Edit Template

Bolieiro disse na Terceira que os Açores passaram “das desculpas aos bons resultados em três anos”

José Manuel Bolieiro afirmou que os Açores passaram “das desculpas à apresentação de bons resultados” nos últimos três anos de governação, tendo assumido a responsabilidade de “prosseguir com o encargo democrático de uma solução de governo para a região, na missão de bem servir os açorianos e todas as nossas ilhas”.O líder da Coligação PSD/CDS/PPM falava num jantar-comício, que juntou cerca de 800 pessoas em Angra do Heroísmo, onde frisou que “esta governação foi levada a cabo por açorianos de fibra, que desejam o melhor para cada uma destas nove ilhas”.“Não nos desviamos deste rumo, pois esse é o ADN deste projecto político e dos seus três partidos”, garantiu.Bolieiro lembrou que, “após 2020, nos Açores, passou-se das desculpas para a apresentação e concretização de bons resultados, assumindo o compromisso desta Coligação, com uma solução de governo para a região. Perante um PS que se mostrou incapaz. Ou sozinho ou a falar mal da alternativa, após ter perdido o poder, numa clara arrogância e mostrando ciúme pelo sucesso desta governação”.“Não estou aqui por causa de um cargo”, adiantou o presidente do PSD/Açores, “mas por uma missão de bem servir os Açores, os açorianos e todas as nossas ilhas. Não buscamos um cargo ou a relevância partidária, assumimos sim um projecto político para higienizar a democracia nos Açores, numa diferença clara em relação ao PS e às suas maiorias absolutas”, referiu.“Não nos focamos nas estatísticas e nas inaugurações. Nós projectamos a criação de um elevador social para todos, nas empresas e nas famílias, no sucesso de cada açoriano”, assegurou José Manuel Bolieiro.E deu como “um bom exemplo disso a importância da mobilidade inter-ilhas, que conseguimos com a Tarifa Açores, uma ideia de amor à nossa terra, para que todos os açorianos conheçam a sua região”.Bolieiro lembrou que, “na altura, Vasco Cordeiro disse que essa era uma medida mal estudada, impossível e ilegal”, pelo que, “hoje podemos dizer que quem não é capaz de criar não pode agora dizer que vai manter as boas medidas. Queremos o original e não quem copia mal”, concretizou.Para o presidente do PSD/Açores, “pode haver a continuidade desta governação reformista ou o regresso ao passado. É essa a escolha que os açorianos vão fazer, e acreditamos que vão escolher da melhor forma”.“A criação de riqueza na Região é indesmentível nestes três anos e não se pode esconder. Na Saúde e na Educação, fizemos bem e vamos continuar a fazer. Quem não fez antes, não tem crédito para prometer agora”, disse.Bolieiro deixou ainda “palavras de apreço e alento a Luís Montenegro, o próximo Primeiro-Ministro de Portugal, um homem competente, diligente e compreensivo da realidade de Portugal e dos portugueses. Solidário com o desenvolvimento do território e do seu povo”, fazendo também um apelo “ao voto na AD a 10 de Março. Por Portugal e por um Governo da República amigo dos Açores”, concluiu.Montenegro destaca trabalho de BolieiroJá o líder nacional do PSD começou por saudar a Coligação “que vai continuar a governar, de forma reforçada, os Açores”, realçando os contributos e o trabalho “de António Ventura e Artur Lima na Terceira”, e simbolizando “o apreço pelo projecto governativo em curso na pessoa de José Manuel Bolieiro, pela forma como tem liderado o PSD na região, mas, sobretudo, pela forma como tem governado os Açores”.“Nestes três anos, José Manuel Bolieiro mostrou que a Coligação PSD/CDS/PPM é uma coligação positiva e o futuro que os açorianos querem para a sua governação. Enquanto Vasco Cordeiro e o PS são o passado que os Açores não querem voltar a ter, e a coligação negativa dos partidos que chumbaram o Orçamento, criando uma crise política na Região”, adiantou.“Serão os açorianos a criar uma maioria estável para essa governação”, reforçou Luís Montenegro, dizendo-se “consciente de que temos de trabalhar muito, mas de que vamos vencer folgadamente as eleições nos Açores e as eleições no país a 10 de março”.O presidente do PSD disse mesmo que, “a nível nacional, o PS oferece hoje serviços públicos com menos qualidade do que quando chegou ao governo. Nos Açores acontece precisamente o contrário, e esses mesmos serviços, como a Saúde ou a Educação não têm nada a ver com a realidade do continente português, tendo melhorado os seus desempenhos com este Governo Regional”.Considerou ainda que “a Autonomia é um serviço às pessoas, às famílias e às empresas, que tem de ser apoiada pelo Estado, reunindo as condições ideais para ser aplicada”, e que, historicamente, “o PSD e o CDS se entendem quando é para resolver problemas, e não quando é para deitar governos abaixo, como vimos com outros partidos, agora, nos Açores”.Artur Lima, líder do CDS-PP/Açores, realçou “a abertura e a coragem de Luís Montenegro para constituir a AD a nível nacional, que nos dará a vitória a 10 de Março”, e localmente destacou “as capacidades políticas e humanas de José Manuel Bolieiro, que vai continuar a ser Presidente do Governo Regional, com a estabilidade de que os açorianos tanto precisam”.

Edit Template
Notícias Recentes
Novo modelo de avaliação externa dos alunos a partir de 2024/2025
Octant Furnas lança nova carta de Verão com sabores dos Açores com assinatura do Chef alentejano Henrique Mouro
Homem de 48 anos detido no Aeroporto João Paulo II por suspeita da prática do crime de posse de arma proibida
Incêndio em casa devoluta nas Laranjeiras
Câmara investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores