Edit Template

“Sem habitação e oportunidades de emprego bem remuneradas, dificilmente se conseguirá manter os jovens na freguesia”, afirma Dário Bernardo

“Nos próximos anos, as principais prioridades, em parceria com entidades camarárias e governamentais, incluem a melhoria e construção de infra-estruturas locais, combate à carência de habitação e a promoção do desenvolvimento económico sustentável.” Quem o diz é Dário Bernardo, Presidente da Junta de Freguesia da Lomba de São Pedro, do concelho da Ribeira Grande, há seis anos e meio, que aponta como principais dificuldades da freguesia “a fixação de pessoas, a falta de habitação e o desenvolvimento económico e social.”

Correio dos Açores – Que retrato faz da freguesia da Lomba de São Pedro?
Dário Bernardo (Presidente da Junta de Freguesia da Lomba de São Pedro): Provavelmente muitas pessoas não sabem, mas a Lomba de São Pedro desempenhou um papel fundamental no início do povoamento de São Miguel. De acordo com o Almanaque Açoriano, a localidade serviu para a extracção de pedra entre 1427 e 1437. Além disso, somos também conhecidos pelos nossos terrenos extremamente férteis, o que contribui significativamente para as actividades agrícolas locais. A nossa economia é diversificada, com destaque para as actividades agro-pecuárias, o comércio e a agricultura. Mais recentemente, o turismo emergiu como uma indústria em crescimento, aproveitando a beleza natural da nossa freguesia, propícia à actividade física, descanso e paz. Observamos uma crescente tendência de compra e investimento em imóveis por estrangeiros e continentais, atraídos pelas paisagens deslumbrantes, pelos pontos turísticos e o estilo de vida tranquilo que a nossa comunidade oferece.

Quais são as principais dificuldades que a freguesia enfrenta actualmente?
De momento, continuamos a enfrentar diversos desafios relacionados com a fixação de pessoas, a falta de habitação e o desenvolvimento económico e social. No entanto, enquanto Junta de Freguesia da localidade menos populosa do concelho da Ribeira Grande, mas não menos exigente, temos tentado estar sempre comprometidos em abordar essas questões, trabalhando em estreita colaboração com os residentes, organizações locais, e autoridades municipais e governamentais para promover o crescimento sustentável e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos.

Pode dizer-se que a Lomba de São Pedro tem sido esquecida?
Não, de todo. No entanto, há aspectos que carecem de uma atenção especial por parte do Governo Regional, como é o caso de novas captações de água, de forma a evitar escassez de abastecimento para o sector agrícola e agro-pecuário. Este é um tema já reivindicado desde 2021 por esta Junta de Freguesia ao XII Governo Regional, inclusive o assunto foi discutido na Assembleia Regional e dado como investimento “certo”, mas até à data o problema persiste. No caso da Câmara Municipal Ribeira Grande, é de salutar a sua constante preocupação na resolução dos diversos problemas sinalizados, tanto ao nível de investimentos como no apoio à cultura.

Em sua opinião, o que se poderia fazer para solucionar estes problemas?
Na habitação, somos apologistas da compra e remodelação de habitações degradadas, da aquisição estratégica de terrenos para lotes, oferecendo incentivos à autoconstrução. Também defendemos que deveria haver uma condução de análises e estudos detalhados das dimensões das moradias a construir, bem como a pesquisa de materiais inovadores, sustentáveis, de fácil construção e financeiramente mais atractivos para os jovens residentes.
Em termos sociais, entendemos que é necessário investir significativamente na formação em diversos sectores, visando qualificar mais os trabalhadores locais nas diferentes áreas.
Na educação, combater de forma mais assertiva o abandono escolar, implementando medidas para identificar e abordar as suas causas subjacentes. Em termos económicos, identificar pontos de interesse económicos que correspondam às características especificas da localidade desenvolvendo estratégias de crescimento sustentável para potenciá-las. É de igual modo importante, construir e melhorar infra-estruturas de suporte relevantes para a economia local, para os residentes e possíveis investidores. É necessário também um apoio presencial aos mais idosos e que eles tenham, inclusivamente, acesso rápido e fácil aos serviços de saúde, bem como fornecimento de assistência em outras áreas, tais como transporte, compras e actividades sociais.

Qual a dimensão da carência de habitações na Lomba de São Pedro? Há uma fuga de jovens da freguesia? E a emigração tem aumentado?
A escassez de moradias é um desafio generalizado em todo o país, e a Lomba de São Pedro não foge à regra. A emigração tem sido, sem dúvida, uma das alternativas adoptadas pelos jovens moradores para aprimorar a sua qualidade de vida. Sem habitação e oportunidades de emprego bem remuneradas, dificilmente se conseguirá manter os jovens na freguesia. Na ausência de intervenção por parte das autoridades competentes, é provável que a taxa de emigração aumente.

Qual a dimensão da pobreza na Lomba de São Pedro? Que tem feito a Junta de Freguesia a este nível?
A inflação e os salários baixos estão a tornar a situação financeira dos agregados familiares ainda mais difícil. A classe média e baixa na freguesia tem sido particularmente afectada por esta realidade actual. Diante desse cenário desafiador, a Junta de Freguesia tem-se mantido ao lado das famílias, fornecendo orientações para opções viáveis, estratégias de contenção de custos e apoio à resiliência financeira.

Qual é a abordagem da Junta de Freguesia ao desenvolvimento do turismo? E qual o seu impacto na freguesia?
Desde que assumi a presidência, temos enfatizado o desenvolvimento do turismo e a sua promoção como uma das prioridades. A estratégia sempre foi destacar os atractivos da freguesia, visando estimular a sua economia e atrair tanto novos visitantes quanto investimentos. Acredito que essa abordagem representa uma das estratégias para impulsionar o desenvolvimento financeiro e social local.

Como a Junta de Freguesia está a trabalhar para promover o desenvolvimento global da freguesia?
Eu e a minha equipa, no início do primeiro mandato, procurámos de imediato identificar áreas-chave relevantes para o desenvolvimento da freguesia. Após identificarmos esses pontos, passámos a reivindicar junto das entidades competentes, destacando sua importância para o desenvolvimento local.

De que forma a freguesia está a preservar o seu património cultural e a promover actividades culturais locais?
A Junta de Freguesia tem procurado preservar e enfatizar a importância do património cultural, dando especial atenção à conservação e manutenção do edificado referenciado. Neste âmbito, colaboramos com as festividades locais, como as festas do Divino Espírito Santo, para manter vivas as tradições locais. Além disso, promovemos eventos culturais, como o fim-de-semana cultural e recente cooperação com a comissão fabriqueira na recuperação das festividades do padroeiro. Outras iniciativas culturais incluem excursões para idosos e participação em eventos culturais no concelho, reforçando o nosso compromisso com a riqueza cultural da nossa comunidade local.

Quais são as principais prioridades de desenvolvimento nos próximos anos?
Nos próximos anos, as principais prioridades, em parceria com entidades camarárias e governamentais, incluem a melhoria e construção de infra-estruturas locais, combate à carência de habitação e a promoção do desenvolvimento económico sustentável. Além disso, estamos comprometidos em investir na educação e formação profissional, fomentar o turismo de forma sustentável e promover uma sociedade inclusiva que atenda às necessidades de todos os residentes. Reconhecendo a importância da agricultura e da agro-pecuária para a nossa economia local e identidade cultural, também priorizaremos o apoio aos agricultores locais, incentivando práticas agrícolas sustentáveis e promovendo a valorização dos produtos locais. Ao mesmo tempo, reconhecemos a necessidade de os empresários agrícolas investirem em infra-estruturas de suporte às ferramentas agrícolas, de forma a não penalizar a comunidade alheia a esta actividade profissional, garantindo, assim, o bem-estar e a harmonia entre todos os membros da comunidade. Procuraremos também continuar a dinamizar o comércio local e preservar o nosso património cultural e ambiental, garantindo um futuro próspero e equitativo para nossa comunidade.

O que gostaria de dizer às pessoas que não conhecem a freguesia da Lomba de São Pedro?
Posso dizer que, embora seja uma freguesia pequena, é um local altamente recomendado. É um lugar excelente para residir, relaxar e visitar, com pontos de atracção turística muito interessantes, como é o exemplo do famoso Trilho Moinho do Félix, que se destaca como um dos pontos turísticos mais emblemáticos da freguesia.

Carlota Pimentel 
Edit Template
Notícias Recentes
“É urgente a necessidade de reduzir o número de utentes por Médico de Família”, diz Maria Teresa Albergaria
Jaime Oliveira foi um dos cinco açorianos que ao lado de Salgueiro Maia desceram de Santarém a Lisboa no dia 25 de Abril de 1974: “Tive medo…”
“Temos muita fé no Divino Espírito Santo”, afirmamos mordomos dos Remédios da Bretanha
Câmara de Ponta Delgada estuda solução para o trânsito na Alameda de Santa Teresa
19 medalhas de ouro, 19 de prata e 18 de bronze no Campeonato Regional das Profissões
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores