Edit Template

As eleições estão à porta

Após um breve período de férias natalícias fora da ilha, eis-me de volta ao vosso convívio, com votos de um excelente Ano Novo com “toneladas” de saúde para todos. Vamos ao tema desta semana.
Estão marcadas para o dia 4 de fevereiro as eleições regionais.
Confesso que não simpatizo com aquela data porque, foi nesse dia que a UPA – União dos Povos Africanos, iniciou (com razão, ou sem ela, não interessa) a revolta de Angola contra a colonização portuguesa. Este facto levou-me a passar 28 meses na selva africana, onde o meu batalhão e a companhia de reforço que tinha, perderam 13 elementos.
De regresso ao tema desta semana devo dizer que, o que tenho lido e ouvido nos vários órgãos de comunicação social é uma repetição das campanhas anteriores. Isto é, fala-se mal uns dos outros, porque não se fez isto ou aquilo que se tinha prometido, em campanha ou fora dela, esquecendo-se alguns acusadores que, quando por lá passaram, também não fizeram o que tinham prometido.
Por outro lado, aparecem os mini-partidos a chantagear reivindicando – para ontem – matérias de difícil solução, ou então, que não se fazem de um dia para o outro por falta de verbas.
São atitudes destas, de pura demagogia, que afastam os eleitores das urnas porque não estão para dar o seu aval a “palhaçadas” deste género.
Por outro lado, verifica-se a teimosia na falta de actualização dos cadernos eleitorais. Tanto a CNE – Comissão Nacional de Eleições, como as Câmaras e Governos Regionais, se têm “marimbado” para executar tal tarefa, talvez até por lhes interessar não “mexer”.
Também fiquei espantado com a quantidade de candidatos (efectivos e suplentes) que se apresentam às eleições. Nada mais nada menos do que 850! Convenhamos que é muita gente!!
Como curiosidade fiquei sabendo que, mais de duas centenas deles concorrem por ilhas onde não residem! Pergunto:- que fantochada é esta?
Ainda na área das curiosidades ficou-se a saber que, o actual governo regional tem mais de cem “boys” e “girls” nomeados para executar tarefas nos diversos gabinetes, com a presidência a pontificar com mais de vinte; isto para além de quase duas centenas de prestadores de serviços nos vários departamentos governamentais.
Francamente, isto é muita gente para governar uma população de cerca de 240.000 almas.
Depois falam da autonomia sem sequer saber o verdadeiro significado de tal palavra. Ser-se autónomo é administrar os recursos que tem.
Ser-se autónomo é exigir do Governo Central, ou de Bruxelas, aquilo que nos pertence por direito próprio, ou por via da nossa existência no meio do Atlântico.
Ser-se autónomo é pensar que, quem quer ter ilhas, tem obrigação de pagar por elas; ou seja, dotá-las dos meios financeiros suficientes.
Ser-se autónomo, não é estar de “trela curta” como aparecem alguns em cartazes com os seus chefes da mãe -pátria.
Ser-se autónomo, é falar com toda a verdade e não por meias verdades para confundir o eleitor.
A campanha eleitoral está praticamente na rua. Ainda não ouvi alguém – do governo ou da oposição – falar de simplificação legislativa de modo a facilitar a vida ao cidadão comum.
Todos sabemos quão complicado é tratar de qualquer assunto numa repartição pública. A complicação, foi criada pelos próprios políticos, com a estafada desculpa da transparência. Porém, o certo é que, quando se quer tratar de qualquer problema numa repartição pública é, por vezes, uma tarefa hercúlea que quase leva ao desespero o vulgar cidadão. Contudo, parece que nada disto incomoda a classe política desta região que se diz autónoma.
É, em boa verdade, uma verdadeira tristeza!

Carlos Rezendes Cabral
P.S. Texto escrito pela antiga grafia.
                                                    14JAN2024
Edit Template
Notícias Recentes
Cuidar do nosso património
Flagelo da toxicodependência, falta de habitação e o agravamento da pobreza são as maiores dificuldades que afligem as famílias da Ribeira Seca
Presidente da Assembleia destaca importância do Museu do Parlamento no 1º aniversário
Bombeiros de Ponta Delgada vão transportar Coroado Município na Grande Coroação deste Domingo
“Um dos objectivos que distingue a RARA é a tentativa de afirmação do artesanato como uma profissão de futuro”
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores