Edit Template

Ponta Delgada precisa urgentemente de um plano viário para disciplinar e fazer fluir a circulação automóvel

Os vereadores do Partido Socialista defendem que a cidade de Ponta Delgada precisa urgentemente de ter um plano viário que defina corredores de circulação automóvel na sua malha urbana, quer no sentido leste – oeste, quer no sentido norte-sul, por considerarem que “assim não pode continuar”.
Para os vereadores socialistas, “o que se está a passar com a Rua do Laureano, onde foi invertido o sentido de circulação automóvel, que passou a ser via de escoamento de muito trânsito vindo da Fajã de Baixo com destino à Calheta, parte sul da Avenida D. João III, Avenida litoral e centro da cidade ou o que está a acontecer com a rua Morgado Botelho, que passou a ser via de escoamento do trânsito vindo da Freguesia da Fajã de Cima, são sinais claros da falta de planeamento para o acesso à cidade, e o pior que pode acontecer a ruas de moradores, introduzindo-lhes dificuldades de acesso às suas casa e garagens, ruído, insegurança e consequente desvalorização do seu património habitacional”.
Segundo André Viveiros, as obras do fecho das ruas que confluem para a da Matriz, e que desviaram o trânsito para a Rua Machado dos Santos, e para a Avenida Litoral, “só deviam ter lugar quando se tivesse soluções pensadas e projectadas, do que se quer em matéria de circulação automóvel para a malha urbana da cidade”.
O vereador socialista defende que fechar ruas, “apenas porque queremos aumentar o espaço público de convívio para dias de festa, ou para os dias da chegada de paquetes, ou porque simplesmente está na moda e devemos copiar o que lá fora se faz, não é uma solução para quem vive ou quer aceder ao comércio e serviços do centro da cidade, e é ver os seus efeitos nestes longos dias de Inverno”.
André Viveiros defende que se deve projectar a instalação de semáforos para a Avenida Litoral, “cujo distanciamento entres eles só vão comprimir e retardar ainda mais a circulação naquela via, nada tem a ver com a definição de quais os principais eixos viários da cidade que irão orientar os seus fluxos pendulares e diários de trânsito”.
De acordo como o vereador socialista, é preciso saber se há necessidade ou não de localizar futuras estações rodoviárias, com vista a melhorar o transporte colectivo, ou saber se é ou não viável a ligação da Avenida D. João III até à Avenida Mota Amaral, “para evitar que muito do trânsito tenha de circular na avenida Litoral, ou saber o que se pode negociar com a Portos dos Açores sobre a ligação do lado sul da Avenida Príncipe Mónaco até ao Forte de São Brás e Campo de São Francisco”.
O vereador socialista afirma ser isso “que se espera da Câmara Municipal de Ponta Delgada nos dias de hoje: planeamento, consensos, construção faseada, e não ir atrás de modas, ou da vã esperança de se ser um visionário”.

Edit Template
Notícias Recentes
FACE A FACE!… com Rui Carvalho e Melo
Francisco Matos: “Há modalidades nos Açores que formam campeões nacionais e que têm pouco apoio institucional na Região…”
Artista plástica Nina Medeiros expõe “Mau Feitio” no Convento de Santo António, na Lagoa
Jovens arquitectos denunciam numa exposição em Lisboa a urgência de proteger a lagoa das Sete Cidades da excessiva fertilização dos solos
Vila Franca do Campo vai ter Núcleo da Cáritas a partir do dia 2 de Março
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores