Edit Template

Vilafranquense comemorou 100 anos de uma vida marcada pelo amor à terra e por aqueles que o rodeiam

 Celebrou-se na passada Quarta-feira o aniversário de Augusto Pimentel numa cerimónia que reuniu família e amigos. Hoje, pelas 15h00, a população da Ribeira Seca reúne-se num convívio organizado pela Junta de Freguesia para celebrar a história deste centenário. 

Nascido e criado em Vila Franca do Campo, Augusto Luís Pimentel celebrou, esta Quarta-feira, 100 anos. Filho de João dos Anjos Mansinho e Beatriz Pimentel Mansinho, é uma figura icónica da vila e todos aqueles que o conhecem dizem o mesmo: “o segredo para a sua longa e preenchida vida foi a qualidade de saber sempre dar a volta por cima e não se deixar abater.” É conhecido pela sua força de trabalho, pelo amor à terra, pelo inabalável sentido de humor e por “aproveitar tudo o que tinha à disposição”. Mas, e sobretudo, pelo gosto pelo convívio que o caracteriza e por todo o amor que cultivou naqueles que o conhecem.
A data foi celebrada com um jantar, no qual marcaram presença família e amigos no salão da Junta de Freguesia da Ribeira Seca, localidade onde é o único centenário. Foi emigrante durante 17 anos no Canadá e ainda fala bem o Inglês. Quando os mais novos lhe perguntavam “How are you uncle?”, respondia prontamente “one hundred per cent” (traduzindo do inglês significa: Como estás tio?/ A cem por cento”). Ainda cantou “Uma casa portuguesa” de Amália Rodrigues com a ajuda da sua “neta emprestada”, Lisete Roias que para preparar este evento inspirou-se nos livros porque, como refere, “cem anos são o marco de um livro completo”
Cinco Gerações
O centenário Augusto tem dois filhos com a sua primeira esposa, Maria dos Anjos Branco, que faleceu em 1991: Marta Maria Pimentel Neto, com 68 anos, e José Luís Pimentel, com 72. Tem cinco netos, Jennifer Pimentel, Gina Martins, Hélder, Virgínio e Fábio Neto. Os seus quatro bisnetos são Mackenzie Wallace, Micaela Martins, Helena e Camila Neto. Lourenço Varão é o seu trisneto com 11 meses.
Na década de 80, levou o filho José Luís para o Canadá, para evitar a tropa obrigatória. Por lá ficou e constituiu família. Já a filha, Marta Pimentel Neto, ficou nos Açores e expressa a alegria de ver o pai chegar aos 100 anos. “Ele sempre teve um grande coração, sempre foi um bom pai, ajudou toda a gente e tenho muito orgulho nele”.

Nos caminhos de ferro em Vancouver
Na década de 70, emigrou para o Canadá, onde ficou durante 17 anos. Trabalhou na construção dos caminhos de ferro de Vancouver, onde perdeu o irmão João Mansinho num acidente de trabalho. Vinha todos os Natais visitar a família, trazia as “novidades do Canadá” e mandava o dinheiro para a primeira esposa, Maria Pimentel, que foi comprando algumas das terras que, mais tarde, foram o seu sustento.

“Amanhecia e anoitecia na terra”
Todos os que o conhecem prontamente dizem que um dos maiores segredos da sua longevidade foi o amor ao campo. Augusto sempre trabalhou e nunca perdeu o gosto pela terra que semeou e cuidou até aos 95 anos de idade. Viveu do cultivo das vinhas e plantava desde as batatas aos amendoins, que levava sempre no bolso para oferecer a quem pedisse. “Ele tinha sempre amendoins assados nas algibeiras e em criança pedíamos amendoins,” contam algumas das amigas.
Liberal Manuel Quental Flor de Lima, casado com uma das vizinhas e amigas de longa data do “tio Augusto”, Maria Flor de Lima, conta: “ele vendia-me o vinho e a partir daí ficamos muitos amigos. Ele também vendia o vinho a outra pessoa, mas a dada altura passou a vendê-lo só a mim, o que era demasiado. Mas a responsabilidade de comprar-lhe o vinho, foi o impulso para andar para a frente. Ele obrigou-me a andar com os pés para vender o vinho e a partir daí continuei sempre a andar para a frente”.
“Foi uma pessoa muito inteligente. Comprou as suas terras, mas quando viu que já não podia, vendeu-as. Ele projectava muito bem a sua vida, tinha perspectivas de futuro. Nunca o vi triste. Mesmo nos maus momentos, no dia seguinte vinha com nova energia. Também era muito perfeccionista, queria tudo arranjado e se via uma pedrinha na terra, metia no bolso só para não a deixar lá”, concluiu Liberal Flor de Lima.

Vizinhos e amigos
de várias gerações
Os filhos dos amigos da sua geração, os seus amigos de hoje, cresceram com memórias do “tio” Augusto e os seus próprios filhos também já nutrem um carinho especial por ele.
Maria Flor de Lima afirma que o “tio” Augusto se caracteriza “pela sua alegria, pela sua a forma de viver, conviver e apreciar o comer. Ele trabalhava muito, mas quando era para passear, também passeava. Tirava sempre um dia, se fosse preciso de táxi, e ia às suas excursões e às festas todas. Ele fez sempre os seus rituais. Ia à missa, às festas e às procissões… Ele gozava tudo o que tinha à disposição.”
Margarida Andrade, vizinha e amiga de longa data, conta que a sua capacidade de “dar a volta por cima” e seguir em frente com a sua rotina foi uma qualidade que sempre impressionou aqueles que o rodeiam. Para além disso, ninguém esquece o seu sentido de humor “inabalável” e a sua postura “atrevida”, com que sempre lidou com aqueles que o rodeiam: “Toda a gente conhece o tio Augusto. Toda a gente tem um carinho especial por ele. A Teresa [esposa] também foi muito corajosa e foi sempre muito boa para ele.”
Os amigos dizem que foi para a ilha da Madeira atrás de Teresa Silva Pimentel, com a mesma convicção e força com que sempre encarou a vida. “Eu vou-me apresentar e se ela gostar de mim, vem comigo. Meteu-se no avião e assim foi”, recordou Margarida.

Augusto foi ao encontro de Teresa
na ilha da Madeira
A amiga Margarida Andrade explica que Augusto “não era homem para estar sozinho” e, por intermédio de uma amiga da Lagoa, a Senhora Valentina, encontraram uma “rapariga que era boa para ele.” Conheceram a madeirense Teresa nos dois anos que passou nos Açores a cuidar da irmã, Adelaide Silva, mas quando falaram dela a Augusto, já tinha regressado à sua terra.
Mostraram-lhe uma foto e ele ligou para a Madeira, no próprio dia, a informar Teresa de que se ela não quisesse vir aos Açores, ele ia à Madeira apresentar-se. Nas palavras da agora esposa: “Eu disse que não vinha para casa da minha irmã, em São Miguel, para o conhecer. Então, ele disse logo “se tu não vens, eu vou e fico num hotel. Ele disse-me com que roupa ia vestido para saber quem ele era e fui esperá-lo ao aeroporto. Ficou lá 8 dias. Um dia ele veio de um almoço em casa da Margarida e elas fizeram-lhe a surpresa. Quando entrou na cozinha, viu-me ali sentada”.
A 1 de Dezembro de 1993 casaram-se, ele com 69 anos e Teresa com 44. Muitos amigos afirmam que “este casamento e o amor que perdura há 31 anos foi um dos segredos” da longevidade de Augusto.

A “tia” Teresa e o “tio” Augusto
Actualmente com 75 anos, Teresa afirma que se sente muito feliz por ele ter chegado até aqui: “nunca esperei ter um marido que chegasse aos 100 anos. É preciso ter força e saúde para cuidar dele, mas se ele me falta vai ser muito difícil para mim. Falamos e rezamos juntos à noite. Ele sempre foi uma boa companhia”.
Conta que “ele ajudou muitas pessoas e sempre foi muito amigo do convívio, mas também sempre trabalhou muito. Até por volta dos 95 anos, ainda plantava ervilhas e açafroa no quintal, sentava-se numa eira e ia tratando da terra assim. Ele dizia sempre: “Eu quero é ir trabalhar, não quero ficar aqui parado”. Se todos os homens fossem amigos do trabalho da terra como ele, não havia terras por fazer.” Para além do trabalho, o tio Augusto também é “muito amigo de comer”, afirma Teresa, adiantando que “a alimentação também é muito importante na nossa vida, porque há coisas e horas em que não devemos comer.”
“Mas, se ele chegou aos 100 é porque Deus sabe o que faz. A ajuda de Deus é muito boa. Quando ele se deitava na cama dizia sempre: Jesus dá-me uma boa noite com saúde e a graça de Deus. Também dizia outra que inventou: Jesus dá-me uma boa noite como me deu o dia. Agora já há dias em que ele não se recorda e sou eu que lhe lembro”, conclui.

Daniela Canha

Edit Template
Notícias Recentes
Cuidar do nosso património
Flagelo da toxicodependência, falta de habitação e o agravamento da pobreza são as maiores dificuldades que afligem as famílias da Ribeira Seca
Presidente da Assembleia destaca importância do Museu do Parlamento no 1º aniversário
Bombeiros de Ponta Delgada vão transportar Coroado Município na Grande Coroação deste Domingo
“Um dos objectivos que distingue a RARA é a tentativa de afirmação do artesanato como uma profissão de futuro”
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores