Edit Template

Sandra Sousa fala do artesanato como terapia e uma forma de “desligar”das rotinas do dia-a dia-da aviação

Natural da ilha de Santa Maria, Sandra Sousa é técnica de informação e comunicação aeronáutica e encontrou no artesanato uma forma de terapia. Um gosto que foi crescendo e que levou à criação de bonecas de cerâmica originais e uma marca inspirada na expressão mariense “Beicredo” que significa espanto ou admiração e remonta à lenda do Pirata Bei. A cada boneca atribui um nome e uma personalidade, e a sua preferida tem o nome da sua mãe, a Elena que “tem uma tem uma gargalhada contagiante, é inocente e muito simpática.”

Correio dos Açores – O artesanato não é a sua ocupação principal. Pode falar um pouco sobre o seu percurso e em que momento surge o gosto pelo artesanato?
Sandra Sousa – Sou técnica de informação e comunicação aeronáutica. Para já não tenciono fazer carta de artesã e estou apenas registada nas finanças. Este projecto é uma coisa muito leve e não quero ter a pressão de ter de produzir para mostrar serviço. O artesanato é um pouco como a minha terapia.
O meu percurso começou há cerca de três anos num Workshop da Marina Mendonça, uma ceramista com vasta experiência e que tem peças lindíssimas. Já tinha feito pequenas coisinhas com a artesã a Cristina Ferreira, mas como a roda nunca me cativou, comecei por aprender outras técnicas de moldagem do barro, e a partir daqui foi ficando o bichinho.
Também estava à procura de algo para me complementar. A rotina que temos com o trabalho, o cuidar da casa e da família e todo o resto, levou-me a procurar algo que me fizesse relaxar. Também tinha perdido o meu pai há poucos meses e precisava de uma coisa onde me pudesse distrair e desligar um pouco do dia-a-dia.

Quando é que começa o projecto BeiCredo Cerâmica? Qual a história por detrás do nome?
BeiCredo já é a minha marca há cerca de um ano, altura em que comecei a fazer as bonecas. Mesmo sem saber se algum dia iria avançar com esta ideia, nunca tive dúvidas acerca do nome. É uma expressão típica de Santa Maria que me pareceu adequada à minha brincadeira, e como significa surpresa e espanto também simboliza a reacção das pessoas quando vêem as bonecas e os meus trabalhos.
A expressão vem dos antepassados do Pirata Bei, um pirata que aterrorizava os mares e era muito temido nas nossas ilhas. Quando avistavam o barco em Santa Maria, gritavam “Bei, Bei” como aviso para as pessoas se resguardarem e esconderem os seus pertences. Assim, o Bei ficou muito presente aqui na ilha desde esses tempos, e ainda hoje a expressão “beicredo” é usada regularmente.

Qual foi a inspiração para as suas bonecas?
A inspiração foi surgindo, mas tudo começou quando a Marina Mendonça me desafiou a criar algo diferente daquilo a que estava habituada. Em Julho do ano passado, tivemos uma exposição para montar no museu de Santo Espírito e queríamos misturar a Arte Contemporânea com o Antigo.
Surgiu a oportunidade para fazer peças para incorporar a exposição permanente. E eu já tinha feito uma espécie de vaso com rosto, algo mais virado com a figura humana. A boneca surgiu no sentido de experimentar e de não ser, por exemplo, outra travessa. A Marina, a minha mentora, deu-me todos os conselhos e toda a força.
A verdade é que depois de acabar a primeira boneca fiquei com o bichinho para fazer mais. Dá-me um gozo tremendo fazer bonecas. Não me inspiro em ninguém em especial e não tenho muito a ideia de como vai ser o resultado final. Gosto de as fazer assim redondinhas, todas voluptuosas, aquela figura feminina sem filtros e sem preconceitos. São todas únicas, não há nenhuma repetida.
Cada boneca tem um nome e uma personalidade própria. Pode apresentar algumas das suas bonecas? Tem uma favorita?
Gosto de lhes dar uma personalidade diferente para não ser só a boneca com nome e sem alma. A primeira boneca que fiz é a minha favorita e é a maior que eu tenho até ao momento. Chama-se Elena, o nome da minha mãe, e tem uma gargalhada contagiante, é inocente e muito simpática.
Faço questão de dar nomes que já não são muito usados actualmente, como é o caso da Ermelinda e da Bernardina, os nomes das minhas avós. A Bernardina é uma grande maluca, gosta de sair à noite com as amigas e é a alma da festa. A Ermelinda é uma recriação da mulher do capote, tem uns longos cabelos vermelhos e é misteriosa e sedutora. Estas foram as minhas primeiras três bonecas e são as únicas que tenho comigo, fazem parte da minha colecção.
Também tenho a Emília que é tímida e adora estar sempre em contacto com a natureza, e Antonieta que é uma boneca que seguiu para o Porto e é atrevida e irreverente e que gosta de quebrar as regras. Tenho de tudo um pouco e já são cerca de 16 bonecas. Chega-se a um ponto onde já tenho de ver quem é quem (risos).

Tem bonecas novas a chegar?
Sim. Tenho a Rosalinda, a Acácia e a Palmira. Mais recentemente experimentei um novo tipo de barro que é mais escuro e, embora ainda não estejam totalmente concluídas, estou muito satisfeita com o resultado final. Estão sempre a sair bonecas novas, mas tenho o meu emprego e, por isso, vou fazendo sempre que posso nos meus tempos livres.

Como funciona o processo de criação? Que materiais usa e quanto tempo leva até a boneca estar concluída?
A boneca demora cerca de dois meses, desde o começo ao fim. Tem que ser feita por partes. Leva o seu tempo a secar e a dar os acabamentos necessários. O lixar, o aperfeiçoar e o deixar secar bem, o que devido ao tempo húmido dos Açores demora sempre mais algum tempo. Depois, é a parte de cozer, vidrar as cores por partes, tintas e pormenores todos de novo e cozer outra vez.
Uso barro grés e nos vidreiros uso sempre cores brilhantes, fortes e chamativas. Também começo a incorporar algum tipo de materiais diferentes como os esfregões da loiça para alguns cabelos e vou começar a incorporar tecido. Neste momento estou a explorar materiais diferentes.

Onde podemos encontrar as suas bonecas?
Tenho a pagina de Instagram e Facebook ‘BeiCredo Cerâmica’ onde podem entrar em contacto comigo por mensagem. Para as ver ao vivo e a cores, vão estar disponíveis no ateliê da Marina Mendonça, em Santa Bárbara. Portanto, têm lá a exposição permanente com o barro antigo da ilha de Santa Maria e também com barro da Lagoa, de São Miguel.

Que mensagem quer deixar para aqueles que, tal como você, querem usar o artesanato como terapia?
Na minha opinião, o trabalho feito com as mãos e sem pressões é uma excelente terapia, algo para desligar da corrente e que é feito com tempo, longe do desassossego com que estamos constantemente a ser bombardeados. E isto é valido para qualquer actividade como, por exemplo, a jardinagem. O importante é desligar e percebermos o que nos faz desligar. Perceber o que nos dá prazer e que nos ajuda a desligar dessa correria do dia-a-dia. Não temos que ter medo de experimentar coisas novas, de ir a workshops diferentes sem saber o que nos espera. Pode ser uma surpresa agradável e que vos faça continuar.

Pretende manter a cerâmica como um passatempo?
Sim. Tenho uma profissão bastante exigente e tenho que estar focada. Quando estou nas minhas folgas e quando tenho tempo vou fazendo. É uma terapia que é engraçada e que até as pessoas gostam. É o meu passatempo preferido.

Daniela Canha

Edit Template
Notícias Recentes
Novo modelo de avaliação externa dos alunos a partir de 2024/2025
Octant Furnas lança nova carta de Verão com sabores dos Açores com assinatura do Chef alentejano Henrique Mouro
Homem de 48 anos detido no Aeroporto João Paulo II por suspeita da prática do crime de posse de arma proibida
Incêndio em casa devoluta nas Laranjeiras
Câmara investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores