Edit Template

MADEIRA – O Carnaval iluminou de cor, ritmoe alegria a Baixa Funchalense. Milhares de Turistasa aplaudirem 1500 foliões

CANÁRIAS – O Triunfo da Imaginação inesgotável do Arquiteto Alberto Trujillo no regresso, como autor, do fabuloso cenário carnavalesco

Cheguei a Las Palmas, onde sempre venho abraçar os meus amigos canarinos. Amizades de mais de meio século. Envelhecemos na alegria que temos de estarmos, felizmente, ainda vivos, a celebrarmos e desfrutarmos as coisas belas da vida. O meu velhíssimo amigo Montull (Don Manuel) há anos que iniciou as suas corridas ao aeroporto, para ali dar-me as ‘boas-vindas’. Nestas centenas de visitas nunca falhou uma só vez. Sempre com aquela alegria que o caracteriza, na sinceridade de quem vive os dias suspenso num espírito de fraternidade que tanto fortalece os amigos. Há anos na sua maravilhosa mansão ele organizava, nesta época, festas temáticas, onde rigorosamente os salões se transformavam, criando ambientes únicos de beleza. Os convidados, todos, vestiam-se de acordo com os temas. Eram festas inesquecíveis, ainda hoje recordadas com saudade.
Vim a Las Palmas com a minha querida amiga Betty Henriques, fui ex-colega de trabalho do seu marido na companhia Sheraton. Desafiei-a a assistir ao famoso Carnaval de Las Palmas. Em cinco minutos comprámos os bilhetes e depois de uma viagem tranquila desembarcamos no aeroporto de Las Palmas, povoado de tantos aviões. A Betty é uma excelente companheira de viagem: nada complica. Nada reclama. Está sempre bem disposta. Eu que liderei grupos de pessoas a várias cidades e sei o que é gente para quem tudo estava mal: os quartos, a alimentação, o autocarro, o guia… às vezes, até a alegria dos demais irritava-os! Pessoas mal resolvidas que não sabem desfrutar do privilégio das viagens. Há por exemplo quem queira comer “bacalhau à Gomes Sá” na Índia!…
Com a experiência ganha e um conselho do guia Montanha da American Express aprendi a técnica de tranquilizar estas pessoas, capazes de contagiar todo o grupo, o que é muito complicado quando se está fora do país. Com savoir-faire, com voz firme e quase junto ao ouvido (como se fosse um segredo), aconselhava que dado a não estar feliz eu anteciparia o seu regresso no dia seguinte a Portugal. Aqui tudo mudava e os sorrisos eram constantes, nos dias seguintes.
Entusiasmei-me ao ponto de não ter entrado no assunto desta Crónica, desta vez escrita em Las Palmas, uma cidade pela qual estou sempre enamorado. Vim também, como já referi, pelo Carnaval, mas antes, porém assisti à grande parada de Carnaval da Madeira de sábado, dia 10 do corrente, que enfeitiçou, sem ser exagero, milhares de turistas e madeirenses.
Os carnavais da Madeira e de Las Palmas mais vão ganhando força no plano promocional. Evidentemente que não podemos fazer um paralelo entre dois Carnavais. A Madeira tem uma população de 285 mil habitantes. Las Palmas tem um milhão, sem contar com a fortíssima população flutuante. Las Palmas, para além do apoio das entidades oficiais, tem um grande suporte das grandes empresas. Cada uma delas encarrega-se de uma das concorrentes a Rainha de Carnaval. Num ponto estes carnavais são comuns: na magia, na cor e na alegria.
O desfile das concorrentes a Rainha de Carnaval de Las Palmas foi um verdadeiro espetáculo, pela extraordinária riqueza dos trajes, pela imaginação e elegância. Um investimento de milhares de euros. Mais de cem mil pessoas foram a grande moldura humana deste desfile, rendida ao deslumbramento deste número de um vasto programa que teve início no dia 25 de janeiro passado.
O palco gigante foi montado no porto em virtude do Parque de Santa Catarina, onde habitualmente se realiza a festa, estar em obras.

Os madeirenses vivem intensamente o Carnaval

Eu diria que vivem todas as coisas com paixão. Isso reflete-se inclusivamente na poesia de alguns poetas. No começo de janeiro mal terminada a época natalícia, já alguns estabelecimentos estavam repletos com artigos de carnaval: disfarces, máscaras, um cem número de artigos. Nas escolas da Madeira as crianças disfarçam-se, ali começa a ser incutido o espírito pela celebração das diferentes festas.
No desfile do passado sábado com 1500 foliões, de 13 trupes, com um guarda-roupa bastante imaginativo, de tecidos transparentes, arrendados, plumas, pedrarias, o que favorecia os corpos de uma juventude, despida de preconceitos, livre e alegre, ritmando o corpo, na elegância dos passos que marcavam as diferentes coreografias. A exuberância de raparigas bonitas que se divertiam e, simultaneamente, colaboravam num dos grandes cartazes turísticos da Região. Milhares de madeirenses e de turistas aplaudiram o grande espetáculo, que de ano para ano ganha mais qualidade e brilhantismo.
Mas o Carnaval da Madeira não é só apenas o desfile, há várias manifestações que acontecem em outras cidades da Região, concerto pela Orquestra Clássica da Madeira e terça-feira, o Carnaval Trapalhão, como o próprio nome diz, é uma parada onde cada qual vem como se lhe dá, com críticas ao Governo e outras situações das nossas vivências quotidianas. A favorecer todo este ambiente de festa inesquecível, para tantos turistas que propositadamente se deslocam à Madeira para assistir ao Carnaval, esteve o tempo.
Durante o dia, Sol. À noite, uma temperatura de 19ºC que, naturalmente subiu para os 26ºC, com o ritmo frenético dos foliões. São Pedro é sempre gentil com os madeirenses nos dias de grandes festas mandar parar a chuva…

A magia de um carnaval que se iniciou em 25 de Janeiro
e trouxe o regresso do grande Arquiteto
de Interiores Alberto Trujillo

Os canarinos têm por natureza uma alegria natural que se observa nos seus cantares, nas suas danças e, inclusivamente, na sua forma de andar, ritmada com uma musicalidade que os acompanha. Eles deslumbram-se com a vida, exaltando-a em todas as suas manifestações. O seu forte espírito religioso é um dos aspetos da sua quotidianidade que os leva a manter, com afinco, as tradições que celebram com fé e desusado fervor. A sua dedicação às diferentes ‘Madonas’ é de um respeito e veneração profunda. Nuestra Senhora de La Luz é a patrona da Cidade de Las Palmas. A contrapor este espírito de devoção, os canarinos sabem como gozar a vida, nas suas diversas vertentes. Uma dessas vertentes é o Carnaval, cuja fama, como cartaz turístico, percorre e impõe-se no mundo. É hoje considerado dos melhores entre os melhores, rivaliza com o de Tenerife. Las Palmas tem um programa variado para o Carnaval. Nesse se inclui a famosa noite dos ‘Drag Queens’.
Na terça-feira de Carnaval, houve o desfile de crianças (cavalgada) que formavam uma moldura humana de 50 mil participantes (pais e crianças) todos disfarçados. Com 20 carros alegóricos, sendo os 10 primeiros com temas alusivos a bandas desenhadas, estima-se que estivessem mais de 100 mil pessoas nas ruas. Ontem houve a ‘cavalgada’ com 120 carros alegóricos e centenas de participantes.
Após uma ausência de uns anos, o prestigiado arquiteto de interiores Alberto Trujillo foi de novo convidado a ser o ideólogo do palco gigante (80 metros de comprimento por 20 metros de altura), este ano com o tema “Carnaval de todos os Carnavais”. Alberto Trujillo, com a sua assinatura tem obras dispersas no arquipélago Canário que atestam do seu bom gosto e sentido de estética. Durante 22 anos ele realizou os cenários do Carnaval de Las Palmas, depois incompreensivelmente, deixou de os fazer, tanto mais que os seus cenários conquistavam o público em geral. Por outro lado, ele foi o ideólogo, em 12 anos ininterruptos, dos cenários de Carnaval de Meloneras e um ano o de Puerto de La Cruz. Trabalhos que merecem sempre as melhores referências, por uma imaginação fabulosa.
Desta vez, o arquiteto Alberto Trujillo ultrapassou-se a si próprio: o triunfo de uma imaginação inesgotável que criou o mais belo de todos os cenários, que fascinou os milhares de turistas alemães, escandinavos, italianos, franceses e os canarinos orgulhosos renderam os mais rasgados elogios. Um regresso, em grande, espero que perdure por muitos anos, pois os seus trabalhos inconfundíveis, educam-nos no sentido do belo.
Entretanto, vou continuar a desfrutar do Sol, da companhia dos amigos e destes esplêndidos espetáculos. Vou continuar a sentir a vida na sua imensa grandeza.

João Carlos Abreu

         Las Palmas 13 de fevereiro de 2024
Edit Template
Notícias Recentes
Mulheres em situação de sem-abrigo em São Miguel estão “em profundo sofrimento psicológico pela situação em que vivem”
Sónia Melo distinguida com o Prémio Cinco Estrelas Regiões na categoria chef privada
“O folclore é sempre o parente mais pobre da cultura”, afirma Filomena Loura, Presidente do Grupo Folclórico da Lomba do Cavaleiro
Tem crescido o número de caravelas-portuguesas avistadas nas zonas balneares do continente e Açores
Comunidade açoriana de Rhode Island apela a David Neeleman para a Breeze Airways fazer voos directos para os Açores
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores