Edit Template

Levado ao extremo sem necessidade

O Santa Clara está pela segunda vez nos quartos de final da Taça de Portugal de futebol em 44 participações.
O feito resultou da eliminação do Nacional, no desempate por pontapés da marca de grande penalidade (4-2), após 0-0 no tempo regulamentar e de 1-1 após o prolongamento.
A equipa, com várias alterações, introduzindo os reforços Safira no ataque e Yannick Semedo no meio campo, rendendo o lesionado (joelho) Adriano, teve uma série de oportunidades de golo para resolver o jogo durante os 90 minutos e os períodos de compensação.
Com Vinicius Lopes a jogar o que sabe e na posição ideal, começou a desbaratar a defesa do Nacional, que, para a Taça de Portugal, enfrentou pela primeira vez.
A primeira parte terminou com 5 ocasiões flagrantes para o Santa Clara e nenhuma para a equipa da ilha da Madeira, que reparte o segundo lugar com o emblema de Ponta Delgada na Segunda Liga. Na segunda parte e no prolongamento foi mais do mesmo. O Santa Clara criou perigo em 12 situações até ao recurso ao desempate por penáltis, algumas com possibilidades de marcar.
O Nacional, que no início da segunda parte fez entrar quatro dos habituais titulares, só aos 90+4 minutos esteve muito perto do golo. Valeu a intervenção do Marco Diaz ao cabeceamento de Carlos Daniel.
Depois do tão ansiado e justificado golo, obtido aos 111 minutos por Gustavo Glismahn, de cabeça, na sequência de um canto cobrado por Bruno Almeida, o “balde de água fria” surgiu no último minuto do prolongamento, com uma intercepção imprudente de Rafael Martins a Dudu, que transformou o penálti no 1-1 aos 120+2.
Foi o terceiro dos quatro jogos do Santa Clara nesta edição da Taça que teve de recorrer ao prolongamento e o segundo ao desempate por penàltis. Tal como sucedera no jogo em Elvas, na anterior eliminatória, o “gigante” argentino Marco Diaz foi decisivo ao parar mais dois remates. Os de quinta feira de Carlos Daniel e de Ruben Macedo. Ao converterem Bruno Almeida, Pedro Pacheco, Gabriel Silva e Ricardinho, consumaram a presença nos quartos de final. Foi em 2019/20 que o Santa Clara esteve pela primeira vez, sendo afastado em Braga (1-2).
A preocupação das hostes do Santa Clara reside nas lesões dos reforços Safira e Yannick Semedo. Se são temporárias e ou prolongadas. Logo numa altura em que ambos vieram porque são precisos, como demonstraram na partida de quinta feira.
Entre 6 e 8 de Fevereiro jogam-se os quartos de final, participando seis equipas da Primeira Liga (FC Porto, Benfica, Sporting, Vitória SC, Gil Vicente, e Vizela) e dois da Segunda (Santa Clara e União de Leiria).
Foi o 101.º jogo do Santa Clara na Taça de Portugal e o 36.º em casa. Desde 19-09-2010 que o clube micaelense realizou 33 jogos, mas o do Nacional foi apenas o sexto como visitado.

Edit Template
Notícias Recentes
Plano de Saúde2030 aprovado pelo Governo “garante igualdade nos resultados da saúde”
Vilafranquense regressa às Festas de São João da Vila e forma a Marcha do Emigrante com representantes dos Estados Unidos, Canadá, Bermuda e Inglaterra
Novo hotel Hilton é de “vital importância para o desenvolvimento da notoriedade internacional dos Açores”, afirma Duarte Freitas
Azeite e papo-seco foram os produtos que mais aumentaram de preço nos Açores entre Junho de 2023 e Maio de 2024
“O ioga é uma jornada profunda de auto-conhecimento”, afirma a instrutora Carolina Lino
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores