Edit Template

BE quer novas soluções para resolver problemas das famílias em pagar uma habitação

Desde 2020 “houve um agravamento muito sério” com os custos da habitação – aumento de juros e rendas – mas o Governo da coligação “não criou novas medidas, nem alterou as que existiam”, disse ontem António Lima, que defendeu o aumento dos apoios ao arrendamento e criação de um adicional ao imposto sobre transacções de habitações de luxo, para travar a especulação.
Numa reunião com a Administração da cooperativa de habitação “Nossa Casa Nossa Vila”, em Rabo de Peixe, António Lima assinalou a importância de dar resposta às famílias que não conseguem aceder a créditos bancários, nem reúnem as condições para aceder a habitação social.
“São as classes trabalhadoras que mais sofrem neste momento com o problema da falta de habitação”, assinalou o coordenador do Bloco, que lamentou a falta de política de habitação do governo de coligação PSD, CDS e PPM.
Para o Governo de direita, “parece que não se passou nada desde 2020”, mas a verdade é que “houve um agravamento muito sério dos custos de habitação, que toda a gente sente, seja quem tem casa adquirida com recurso a um empréstimo – que teve subidas astronómicas nos juros – seja quem está a arrendar uma casa”, disse o primeiro candidato do Bloco às próximas eleições.
“É preciso mudar de Governo, mas também é preciso mudar de políticas”, afirmou António Lima, que apontou a solução das cooperativas de habitação, como “um exemplo para o qual o Governo deve olhar e deve apoiar, porque permite resolver com mais rapidez os problemas de habitação”.
António Lima diz que “o PRR não é solução para tudo”, e propõe a elaboração de um plano regional de habitação.
No que diz respeito aos apoios ao arrendamento, o Bloco de Esquerda defende o alargamento do valor máximo da renda para aceder ao apoio, assim como o aumento dos apoios e o alargamento do período de candidatura, que actualmente está aberto apenas durante um mês no ano. “Parece que as pessoas só procuram casa no mês de Agosto… É ridículo”, afirma o candidato.
António Lima salientou também as dificuldades dos muitos jovens “que não conseguem sair da casa dos pais”.
Para combater a especulação o Bloco tem uma proposta a nível nacional para que os estrangeiros sem residência em Portugal não possam adquirir habitação, porque a habitação é para quem precisa de viver cá.
A nível regional, o Bloco propõe que haja um adicional ao imposto de transacção, que reverta para a Região, para transacções de habitações de luxo, para desincentivar este mercado especulativo, “que não deixa nada nos Açores e que apenas serve para alimentar fundos imobiliários que têm as casas, não como um bem essencial para as pessoas, mas apenas como um ativo financeiro para enriquecer”, acrescentou o candidato.
O Bloco de Esquerda já anunciou também a propostas para que os novos empreendimentos habitacionais fiquem obrigados a reservar uma percentagem de casas para um regime de compra ou arrendamento a preços acessíveis.
Além disso, o Bloco também defende que o governo deve travar o aumento das rendas.

Edit Template
Notícias Recentes
Governo destaca Marca Açores como uma ferramenta essencial na promoção dos produtos e serviços do arquipélago
Presidente do Governo reafirmou ao Almirante Gouveia e Melo os poderes autonómicos dos Açores na gestão do mar
Padre Duarte Melo e Leonor Anahory defendem que se deve aproveitar o saber dos mais velhos para ajudar a formar os mais novos
Dezenas de pessoas “com muita devoção pelo Espírito Santo” ajudaram nos preparativos das 13 mil sopas que serão servidas hoje no Campo de São Francisco
Cinco detidos no aeroporto de Ponta Delgada com documentos de identificação falsos
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores