Edit Template

Ponta Delgada precisa urgentemente de um plano viário para disciplinar e fazer fluir a circulação automóvel

Os vereadores do Partido Socialista defendem que a cidade de Ponta Delgada precisa urgentemente de ter um plano viário que defina corredores de circulação automóvel na sua malha urbana, quer no sentido leste – oeste, quer no sentido norte-sul, por considerarem que “assim não pode continuar”.
Para os vereadores socialistas, “o que se está a passar com a Rua do Laureano, onde foi invertido o sentido de circulação automóvel, que passou a ser via de escoamento de muito trânsito vindo da Fajã de Baixo com destino à Calheta, parte sul da Avenida D. João III, Avenida litoral e centro da cidade ou o que está a acontecer com a rua Morgado Botelho, que passou a ser via de escoamento do trânsito vindo da Freguesia da Fajã de Cima, são sinais claros da falta de planeamento para o acesso à cidade, e o pior que pode acontecer a ruas de moradores, introduzindo-lhes dificuldades de acesso às suas casa e garagens, ruído, insegurança e consequente desvalorização do seu património habitacional”.
Segundo André Viveiros, as obras do fecho das ruas que confluem para a da Matriz, e que desviaram o trânsito para a Rua Machado dos Santos, e para a Avenida Litoral, “só deviam ter lugar quando se tivesse soluções pensadas e projectadas, do que se quer em matéria de circulação automóvel para a malha urbana da cidade”.
O vereador socialista defende que fechar ruas, “apenas porque queremos aumentar o espaço público de convívio para dias de festa, ou para os dias da chegada de paquetes, ou porque simplesmente está na moda e devemos copiar o que lá fora se faz, não é uma solução para quem vive ou quer aceder ao comércio e serviços do centro da cidade, e é ver os seus efeitos nestes longos dias de Inverno”.
André Viveiros defende que se deve projectar a instalação de semáforos para a Avenida Litoral, “cujo distanciamento entres eles só vão comprimir e retardar ainda mais a circulação naquela via, nada tem a ver com a definição de quais os principais eixos viários da cidade que irão orientar os seus fluxos pendulares e diários de trânsito”.
De acordo como o vereador socialista, é preciso saber se há necessidade ou não de localizar futuras estações rodoviárias, com vista a melhorar o transporte colectivo, ou saber se é ou não viável a ligação da Avenida D. João III até à Avenida Mota Amaral, “para evitar que muito do trânsito tenha de circular na avenida Litoral, ou saber o que se pode negociar com a Portos dos Açores sobre a ligação do lado sul da Avenida Príncipe Mónaco até ao Forte de São Brás e Campo de São Francisco”.
O vereador socialista afirma ser isso “que se espera da Câmara Municipal de Ponta Delgada nos dias de hoje: planeamento, consensos, construção faseada, e não ir atrás de modas, ou da vã esperança de se ser um visionário”.

Edit Template
Notícias Recentes
Governo destaca Marca Açores como uma ferramenta essencial na promoção dos produtos e serviços do arquipélago
Presidente do Governo reafirmou ao Almirante Gouveia e Melo os poderes autonómicos dos Açores na gestão do mar
Padre Duarte Melo e Leonor Anahory defendem que se deve aproveitar o saber dos mais velhos para ajudar a formar os mais novos
Dezenas de pessoas “com muita devoção pelo Espírito Santo” ajudaram nos preparativos das 13 mil sopas que serão servidas hoje no Campo de São Francisco
Cinco detidos no aeroporto de Ponta Delgada com documentos de identificação falsos
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores