Edit Template

Lentos em ações e lestos em estudos

A governação política quando nada tem para apresentar como solução, refugia-se em estudos. Lança-se um estudo e a oposição política silencia-se.
Há anos que os Arrifes, Feteiras, São Vicente, e outras freguesias de Ponta Delgada, são vítimas de inundações, derrocadas e transbordo de ribeiras.
Nos Arrifes, a situação não é nova e as soluções efetivas há muito que tardam. As soluções executadas preocuparam-se com o recolher das águas arrastadas (construção de sumidouros) , descurando a origem dessas mesmas águas e os desvios das linhas de água – permitidos pela fraqueza de decisão e contornos na gestão territorial – que se mantêm há mais de 30 anos.
É credível que tenhamos um estudo hidrográfico para todo o concelho de Ponta Delgada com um custo de 30.000 €, como anunciou o responsável da Câmara Municipal de Ponta Delgada? Tudo indica ser uma medida em tempo eleitoral e apenas para tapar os olhos, com alguma verba disponível. Deveria ser público a base da contratação desse mesmo estudo e suas conclusões daqui a dois meses (curiosamente após os dois atos eleitorais).
Como o nosso espaço não é infinito, criar mais pontos de recolha de águas e não olhando para o problema de uma forma global, daqui a nada não teremos mais espaços para construir pontos de recolha de água e os carros continuarão a ser arrastados e as casas inundadas. É assim hoje, como é há décadas.
Somos rodeados por mar, pastagens e floresta. Os agricultores sabem bem o estado das suas explorações, estes que todos os dias acompanham-nas e vêem as suas terras que não absorvem as águas pluviais, vêem os poços de água parados em determinadas zonas e sabem, na esmagadora maioria, que 30 cm abaixo do solo este não está encharcado, mesmo com elevados índices de pluviosidade. Ninguém conhece melhor o solo da sua exploração e tem a consciência de necessitar do ambiente, como o agricultor. Por isso, maioritariamente, o agricultor tende a respeitá-lo (ao ambiente), e com certeza anseia por outras formas de fazer diferente, tal como valorizar a microbiologia do solo e como “alimentá-lo” sem “sufocá-lo” com excesso de fertilizantes arrastados pelas chuvas que voltam ao mar, precisamente do local de onde foram descarregados. Em suma, perda de dinheiro e tantas outras consequências.
Acresce a ausência de limpeza nas ribeiras, nos sumidouros e nos bueiros. Com tecnologia existente e um PRR- Plano de Recuperação e Resiliência – fortemente direcionado para a transição digital, estranha-se o não recurso a soluções digitais para a prevenção de enchentes, derrocadas e dos níveis de capacidade nos bueiros.
Falta coragem política às diferentes entidades para se articularem para resolverem problemas, em vez de contorná-los com mais estudos. À data as políticas públicas têm como resultado as contínuas perdas por parte das famílias e do ambiente, que inevitavelmente resultarão de apoios públicos para suprimirem os prejuízos, e o consumo da despesa pública. É um ciclo vicioso. Quem terá a coragem para atenuar (já para não dizer romper) com este ciclo?

Sónia Nicolau

Edit Template
Notícias Recentes
Plano de Saúde2030 aprovado pelo Governo “garante igualdade nos resultados da saúde”
Vilafranquense regressa às Festas de São João da Vila e forma a Marcha do Emigrante com representantes dos Estados Unidos, Canadá, Bermuda e Inglaterra
Novo hotel Hilton é de “vital importância para o desenvolvimento da notoriedade internacional dos Açores”, afirma Duarte Freitas
Azeite e papo-seco foram os produtos que mais aumentaram de preço nos Açores entre Junho de 2023 e Maio de 2024
“O ioga é uma jornada profunda de auto-conhecimento”, afirma a instrutora Carolina Lino
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores