Edit Template

Bloco diz que quase 40% dos trabalhadores do sector privado nos Açores recebe o salário mínimo

António Lima acusa o Governo de Coligação PSD, CDS e PPM de ter ficado “de braços cruzados perante o aumento da inflação”. Para recuperar o poder de compra das famílias, o Bloco de Esquerda propõe o aumento do salário mínimo regional, o aumento da remuneração complementar e o controlo de margens de comercialização num cabaz de produtos alimentares essenciais.
As propostas foram apresentadas esta manhã após uma reunião com a Associação de Consumidores dos Açores, que enfrenta dificuldades devido à falta de financiamento, e que o coordenador do Bloco diz ter um papel fundamental na defesa dos consumidores açorianos.
“Percebemos a importância da defesa do consumidor em alturas como as que estamos a viver, com o aumento significativa dos preços, com uma inflação elevada e também com o aumento dos juros e das rendas na habitação”, disse António Lima.
Perante estas dificuldades, nos últimos anos “tivemos um Governo que ficou de braços cruzados”, mas agora que a inflação dá sinais de começar a descer, José Manuel Bolieiro “tentou ficar com os louros”, afirmou o primeiro candidato do Bloco às próximas regionais.
“Quem não fez absolutamente nada para contrariar a subida de preços, nem para apoiar as pessoas vem agora dizer que o mérito da descida da inflação é do seu Governo. Isso é falso e não faz qualquer sentido”, apontou António Lima.
O Bloco, por sua vez, ao longo da anterior legislatura fez várias propostas para contribuir para as famílias poderem enfrentar estas dificuldades – nomeadamente o aumento de salários no público e no privado e o controlo de preços de bens essenciais – mas as propostas foram rejeitadas pela coligação de direita.
António Lima salienta que “mais de 26% da população dos Açores está em risco de pobreza e muitas destas pessoas trabalham, mas ganham salários tão baixos que não dão para as despesas familiares a cada mês”.
Quase 40% dos trabalhadores do sector privado nos Açores recebe o salário mínimo, por isso “a pobreza nos Açores tem níveis desastrosos”.
O aumento do custo da alimentação, dos juros e das rendas significaram uma redução do rendimento disponível das famílias, por isso é importante lutar por melhores salários no sector público e no sector privado, para “contrariar o empobrecimento da população, que é uma marca deste Governo Regional de José Manuel Bolieiro”.

Edit Template
Notícias Recentes
FACE A FACE!… com Rui Carvalho e Melo
Francisco Matos: “Há modalidades nos Açores que formam campeões nacionais e que têm pouco apoio institucional na Região…”
Artista plástica Nina Medeiros expõe “Mau Feitio” no Convento de Santo António, na Lagoa
Jovens arquitectos denunciam numa exposição em Lisboa a urgência de proteger a lagoa das Sete Cidades da excessiva fertilização dos solos
Vila Franca do Campo vai ter Núcleo da Cáritas a partir do dia 2 de Março
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores