Edit Template

Trabalhou Google e hoje faz parte de uma das tecnológicas multinacionais mais emergentes da actualidade

Com apenas 28 anos, o economista Miguel Pestana já passou pela Google, é mentor de muitos novos empreendedores no Reino Unido e hoje trabalha para uma das tecnológicas mais emergentes da actualidade. Natural da ilha de São Miguel, admite que a curiosidade, a resiliência e a capacidade de trabalho das suas raízes açorianas estão na origem deste seu vasto percurso. Da sua experiência de voluntariado, conta que durante a pandemia ficou preso no meio de uma floresta da Eslovénia. Uma aventura que durou sete meses e que fê-lo voltar ao mundo corporativo com uma visão “mais humana” e com uma maior compreensão sobre aquilo que significa “sair da ilha para ver a ilha.”

Correio dos Açores – Por entre muitos outros marcos, em Lisboa começou pela gestão de categorias no Grupo Sonae, trabalhou na Google, e agora faz parte de uma das maiores tecnológicas da actualidade. O que o levou a desenhar um percurso tão diverso?
Miguel Pestana – O meu percurso começou por, desde muito cedo, trabalhar em retalho. Comecei com o Grupo Sonae, na Worten, e agora estou mais direccionado para o e-commerce (comércio electrónico). O que me inspirou a desenhar um percurso tão variado foi a curiosidade. Sou uma pessoa muito curiosa e gosto realmente de perceber como é que os diversos sectores da economia funcionam e os diferentes estilos de pensamento das pessoas destes mesmos sectores. Depois, não se trata apenas de ter a curiosidade para perceber como é que as coisas funcionam, mas também perceber como posso criar um impacto capaz de beneficiar a sociedade de alguma forma.

Quais foram as suas maiores influências?
Tem de ser a minha família. Foram eles que sempre me incentivaram a ser curioso e a querer explorar, viajar para diversos países e perceber as suas culturas. Mas também a ser comprometido e integro naquilo que faço. Se estou a fazer algo, tenho de o fazer bem e de forma integra. Acredito que é uma herança muito positiva.

Tem alguma experiência que o tenha marcado particularmente quando trabalhou na Google?
A Google é uma multinacional, das maiores empresas do mundo e muito diversificada em termos de clientes e colaboradores e foi a minha entrada no mercado internacional.
Tive uma breve abordagem deste mercado com a Worten, mas foi através da Google que tive abertura ao mercado Reino Unido e ao também ao mercado irlandês.
Creio que maior desafio foi mesmo perceber como é que tantas pessoas diferentes e de culturas tão diferentes se conseguiam juntar numa mesa para tomar decisões e depois conseguir executá-las. Neste tipo de contexto, a mesma coisa pode ser interpretada de muitas formas e o desafio para entender as pessoas foi algo que me entusiasmou bastante.
Ter de me adaptar a outra cultura também me ensinou muito sobre o que é ser português. Muitas vezes tomamos a forma como interpretamos as coisas como um dado adquirido, mas não funciona assim.
Outra parte muito gratificante foi ter conhecido os maiores retalhistas do Reino Unido, poder trabalhar com eles e desenvolver projectos em conjunto, muitos deles de escala global.

Dizem que a Google é uma das empresas com melhores condições para os seus colaboradores. Quer falar um pouco sobre isso?
Sim, a minha experiência foi muito positiva. Na sua generalidade, as pessoas estão bastante motivadas e foram-me dados todos os recursos necessários para realizar o meu trabalho. Acredito que aquilo que a Google conseguiu mostrar foi o facto de que, para além do nosso trabalho do dia-a-dia, existem outros projectos que podemos seguir dentro da empresa. O meu trabalho era dentro do retalho, mas fui sempre incentivado a realizar projectos para além de gestão de parcerias no retalho. A Google dá-nos essa abertura e acredito que foi fundamental em todo o processo. Foi uma experiência feliz.

Pode-nos falar um pouco do trabalho que desenvolve actualmente?
Actualmente faço parte de uma grande tecnológica, uma empresa bastante emergente. O meu trabalho passa, maioritariamente, por ajudar Pequenas e Médias Empresas e startups. Muitos empreendedores decidem começar a vender os seus produtos, mas não sabem como consolidar os seus processos de gestão e é nesta parte que eu entro. No caso das empresas que já existem há algum tempo, o meu trabalho é o de ajudá-las a descolar o negócio.
Para além disso, há o trabalho com clientes externos e o desenvolvimento interno que está relacionado com a melhoria de processos e do nosso produto. É neste campo que, geralmente, tenho um espírito bastante crítico e incentivo a mudança. No final, o objectivo é entregar o melhor produto final ao cliente.

Qual é a parte mais gratificante do seu trabalho?
Acredito que primeiro são as pessoas. Tenho a oportunidade de conhecer imensos fundadores de empresas e isto é bastante gratificante porque todas as pessoas que conheço têm formas completamente diferentes de abordar a vida e os negócios, e é precisamente isso que faz com que eu aprenda sobre a sociedade em geral e é aquilo que me permite ajudar os outros da melhor forma.
Por outro lado, é a oportunidade de fazer as coisas acontecer. Acredito que é uma das grandes dificuldades do dia-a-dia. O espírito crítico deve existir e deve de continuar a crescer e melhorar, mas, por vezes, há falta daquela chama, daquela motivação para fazer com que as coisas aconteçam. Criar um projecto e depois entregá-lo com impacto bastante considerável é muito gratificante.
Como surgiu a oportunidade de ser mentor de startups numa universidade do Reino Unido e, na sua perspectiva, qual é a importância do trabalho que desenvolve lá?
Acho que advém um pouco do meu trabalho actual. Como já tenho a oportunidade de ajudar fundadores de diversas empresas a crescer de forma sustentável, acaba por surgir esse side hustle em que ajudo empresas que fazem parte da incubadora de uma universidade de Londres a criar e também a desenvolver o seu negócio. Por outro lado, também trabalho muito com a parte da motivação. Muitas vezes, esses empreendedores sabem perfeitamente o que estão a fazer, financeiramente têm uma ideia que vai trazer um bom retorno ao investimento, mas falta-lhes a motivação, o desbloqueio para avançar. No fundo, o meu papel é o de ajudar estes fundadores a fazer crescer as suas empresas e fazer as coisas acontecer.

Na sua experiência enquanto mentor, quais são os conselhos mais comuns que partilha com novos empreendedores?
Tendo um modelo de negócio e uma vez que existam determinadas condições garantidas e consolidadas e se tudo o que forem questões financeiras bem resolvidas, não ter medo de avançar. Esse é um dos conselhos que considero mais importantes. Há muitos empreendedores que procuram a perfeição e, neste sentido, ficam bloqueados naquele processo do “vou ou não vou”. Na realidade não existe perfeição, e já tendo essas bases consolidadas é o momento de avançar. O meu trabalho é questioná-los e fazê-los perceber que aquilo de que eles precisam já está completo e que podem avançar com a sua ideia e criar o seu negócio.
Geralmente, os empreendedores são bastante apegados à sua ideia de negócio e têm alguma dificuldade em trazer pessoas novas porque, de certa forma, a sua ideia vai se perder um pouco, ou, como costumamos dizer, “vão perder o seu bebé.” Nesta questão, ajudo-os a perceber a importância de recrutar novas pessoas para escalar o negócio e a importância de fazer o outsourcing.
Também, caso seja dentro da minha indústria, e-commerce, retalho ou tecnologias, posso dar conselhos mais específicos, mas geralmente passo muito por essa área de como escalar o negócio e avançar sem ter medo da imperfeição.
Também podemos abordar outros tópicos. Por exemplo, um dos grandes medos dos empreendedores é a propriedade intelectual. Muitas vezes criam um produto e não o levam ao mercado porque têm medo de que lhes roubem as ideias. Dou alguma ajuda no sentido de garantir que, por exemplo, têm o produto patenteado antes de levarem ao mercado.

Passou uma temporada atípica na Eslovénia. Como é que surgiu a ideia de ir viajar e fazer voluntariado?
Foi um pouco espontâneo. Estava a fazer a tese de mestrado e a trabalhar como consultor para um banco em Lisboa. Tendo feito muitas coisas ao mesmo tempo, e algumas de elevado impacto, cheguei a um ponto em que percebi que tinha de crescer e abraçar novas oportunidades. Somos ensinados desde muito jovens que temos de saber, perfeitamente, o que queremos, mas não foi essa a minha situação. Cheguei à fase final da tese de mestrado e disse ‘afinal não sei bem o que quero.’ Apesar de gostar do mundo dos negócios, havia mais a explorar, e então decidi sair de Portugal.
O meu objectivo era ir de Lisboa até Istambul e passar por todos os países. E assim o fiz. Passei pela França, pela Eslovénia – onde conheci pessoas que hoje são muito importantes na minha vida -, depois passei por Montenegro, Albânia, Sérvia e todos estes países menos comuns. Acabei por chegar a Istambul e a partir daí decidi ir para a Grécia. Entretanto, amigos que conheci na Eslovénia perguntaram-me se eu teria interesse em juntar-me a uma comunidade de voluntariado no meio da floresta. Já estava a viajar há mais de um mês, mas nesta altura ainda não tinha as minhas respostas. Até então, a minha vida só tinha passado pelos estudos, pela economia e consultoria num banco, e este convite era completamente diferente de tudo aquilo que tinha feito. Aceitei de forma muito espontânea.
Era suposto ficar nesta comunidade uma semana, entretanto a Covid despertou e eu estava a oito quilómetros do Norte de Itália. Os gestores da comunidade avisaram-nos de que, caso não saíssemos naquela semana, iríamos ficar presos. Neste ponto, eu não queria voltar para Portugal porque, tendo de percorrer tantos países, certamente que iria apanhar Covid e contaminar as pessoas. Decidi ficar por tempo indeterminado.
A nossa comunidade ficava mesmo no meio do nada. Estávamos numa base militar na fronteira entre a Eslovénia e Itália, um grande ponto de migração na Europa. Portanto, grande parte dos emigrantes, de forma legal ou ilegal, passa por aquele ponto muito remoto. Durante a Covid não havia mão-de-obra disponível porque estávamos todos fechados em casa e nós funcionávamos como um agente de força que estava a ajudar todos aqueles que precisavam. Ajudamos quintas ecológicas; a Cruz Vermelha que estava a entregar comida a crianças que, por não terem acesso às refeições da escola, tinham dificuldade em comer; ajudamos idosos que não tinham acompanhamento e ensinei inglês a crianças.

O que é que esta experiência significou para o seu crescimento pessoal?
Foram experiências muito variadas num contexto crítico, isto é, estávamos fechados numa comunidade sem hipótese de regressar aos nossos países. O facto de ter ajudado muitas pessoas, ajudou-me a compreendê-las melhor. Desde aquilo que significa a solidão para um idoso, à dificuldade de crianças emigrantes que, por não saberem inglês, tinham muita dificuldade em integrar-se no país.
Na altura tinha 23 anos, mas muitos dos jovens da comunidade tinham entre 18 e19 anos de idade e realmente entraram em pânico quando souberam que não podiam sair.
Muitos deles queriam abandonar o campo, mas a Eslovénia estava fechada e não tinham para onde ir. Tive de ganhar a capacidade de passar uma mensagem positiva nestes momentos e, de certa forma, gerar um clima pacífico dentro da comunidade.
Como estávamos 24 horas sobre 24 horas juntos – uma comunidade de 20 pessoas sempre junta -, sem nos apercebermos acabamos por entrar dentro de uma bolha social.
O humor das pessoas variava muito e de forma contagiosa, ou seja, se num dia estávamos tristes, ficávamos todos tristes, se no outro dia estávamos felizes, estávamos todos felizes. Algo que só era perceptível se visto de fora e que se consegue transportar para modelos macro: as pessoas, de facto, contagiam-se umas às outras.
Como estávamos num ambiente crítico, era possível que aquilo descambasse e senti a necessidade de fazer longas caminhadas sozinho, muitas vezes de três e quatro horas, para ver a situação de fora e perceber o que realmente estava a sentir. A comunidade era bastante unida e intensa e foi muito importante ter a capacidade de sair da bolha para perceber a bolha e voltar com uma energia melhor, ou, aquilo que realmente significa “sair da ilha para ver a ilha.”

Tem alguma história que queira partilhar?
Tenho uma história que se revelou uma das coisas mais caricatas da minha vida e uma das que mais me preocupou. Perdi-me na floresta sem saber se estava na Eslovénia ou em Itália. Por sorte, o cão que tínhamos na comunidade encontrou-me e acabou por me guiar para junto de pessoas. Estava a três horas de distância da base, quase na altura do pôr-do-sol e tinha de chegar antes de ser noite. Ter o cão do meu lado ajudou-me a não ter medo de pedir ajuda numa situação de pandemia onde as pessoas não estavam tão receptivas a ajudar.
Quantos países já visitou?
Já visitei 27 e um dos objectivos para 2024 é chegar aos 30 países. Mas não se trata de conhecer o máximo número de lugares, quando visito um país quero perceber realmente o que se passa lá e observar a forma como as pessoas funcionam.

É certo que a sua passagem pela Eslovénia alterou a forma como encara o mundo?
A passagem pela Eslovénia e pelo mundo do voluntariado, a experiência de pertencer a uma comunidade com jovens de todo o mundo durante uma pandemia, ficar preso nesta mesma comunidade numa situação completamente diferente daquilo a que estava habituado, ensinou-me que, independentemente do contexto em que estamos inseridos, seja o mundo corporativo ou uma comunidade vegan no meio da Eslovénia, todos temos as mesmas necessidades e somos todos humanos. De certa forma, voltei ao mundo corporativo com uma mentalidade um pouco mais humana. A pessoa que está à minha frente tem, obviamente, objectivos de negócio, mas não deixa de ser um humano e tem de ser tratada como tal. Quer estejamos em Portugal, ou na China, as formas de expressão são diferentes, mas as necessidades são as mesmas. Tendo isso em mente, ajudou-me imenso nas relações interpessoais e deu-me a capacidade de criar projectos maiores.

De que forma é que os Açores influenciaram as suas decisões? Tem planos para futuras contribuições na Região?
A influência é óbvia. Nos Açores, temos uma capacidade de trabalho muito acima da média e isso ajudou-me muito lá fora. Para além desta capacidade de trabalho e resiliência, a insularidade faz com que sejamos muito curiosos. O açoriano é, por natureza, muito curioso, quer saber o que está para além e essa é uma semente que levo comigo. Nunca estou satisfeito. Quero sempre conhecer pessoas novas, sítios novos, novas culturas e perceber como funcionam ou descobrir como os posso ajudar. Não seria o que sou sem os Açores e teria todo o gosto em ajudar. Acredito que os meus pequenos retornos à ilha e a partilha de experiências já contribuem de alguma forma.

Qual é o conselho mais valioso que recebeu e eu gostaria de partilhar com os nossos leitores?
Se vamos fazer algo, mais vale fazê-lo bem. Creio que existe muito o pensamento de “fazer só por fazer”, mas quando fazemos algo e sabemos que nos comprometemos a fazê-lo com integridade e a pensar no bem comum, a recompensa é muito maior.
Por outro lado, e isto tenho vindo a aprender muito com a cultura inglesa – que tem uma capacidade de construção de sistemas bastante elevada -, nós somos muito bons a resolver problemas de forma reactiva, no entanto, há que olhar para o problema e perceber como podemos resolvê-lo de forma sistemática. Somos muito bons a resolver “à última da hora”, mas temos de encarar os problemas sem o drama desnecessário que advém disto.
Portanto, em primeiro lugar fazer bem e de forma integra e, em segundo lugar, ser reactivo, mas também ter a capacidade de analisar o que foi feito e de construir um sistema em cima disso porque vai beneficiar muito o trabalho e a vida da comunidade de modo geral.

Daniela Canha
Edit Template
Notícias Recentes
Plano de Saúde2030 aprovado pelo Governo “garante igualdade nos resultados da saúde”
Vilafranquense regressa às Festas de São João da Vila e forma a Marcha do Emigrante com representantes dos Estados Unidos, Canadá, Bermuda e Inglaterra
Novo hotel Hilton é de “vital importância para o desenvolvimento da notoriedade internacional dos Açores”, afirma Duarte Freitas
Azeite e papo-seco foram os produtos que mais aumentaram de preço nos Açores entre Junho de 2023 e Maio de 2024
“O ioga é uma jornada profunda de auto-conhecimento”, afirma a instrutora Carolina Lino
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores