Edit Template

Bloco defende avanços no bem-estar animal

O Bloco de Esquerda propõe avanços nas políticas de bem-estar animal nos Açores, como a implementação de campanhas de esterilização gratuitas permanentes. Numa visita à Casa do Animal, ontem, na Ribeira Grande, António Lima assinalou a falta de sensibilidade da direita para o bem-estar animal e deu o exemplo da proposta que o Governo da Coligação levou ao Parlamento para tentar reverter o fim do abate de animais nos canis.
António Lima realçou o trabalho do Bloco de Esquerda pelo bem-estar animal, lembrando que o partido lutou desde 2016 no Parlamento por uma política de “abate zero” nos centros de recolha oficial, para acabar com abate de animais como forma de controlo populacional.
O Bloco defende que, para reduzir o abandono de animais, “o foco tem que estar na prevenção”, por isso, é preciso que existam campanhas permanentes de esterilização gratuita de animais de companhia, assim como programas de captura, esterilização e devolução (CED), no caso dos gatos, para evitar a reprodução descontrolada.
António Lima apontou a falta de sensibilidade do Governo nesta matéria: “Colocar nas mãos da Coligação e da direita as políticas de bem-estar animal é um perigo”, porque isto pode significar um retrocesso naquilo que já foi alcançado.
O candidato do Bloco de Esquerda às próximas regionais destacou o trabalho voluntário de quem se dedica à causa da protecção dos animais: “É preciso valorizar o trabalho que é feito pelos voluntários e pelas associações, que têm tido grandes dificuldades ao nível do apoio público para a sua actividade, que é uma responsabilidade da Região”.

BE: proposta para 28 mil
jovens lerem jornais
Questionado pelos jornalistas sobre a carta assinada por um grupo de órgãos de comunicação social privada dos Açores que alerta para a “situação dramática” vivida pelo sector, António Lima defende o aumento dos apoios aos custos de produção e adianta que o Bloco tem no seu programa eleitoral uma proposta para que todos os jovens dos 15 aos 24 anos tenham acesso à assinatura de um jornal local ou regional à sua escolha.
A medida abrange cerca de 28 mil jovens, o que representa um aumento substancial do número de assinantes de muitos jornais, vai fidelizar novos leitores e ser uma importante fonte de financiamento para os jornais, de forma isenta e objectiva.
“Serão os próprios jovens a decidir que órgão de comunicação social querem receber”, frisa o candidato do Bloco, que considera esta medida “muito importante para dar futuro, criar públicos e garantir uma comunicação social plural, que valoriza o debate político e que é o garante de uma democracia que funciona”.
O Bloco de Esquerda tem já agendado um encontro com os representantes do grupo de órgãos de comunicação social privada dos Açores.

Edit Template
Notícias Recentes
Deputada municipal da Povoação quer a freguesia das Furnas sem carros e uma gestão adequada do espaço da lagoa e dos cozidos das caldeiras
Marcelo e Luís Montenegro destacam a excelência da agricultura açoriana no panorama nacional
Confusão com disponibilidade de caixas para o peixe levou intermediários a só comprar peixe a partir das 13 horas
Governo estrutura Parque Marinho dos Açores e delimita as Áreas Marinhas Protegidas Oceânicas e interdita 30% do mar a actividades extractivas
Câmara Municipal de Ponta Delgada promove as XXI Grandes Festas do Divino Espírito Santo de 11 a 14 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores