Edit Template

“Tudo o que é tradição é cultura e os grupos de cantares procuram músicos e escritores antigos em Vila Franca”, afirma Rute Santos

“Somos um grupo atípico”. É deste modo, com humor, que Rute Santos define o grupo de cantares da Escola Secundária Armando Côrtes-Rodrigues, composto por alunos, professores, encarregados de educação e assistentes operacionais. Vão participar pela nona vez no cantar às estrelas e ao Correio dos Açores, uma das responsáveis da comissão de eventos da escola informou quais são os maiores desafios que um grupo escolar tem e garantiu que o “o futuro do cantar, em Vila Franca, é promissor”.

Correio dos Açores – Como começou a sua participação nos grupos que vão Cantar às Estrelas em Vila Franca?
Rute Santos – A minha participação começa quando a Escola Secundária Armando Côrtes-Rodrigues decide criar uma comissão de eventos. Esta comissão é composta por mim, Zilda Teixeira, Patrício Dias e Joana Gamito. Começamos a desenvolver várias actividades na escola, como o corso de carnaval e a festa de São João e depois fomos convidados a participar no Cantar às Estrelas por parte da Câmara Municipal. Sendo uma escola o nosso principal objectivo é manter e divulgar as nossas tradições junto da comunidade em geral.

Qual é o tema das suas letras?
Apesar de termos três letras e três músicas diferentes, o tema é sempre cantar a Nossa Senhora da Estrela. Este ano a música que vamos levar chama-se Abraço de Luz, música que só por uma vez foi levada ao cantar, da autoria de Mário Pimentel e Ana Furtado. São eles os responsáveis pelas nossas músicas e letras, respectivamente.

Participam há quanto tempo no Cantar?
Esta é a nossa nona participação. Infelizmente não conseguimos participar em uma ou duas edições. Por exemplo o ano passado não conseguimos participar devido a falta de músicos e não tínhamos como fazê-lo. Normalmente participamos sempre e com um grupo composto por um número assinalável de pessoas.

Como evoluiu o evento ao longo dos anos? Quais foram as principais mudanças e as tradições que se foram mantendo?
O evento tem evoluído bastante ao longo do tempo. Antes apenas fazíamos um desfile pela rua e depois tínhamos o nosso cantar em frente à Câmara Municipal. Agora já existe uma nova dinamização com o comércio local que também se envolve, os que aceitam se envolver, no desfile a convite da Câmara. Assim cria-se uma dinâmica grande entre toda a população de Vila Franca o que enriquece a festa.
Para além do cantar às estrelas, temos feito tudo para manter o Carnaval e a participação nas festas de São João.

Como é o processo de preparação para o Cantar às Estrelas? Quanto tempo antes do evento os grupos começam a ensaiar?
Nós não temos a dinâmica de ensaios que um grupo organizado tem, visto que somos uma escola. O grupo de educação também está muito envolvido. Os professores de música vão ensaiando nas suas aulas e depois temos um ou dois ensaios abertos à comunidade. O objectivo é termos não só os alunos, mas também os pais, professores e assistentes operacionais participarem. Fazemos sempre estes dois ensaios e depois no dia fazemos sempre o último ensaio com todos. Como referi a uma colega, nós somos um grupo atípico (risos)

Qual é o papel dos chefes de grupos na organização e preparação?
Os chefes de grupos têm como função dinamizar e, no fundo, convidar a nossa comunidade a participar nas nossas tradições e não deixá-las cair.

Qual é a importância cultural e histórica do Cantar às Estrelas na Vila Franca?
Tem uma importância muito grande até porque, tudo o que é tradição é cultura. Há sempre a preocupação com a letra e com a música, ou então vemos que os grupos estão a contactar escritores e músicos antigos que são de Vila Franca. Podemos testemunhar o gosto pela tradição em Vila Franca.

Quais foram os maiores desafios que enfrentou ao liderar grupos de Cantar às Estrelas? Houve assim alguma situação em especial?
O maior desafio que enfrentamos é o de aparecer mais gente no dia de Cantar do que aqueles que estamos à espera. Há sempre um pai que não teve tempo de vir aos ensaios e decide vir no dia, ou então algum pai que vê o filho a cantar e decide se juntar também. São alguns desafios, mas são desafios saudáveis que vamos tendo.
Não há assim nenhuma situação em especial. O que vemos acontecer é que vários ex-alunos que vêm ter connosco para nos acompanhar no cantar, mesmo já estando há algum tempo fora da escola.

Como a participação no Cantar às Estrelas influenciou a sua vida pessoal e a sua ligação à comunidade?
Sempre fui ligada à comunidade de Vila Franca, uma vez que sou natural da Vila. Sempre participei em grupos de cantares e de marchas. Isto para um vilafranquense já é normal. Nós gostamos da festa, somos bairristas. Gostamos de nos apresentar e de manter vivas as nossas tradições. Sempre esteve presente.

Como pode a nova geração contribuir para a continuidade e vitalidade do evento?
Sendo um grupo escolar, o cantar é mantido por alunos. Eles contribuem com ideias novas e cabe-nos aproveitar as ideias que são trazidas por eles. Posso lhe dar um exemplo do que poderá ser uma possibilidade de contributo dos alunos no próximo ano: fazer uma letra para o cantar de modo a cultivar o gosto pela escrita e estimular a criatividade. Esta é uma maneira de mantermos o gosto pela tradição. Este tipo de desafio já acontece aquando das marchas e tem tido sucesso.

Como vê o futuro do Cantar às Estrelas em Vila Franca do Campo?
Vejo um futuro promissor. Como disse anteriormente, alunos que não tinham grupo onde se integrar vieram procurar-nos para se inteirar se poderiam integrar o nosso grupo. Melhor testemunho não poderíamos passar, pelo que o futuro do cantar está garantido.

Frederico Figueiredo
Edit Template
Notícias Recentes
Novo modelo de avaliação externa dos alunos a partir de 2024/2025
Octant Furnas lança nova carta de Verão com sabores dos Açores com assinatura do Chef alentejano Henrique Mouro
Homem de 48 anos detido no Aeroporto João Paulo II por suspeita da prática do crime de posse de arma proibida
Incêndio em casa devoluta nas Laranjeiras
Câmara investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores