Edit Template

Os Açores têm as maiores prevalências de consumo de drogas sintéticas, heroína, cocaína e tranquilizantes/sedativos não prescritos

Um inquérito aos comportamentos aditivos de jovens com 18 anos que participaram no Dia de Defesa Nacional em 2022 realizado pelo SICAD – Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências do Ministério da Saúde, revela que os Açores são a Região do país com maior prevalência ao longo da vida e nos últimos 12 meses em tranquilizantes e sedativos não prescritos e em drogas duras.
Quanto às drogas ilícitas, em 2022 face a 2021, os Açores não acompanham a tendência nacional de subida, registando um decréscimo do consumo que faz com que esteja agora ligeiramente abaixo do total nacional.
Paralelamente, segundo o estudo, os Açores não acompanham a tendência nacional de descida no que diz respeito à utilização da Internet para jogos de apostas, traduzindo-se numa discrepância muito acentuada face ao total nacional. A experiência de problemas relacionados com a ingestão de bebidas alcoólicas, consumo de drogas ilícitas e a utilização da Internet “pouco se alterou, não acompanhando a tendência nacional”.

Campeões em tranquilizantes
e sedativos não prescritos

Os Açores (10,9%) são campeões no consumo de tranquilizantes e sedativos não prescritos em termos de prevalência ao longo da vida. A média de prevalência ao longo da vida no país é de 7,3% e, na Madeira, é de 7,9%. Todas as outras regiões portuguesas têm uma prevalência, a este nível, abaixo da que se verifica nos Açores.
Em todas as regiões do país, o consumo recente de tranquilizantes/sedativos sem receita médica por parte dos jovens de 18 anos é uma prática sem grande expressão. A maior prevalência de consumo não prescrito deste tipo de medicamentos nos últimos 12 meses regista-se na Região Autónoma dos Açores (9%), enquanto a menor (5%) se verifica em Lisboa, Norte e Algarve. Mesmo tendo em conta que os valores são de pouca ordem de grandeza, não se verificam discrepâncias regionais assinaláveis, com excepção dos Açores, que se destaca claramente das restantes (+3 pontos percentuais face ao total nacional).

Maior consumo de drogas
pesadas nos Açores

Já em termos de prevalência de consumo de substâncias ilícitas ao longo da vida, por tipo e substância e região em Portugal, é nos Açores que existe uma maior prevalência no consumo de alucinogénicos (5,9%) à frente da Madeira (5,2%) e da média nacional (4,2%). A prevalência é também mais elevada nos Açores em termos de consumo de cocaína (6,7%) acima da Madeira (5,3%) e da média nacional (3,7%); e também do consumo de heroína/opiáceos (4,4% nos Açores), enquanto na Madeira a prevalência é de 3,2% e a média nacional de prevalência a nível nacional é de 1,8%.
Ainda segundo o estudo de 2022, os Açores lideram a prevalência de consumo de novas substâncias psicoactivas ao longo da vida (6,1%); à frente do Alentejo (5,5%) e da Madeira (5,4%), sendo a média nacional de prevalência de 4,3%.
Já quanto ao consumo de canábis, os Açores são a Região de menor prevalência ao longo da vida (24,9%; quando na Madeira é de 25% e a média nacional é de 28,4%.
Em termos de anfetaminas, os Açores (6,9% em termos de prevalência ao longo da vida) estão acima da prevalência média nacional (6,4%) e abaixo da Madeira (7,4%).
Em termos de prevalência de consumo de substâncias ilícitas nos últimos 12 meses, por tipo de substância e região, os Açores lideram ao nível das novas substâncias psicoactivas (4,9%); dos alucinogénios (4,8%); da cocaína (prevalência de 5,6%); e da heroína (3,9%).

Consumo de bebidas alcoólicas

Segundo o estudo, a prevalência do consumo de bebidas alcoólicas ao longo da vida na população açoriana (84,6%) é inferior à média nacional (87,6%) e superior à Madeira (82,3%). As prevalências mais elevadas verificam-se no Alentejo (91,1%); e no Algarve (90,7%).
Quanto à prevalência do consumo de tabaco na população ao longo da vida, a percentagem é mais elevada nos Açores (56,1) do que a média nacional (52,2%) e muito mais elevada do que na Madeira (47,4%). É na região do Alentejo que a prevalência do consumo do tabaco na população ao longo da vida é a mais elevada (60,2%).
A prevalência do consumo de substâncias ilícitas ao longo da vida é de 32,5% nos Açores, uma prevalência que é mais baixa que a média nacional (33,7%); mas superior à da Madeira (27,5%).
Seja qual for a região, a grande maioria dos jovens de 18 consumiu uma ou mais bebidas alcoólicas nos 12 meses anteriores à inquirição. Ainda assim, o panorama não é bem o mesmo em todas as regiões do país. As prevalências de consumo recente são mais elevadas no Alentejo (89%) e no Algarve (88%) e menos na Madeira (78%) e nos Açores (80%), o que traduz, portanto, uma diferença muito considerável (11 pontos percentuais) entre a região com o maior e o menor consumo de álcool nos últimos 12 meses.
No que respeita à embriagues severa nos últimos 12 meses, mais uma vez o Alentejo destaca-se das restantes regiões, registando a maior prevalência do país (46%), muito acima do total nacional (+10 pontos percentuais), enquanto os Açores se destacam em sentido contrário (30%).
Quanto à embriagues ligeira nos últimos 12, verifica-se a mesma tendência de valores muito elevados no Alentejo (73%) e menos expressivos nas Regiões Autónomas dos Açores (57%) e da Madeira (58%).
O Alentejo (24%) é a região onde mais jovens associaram, na mesma ocasião, duas ou mais substâncias lícitas e/ou ilícitas nos últimos 12 meses, sendo o policonsumo menos prevalente na Madeira (16%), um pouco abaixo do total nacional (20%). Em causa está uma discrepância de 8 pontos percentuais entre as duas regiões, o que é bastante considerável.
Tal como na experimentação, os valores mais elevados nos diferentes indicadores do consumo recente registam-se no Algarve, nos Açores e no Alentejo, sendo que esta última região se destaca por um cenário mais gravoso no que se refere aos comportamentos nocivos.

Utilização da Internet

No que respeita à utilização da Internet, a percentagem de inquiridos que declararam jogar videojogos online é semelhante em todas as regiões do país, enquanto a prática de jogo de apostas online é mais prevalente nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.
Quanto ao tempo passado online, a percentagem de utilizadores da Internet que passam 6 ou mais horas por dia em redes sociais é maior na Região Autónoma dos Açores (seja durante a semana, seja durante o fim-de-semana) e também nas regiões do Norte e do Alentejo (embora apenas no caso da utilização durante a semana). As Regiões Autónomas destacam-se no estudo pelo maior tempo diário passado a jogar videojogos e a jogar jogos de apostas online.
Entre 2021 e 2022, a percentagem de jovens de 18 anos que declararam usar a Internet desceu muito ligeiramente (-1 ponto percentual) no conjunto do país, sendo que também a utilização da Internet para fazer jogos de apostas se tornou menos prevalente (igualmente -1 ponto percentual). A nível regional, contudo, o panorama é diversificado, embora as discrepâncias não sejam muito acentuadas. Assim, face ao estudo anterior, as apostas online tornaram-se mais prevalentes nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira (+2 pontos percentuais, em ambas as regiões) e menos em Lisboa, Centro e Algarve (-1 ponto percentual, em todas estas regiões). No Norte e no Alentejo a percentagem de inquiridos que declararam jogar jogos de apostas através da Internet pouco se alterou entre 2021 e 2022

Os inquiridos

Refira-se que, no conjunto do país, 119.942 jovens responderam a este inquérito, sendo a taxa de prevalência de 33,7%. Destes, 1963 eram residentes dos Açores, onde a prevalência era de 32,5%.
Em todo o país os inquiridos são mais do sexo feminino do que do sexo masculino, sendo que tal é mais acentuado no Algarve e menos nos Açores, onde praticamente não se verifica diferença em função do sexo (1 ponto percentual).
Quanto à escolaridade dos inquiridos, a maior percentagem de jovens de 18 anos com menores qualificações (9º ano ou menos) encontra-se nos Açores, a larga distância das outras regiões, enquanto a maior proporção com maiores qualificações (isto é, estudantes do ensino superior) se regista no Centro.
Na Região Autónoma da Madeira encontra-se a maior percentagem de jovens que frequentam ou terminaram os estudos ao nível do ensino secundário. A maior proporção de jovens que estudam a tempo inteiro encontra-se em Lisboa, enquanto nos Açores se destaca em sentido contrário. Esta última região apresenta também a maior percentagem de jovens de 18 anos que trabalham, estão desempregados ou são trabalhadores-estudantes (neste último caso, juntamente com o Algarve).
Em todas as regiões do país a esmagadora maioria dos inquiridos é constituída por solteiros, sendo que tal é ligeiramente menos acentuado no Alentejo e nos Açores.
As maiores discrepâncias regionais verificam-se no que diz respeito ao nível de escolaridade e à situação face ao trabalho, enquanto o panorama é muito semelhante nas diversas regiões no que se refere ao sexo e ao estado civil. Tendo em conta as características sócio demográficas dos inquiridos, os Açores destacam-se ligeiramente das restantes regiões do país.
João Paz

Edit Template
Notícias Recentes
Cuidar do nosso património
Flagelo da toxicodependência, falta de habitação e o agravamento da pobreza são as maiores dificuldades que afligem as famílias da Ribeira Seca
Presidente da Assembleia destaca importância do Museu do Parlamento no 1º aniversário
Bombeiros de Ponta Delgada vão transportar Coroado Município na Grande Coroação deste Domingo
“Um dos objectivos que distingue a RARA é a tentativa de afirmação do artesanato como uma profissão de futuro”
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores