Edit Template

Pauleta (pai)

O ritual de Manuel António Resendes (Pauleta, pai) é diário. Só se a chuva for abundante e ininterrupta é que não sai de casa.
As avenidas que acolhem a baía de Ponta Delgada são o princípio de um circuito pouco variável, que atinge entre os 15 e os 20 quilómetros.
Manuel Pauleta convive com o que proporciona o inconstante clima da ilha de São Miguel em curtos espaços temporais. O radioso nascer do Sol, a bruma que impede ver o horizonte e as nuvens anunciando chuva, cujos pingos, salpicando-lhe o rosto, não são impeditivos de continuar a caminhada, trazendo-lhe à memória as tardes de glória passadas nos campos de futebol com os pisos de terra acumulando água, elevando o grau de dificuldade.
Enfrentar as condições de jogo de há 30 ou mais anos requeria uma condição física invejável, característica de Manuel Pauleta associada à técnica e à fogosidade de um jogador que marcava golos com abundância, alguns só ao alcance dos predestinados.
Deixou no filho o legado, que lhe proporcionou projecção mundial.
É incomparável o futebol de outrora com o do presente. As bolas, os equipamentos, os pisos ou as condições de treino evoluíram, ao ponto de uma interrogação fazer sentido: os jogadores de antigamente, com os requisitos de hoje, tinham mais hipóteses de estarem em clubes dos principais campeonatos nacionais? Hoje permite-me responder que sim, porque possuíam, em comum, características fundamentais que actualmente só poucos conservam: o gosto e a paixão de jogar, assumindo prioridade o compromisso de, por exemplo, estarem às 6 horas da manhã nos campos para treinarem.
O corpo esguio que Manuel Pauleta mantém permite-lhe um ritmo cadenciado, só interrompido quando encontra um ou outro conhecido para uma curta conversa. O futebol vai dominando os diálogos, que, em algumas vezes, fazem-no recuar aos tempos de futebolista de mérito.
Circunstancialmente reencontro Pauleta (pai). Da última vez, as saudações habituais estenderam-se a mais uns minutos de conversa. Disse-me que um circuito da caminhada tinha-lhe proporcionado passar junto ao campo Jácome Correia. O portão aberto foi um convite a visitá-lo, o que não acontecia há cerca de 20 anos.
Falou-me das grandes diferenças aos níveis do piso e das condições para os espectadores. Por lá ficou uns minutos. Percorreram-lhe a memória tantos e tantos momentos de glória, os golos marcados, os colegas. Despedindo-se, com o recomeço dos passos a indicarem a direcção de uma rua para mais uns quilómetros, deixou no ar, com a voz embargada pela emoção: “tantas alegrias que passei e que dei naquele campo”.
O campo Jácome Correia é a história do futebol da ilha de São Miguel e dos Açores. A 27 de Janeiro completa 78 anos desde que foi inaugurado. Não justifica uma digna comemoração dentro de dois anos? Claro que sim. Têm a palavra a direcção da Associação de Futebol de Ponta Delgada que for eleita a meados deste ano e a autarquia de Ponta Delgada. Já ficaram esquecidos os 50 anos do estádio de São Miguel.

José Silva

Edit Template
Notícias Recentes
Novo modelo de avaliação externa dos alunos a partir de 2024/2025
Octant Furnas lança nova carta de Verão com sabores dos Açores com assinatura do Chef alentejano Henrique Mouro
Homem de 48 anos detido no Aeroporto João Paulo II por suspeita da prática do crime de posse de arma proibida
Incêndio em casa devoluta nas Laranjeiras
Câmara investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores