Edit Template

Sandra Dias diz que projectos e financiamento para investimentos no porto de Ponta Delgada“são mérito do Partido Socialista”

Sandra Costa Dias realçou, Sexta-feira, que os investimentos realizados no porto de Ponta Delgada, no valor aproximado de 60 milhões de euros, “foram projectados pelo Governo Regional anterior, da responsabilidade do Partido Socialista”, criticando que a coligação PSD/CDS-PP/PPM “reclame para si uma suposta visão estratégica”, quando “se limitou a executar, em alguns casos não totalmente, aquilo que foi planeado pelo anterior Governo, com o financiamento que o Governo Regional do PS garantiu na última legislatura”.
Sandra Costa Dias lembrou que o Governo Regional anterior do PS já previa “o aumento do cais acostável, o aumento da capacidade do parque de contentores, a construção do edifício das operações portuárias e um conjunto muito diversificado de equipamentos”.
A dirigente socialista recordou que o Partido Socialista já assumiu, claramente, que se “iniciem estudos relativos à possibilidade e necessidade de se prever a construção de novo molhe” no porto de Ponta Delgada, algo que, na sua opinião iria “alavancar o desenvolvimento da ilha de São Miguel, através do reforço de uma infra-estrutura que é absolutamente indispensável”.
Sandra Costa Dias frisou que os sucessivos constrangimentos verificados nesta infra-estrutura portuária são resultado “da falta de planeamento e de estratégia” do Governo Regional da coligação do PSD/CDS-PP/PPM, manifestando a sua “perplexidade” com o facto do PSD querer agora, numa fase de pré-campanha eleitoral, “fazer tábua rasa de todos esses constrangimentos” e querer “reescrever a história, querendo pintar um sucesso no porto de Ponta Delgada que nunca correspondeu à realidade, nos últimos três anos”.
Sandra Costa Dias entende que o Governo do PSD/CDS-PP/PPM “desperdiçaram três anos, durante os quais poderiam ter pensado o futuro do Porto de Ponta Delgada e da ilha de São Miguel.
Uma dessas áreas, explicou, é a “transição energética e a descarbonização”, áreas nas quais o Governo do PSD/CDS-PP/PPM poderia “ter feito muito mais”, até porque teve à sua disposição um “volume recorde de fundos comunitários na ordem dos 3.200 milhões de euros”, negociados com Bruxelas ainda pelo anterior Governo Regional, da responsabilidade do PS.
“Com tanto dinheiro disponível para fazer a Região andar para a frente, este Governo PSD/CDS-PP/PPM conseguiu endividar a Região como nunca antes, conseguiu aumentar as suas dívidas a fornecedores e atrasar o pagamento de apoios a entidades culturais e desportivas entre outras,” disse.
“Com esta coligação, os Açores perderam três anos de oportunidades, os açorianos, as suas famílias e empresas, ficaram para trás, cada vez mais distantes das médias nacionais e europeias em termos de emprego, rendimentos e economia. No próximo dia 4 de Fevereiro, os açorianos terão a oportunidade de inverter este rumo, recuperar o tempo perdido nos últimos 3 anos e fazer os Açores andarem para a frente, como vinha a acontecer antes desta coligação que nos desgovernou”, finalizou a dirigente do PS/Açores, Sandra Costa Dias.

Edit Template
Notícias Recentes
Novo modelo de avaliação externa dos alunos a partir de 2024/2025
Octant Furnas lança nova carta de Verão com sabores dos Açores com assinatura do Chef alentejano Henrique Mouro
Homem de 48 anos detido no Aeroporto João Paulo II por suspeita da prática do crime de posse de arma proibida
Incêndio em casa devoluta nas Laranjeiras
Câmara investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores