Edit Template

DUARTE MELO – O que se espera para o ano de 2024

“Jamais podemos pactuar com uma cultura que descarta pessoas sem o mínimo pingo de respeito”

Um novo ano, apresenta-se como um livro de páginas brancas, onde tudo será escrito a nosso respeito, juntamente com as conjunturas do nosso mundo e da crise que nos envolve.
No início do ano novo, os sonhos e os desejos de mudança emergem no campo da esperança, desafiando-nos a reconstruir os fragmentos perdidos do ano transato. É sempre assim quando se junta idades. No prelúdio de um novo ano, procuramos pacificar as nossas vidas com o respirar das nossas sociedades contemporâneas recolocando e equacionando os motivos de tanto descontentamento social e político, manifesto pelas ruas da amargura. Tal grito de revolta; o aumento da pobreza envergonhada, a exclusão social com todas as matizes de discriminações, a falta de habitação, o exagero das rendas de casa que roubam a dignidade dos mais feridos da vida, a saúde em desequilíbrio e em manifesta agonia, os desperdícios, o lixo e a sustentabilidade ambiental, a escola e a educação em sofrimento. São estas e outras tantas preocupações que fazem uma litânia de queixumes que põem em causa e questionam o estado democrático. Todos esses sinais são indicadores da ausência de políticas concertadas para a resolução dos problemas e anseios dos cidadãos. É urgente superar as lógicas parciais de interesses instalados e trabalhar juntos com entidades públicas e privadas em ordem à edificação de uma sociedade mais justa e fraterna.
Todos nós sentimos como vivenciamos a experiência de uma insatisfação coletiva e generalizada nos vários setores sociais. As nossas sociedades, apresentam-se instáveis movediças e voláteis. A experiência quotidiana confirma o estado líquido da coisa pública, assim como a falta de alicerces axiológicos. Os projetos políticos, os estudos de encomenda são anunciados com pompa da circunstância mediática e quase de seguida são rejeitados ou anulados, criando uma agitação narcisista e promotora do descrédito público.
Num contexto altamente preocupante, de incertezas e de miopias de pensamento e de visão, o medo do futuro parece querer instalar-se e hipotecar a dignidade dos cidadãos, dando lugar a narrativas oportunistas e autoritárias. É neste contexto de profunda complexidade e de crises institucionais que a liberdade deverá ser erguida, recolocada e enunciada como garante da democracia e do estado.
O Ano 2024 será um ano próspero em desafios públicos e em decisões fundamentais para a construção de Portugal e dos Açores. Os partidos políticos por imperativo ético, são chamados a proporcionar ao povo um ambiente plural pelo confronto de ideias e de programas credíveis e adequados na informação. Por consequente todos deverão estar atentos e vigilantes com as lâmpadas acesas da verdade, dissipando os populismos viperinos e oportunistas que se movem descaradamente entre o fanatismo e a devoção, enfraquecendo a racionalidade democrática.
É também imperativo ético fazer a devida auscultação à voz do povo para que se possa desenhar políticas com horizonte de futuro, como salvaguardar a integridade do estado e das suas Instituições democráticas.
Num tempo de prosperas ambiguidades e de sombras urge tecer relações plurais despidas de preconceito com os vários agentes políticos, para credibilizar a política e os políticos. Atualmente o grande inimigo do Estado Social reside na desinformação mediática, nas meias verdades manipuladas de alguns líderes partidários, embrulhados no papel solofam da nostalgia do autoritarismo assistencialista.
Ainda no tocante à situação em que no encontramos, é urgente afirmar os valores mais elementares e eloquentes da solidariedade e da subsidiariedade que enriquecem a dignidade humana e o próprio sistema democrático. Jamais podemos pactuar com uma cultura individualista que descarta pessoas sem o mínimo pingo de respeito, próprio de sociedades adormecidas pela indiferença que mata”. Nesta hora de crise prolongada somos todos convocados para o bom combate da edificação do bem comum lutando contra concepções reducionista, focadas apenas nos indicadores económicos.

Pároco de São José
Edit Template
Notícias Recentes
Câmara da Ribeira Grande solicita activação do regime jurídico-financeiro de apoio à emergência climática
Santa Clara corre risco de perder o título de Campeão da Segunda Liga
Pedro Catarino defende “cultura de diálogo”entre República e Açores sobre gestão do mar
Ministro da Agricultura manifesta em Santarém interesse em reunir com Jorge Rita
Três deputados dos Açores com assento no Parlamento Europeu na legislatura 2024-2029
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores