Edit Template

Jovens arquitectos denunciam numa exposição em Lisboa a urgência de proteger a lagoa das Sete Cidades da excessiva fertilização dos solos

Rita Sampaio e Afonso Botelho Santos, de 32 anos, são dois arquitectos, naturais de São Miguel e Lisboa. Juntos criaram o Ilhéu Atelier, o seu gabinete de arquitectura sedeado na maior ilha do arquipélago, onde vivem actualmente. O casal foi convidado a participar na exposição “Fertile Futures: um laboratório em itinerância”, com o objectivo de reflectir sobre a problemática da deterioração da lagoa das Sete Cidades. Os arquitectos alertam para o desmedido uso de fertilizantes para a produção de pastagens, que dá origem a processos de eutrofização. A proposta apresentada explora “a (re)imaginação utópica da Região, combatendo o principal foco de poluição das lagoas açorianas, ao reconsiderar criticamente o uso do solo.” “Fertile Futures: um laboratório em itinerância” é um espaço para a criação de conhecimento sobre a gestão, a reserva e a transformação da água doce. Com foco em sete hidro-geografias, é a representação oficial portuguesa na Bienal de Arquitectura de Veneza que apresenta no Palácio Sinel de Cordes, em Lisboa, os resultados desta investigação multidisciplinar, levada a cabo por sete zonas do país, nomeadamente Bacia do Tâmega; Douro Internacional; Médio Tejo; Albufeira do Alqueva; Perímetro de Rega do Rio Mira; Lagoa das Sete Cidades; e Ribeiras Madeirenses. A exposição estará patente até 27 de Abril.

Correio dos Açores – Qual foi a inspiração por trás da vossa proposta na exposição “Fertile Futures: um laboratório em itinerância”, no contexto da deterioração da Lagoa das Sete Cidades?
Rita Sampaio (Arquitecta) – Em 2022, fomos convidados pela arquitecta Andreia Garcia, a curadora principal desta exposição que foi feita para a Bienal de Arquitectura de Veneza, com os curadores adjuntos Diogo Aguiar e Ana Neiva, em conjunto com outros seis ateliês de arquitectura, cada um associado a uma região do país e a um problema da água da sua zona.
Fomos convocados como ateliê dos Açores, associados à lagoa das Sete Cidades, onde foi reconhecido o problema da eutrofização das águas das lagoas, para propor reflexões que pudessem contribuir para uma solução futura deste problema.

Afonso Botelho Santos (Arquitecto) – A exposição portuguesa vai responder a vários tópicos que a exposição geral em Veneza lançava, entre eles qual o futuro e qual a relação do homem com o seu habitat. Nesta vertente de respostas para o futuro, Andreia Garcia, nesta curadoria da exposição portuguesa, convocou arquitectos mais novos e, por isso, esta representação portuguesa é invulgar. Além de ser composta por jovens ateliês, mais desconhecidos e recentes, surgem de vários lugares do país, incluindo Açores e Madeira.
Rita Sampaio – Na exposição há a possibilidade de ver sete respostas diferentes, dos sete gabinetes de arquitectura convidados, a sete problemas igualmente muito distintos. O mote foi como se poderia resolver esta questão da gestão da qualidade e da quantidade de água doce no nosso país.
Afonso Botelho Santos – Curiosamente, há uma questão que é genérica a todos os gabinetes de arquitectura. É preciso reflectir sobre os actos humanos no nosso habitat. Vivemos neste planeta e temos que saber viver em harmonia com o nosso lugar, seja nas Sete Cidades, na Madeira, em Lisboa ou no Algarve.

E porquê a lagoa das Sete Cidades?
Rita Sampaio – A Lagoa das Sete Cidades é um dos ex-libris de turismo da Região e já há décadas foi identificado o problema de eutrofização desta lagoa. Embora esteja melhor do que nos anos 90 e no início do século, o problema continua e a lagoa continua a evidenciar sinais de poluição que se devem sobretudo a algo tão querido e tão próprio dos Açores, como a produção de leite e lacticínios, através do uso de fertilizantes colocados no solo dos pastos, os quais, com as chuvas, vão parar às lagoas. Estas, por sua vez, acabam por entrar num sistema de “auto-poluição”, criando sistemas alternativos ao mais natural.

De que forma a vossa proposta procura combater o principal foco de poluição da lagoa das Sete Cidades?
Afonso Botelho Santos – Primeiramente, foi feita uma investigação sobre este problema. Conversámos com pessoas de várias áreas e percebemos, desde logo, que a solução tem sempre de passar por uma reflexão conjunta entre pessoas de vários lugares, locais e não locais, professores, arquitectos, engenheiros, para que seja uma resposta completa e não apenas nossa.
Porém, como fomos convocados para dar uma resposta naquela exposição, fizemo-lo de forma irónica, com o objectivo de apenas colocar ênfase na questão: qual é a prioridade para um lugar tão sensível como a lagoa e a bacia das Sete Cidades, a qualidade da água ou a manutenção do uso de fertilizantes naquele território?
Rita Sampaio – No fundo, a nossa resposta é a vontade de questionar e desbloquear o que pode ser as Sete Cidades. No nosso entender, é fundamental compreender o território e a paisagem, não apenas como o são hoje, mas como um campo de possibilidades. Desbloquear o que poderia ser esse lugar que, actualmente, está muito condicionado pela prática da agro-pecuária dentro da bacia, que ocupa um terço desta área e condiciona a qualidade da água e dos solos. A nossa resposta acaba por ser, de certa forma, uma crítica à existência dessa prática no interior da bacia.

A vossa resposta para as Sete Cidades também serve para outras lagoas da Região, como as Furnas por exemplo?
Rita Sampaio – O problema da eutrofização também foi identificado na lagoa das Furnas, mas nessa lagoa a resolução foi menos complexa, por não ser uma bacia habitada, como a das Sete Cidades. No caso das Furnas, o Governo Regional conseguiu fazer acordos com os proprietários dos terrenos adjacentes à lagoa, evitando a utilização do território para uso agrícola. No caso das Sete Cidades, por questões sociais e financeiras, a prática mantém-se e corresponde, na maior parte dos casos, ao sustento da população residente.
A nossa resposta defende que a sociedade deve ser convidada a estudar alternativas de ocupação do solo mais sustentáveis para o ambiente sem comprometer a sustentabilidade financeira dos próprios habitantes. É uma resolução difícil e complexa, mas necessária.

Podem explicar como é que o granel, elemento da arquitectura vernacular das Sete Cidades, foi descontextualizado para albergar o símbolo da indústria agro-pecuária, a vaca, na vossa proposta?
Afonso Botelho Santos – Na nossa resposta irónica, reinterpretámos um arquétipo, um edifício comum nas Sete Cidades, o granel, que até hoje é utilizado como armazém de bens agrícolas pelas pessoas em contextos mais rurais.
Adulterámos o granel, subvertemo-lo e colocámos lá dentro a vaca. Isto é, desenhámos um novo granel para o futuro, onde o problema é colocado sobre este granel para evitar o contacto com o chão. Obviamente, é uma resposta irónica, mas indica o caminho a seguir, que é a necessidade de reflectirmos sobre a pertinência da vaca e do uso de fertilizantes nas Sete Cidades, um território extremamente protegido, sensível, equivalente a uma reserva natural. Até hoje, estas duas existências, a natureza e a indústria agro-pecuária, têm convivido e é natural que assim seja, pois fazem parte da riqueza da Região, mas em lugares tão sensíveis como as Sete Cidades, há que reflectir um pouco melhor sobre esta convivência para a posteridade.

Qual é a importância da (re)imaginação utópica da Região no contexto da protecção da Lagoa das Sete Cidades e na reconsideração crítica do uso do solo?
Afonso Botelho Santos – A Região tem sido, desde o seu povoamento, um território utilizado em ciclos de monocultura. A mais conhecida é a da laranja, mas existiu também o chá, o pastel, o tabaco, o trigo e, desde o século passado até hoje, vivemos a monocultura da vaca. A agro-pecuária associou-se como uma identidade absoluta do território açoriano. Faz parte da história dos Açores, mas não fez sempre parte dela e provavelmente não fará parte do futuro. Actualmente, já se fala que a monocultura seguinte será a do turismo.
Hoje, também sabemos que um planeta mais sustentável passa não apenas por uma cultura, mas sim por uma pluricultura, ou seja, uma diversidade maior de produções, culturas, plantações e outros.
Rita Sampaio – Pretendemos desblo-quear a ideia de que só a vaca pertence e prevalece como identidade açoriana. Apresentámos em Veneza e em Lisboa um conjunto de imagens fotorrealistas, nas quais colocamos cenários alternativos vaca ao da actividade agro-pecuária. O que poderiam ser as Sete Cidades se fossem plantações de árvores? Se aquela área fosse uma floresta? Ou, o que seria se, em vez de vacas, fosse ocupada por outros animais autóctones? O arquitecto pode não ser capaz de solucionar o problema mas, pelo menos, pode ajudar a imaginar cenários alternativos.

Como é que se pode criar uma arquitectura contemporânea sem pôr em causa a memória e a identidade de um lugar como as Sete Cidades?
Afonso Botelho Santos – Esta é uma questão, com a qual nos deparamos várias vezes nos Açores. Sou do continente e tenho sempre receio de estragar um território tão bonito como este.
Creio que a resposta passa por fazer com os materiais de hoje e recorrer a tecnologias actualizadas, mas com memória do passado. Conhecer o que é a arquitectura vernacular açoriana, o território, como se fez e se tem feito, para que se possa, com as capacidades de hoje, construir uma arquitectura nova com história. Ou seja, interessa-nos referenciar a arquitectura contemporânea à arquitectura vernacular açoriana.
Creio que, se olharmos para os modelos da arquitectura vernacular, podemos encontrar soluções para questões actuais. Tem sido um exercício recorrente no nosso trabalho.

Carlota Pimentel 
Edit Template
Notícias Recentes
25 de Abril - 50 anos
De Mota Amaral a Vasco Cordeiro: 30 anos de história do Comité das Regiões agora disponíveis
Jovem de 22 anos meteu um saco plástico na cabeça da vitima e agrediu-lhe no rosto em Ponta Delgada
“Abril será ouvido/Enquanto se for lutando/Para por a nu palavras/Que se teimam em vestir”
Há festa na Praça Nossa Senhora do Rosário da Lagoa com populares a assinalar o 25 de Abril
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores