”, afirma Duarte Freitas
Azeite e papo-seco foram os produtos que mais aumentaram de preço nos Açores entre Junho de 2023 e Maio de 2024
“O ioga é uma jornada profunda de auto-conhecimento”, afirma a instrutora Carolina Lino
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores