Edit Template

“Deixei o lado emotivo e pus os interesses do clube em primeiro lugar para despedir-me como treinador do Rabo de Peixe no balneário”

O Programa Desporto Açores é da autoria Pedro Drumond Sousa, e transmitido, através de várias plataformas digitais para diversas rádios da Região, para o território nacional e para a diáspora, nomeadamente Estados Unidos da América e Canadá.
Jaime Vieira é o Presidente do Clube Desportivo Rabo de Peixe, que tem um vasto historial não só no clube, mas também no desporto açoriano.
Jaime Vieira asceu na Ribeira Grande, e desde muito cedo teve uma grande apetência pelo associativismo, mas também pelo desporto, mais concretamente pelo futebol. Quando criança, inscreveu-se nas camadas jovens do Clube Desportivo Rabo de Peixe, e aos 17 anos de idade, quando o clube atravessava uma fase complicada, porque não havia Direcção e preparava-se, inclusivamente, para fechar a actividade, Jaime Vieira não deixou que isso acontecesse, candidatando-se a Presidente. É, desde então, o Presidente da Direcção do Clube Desportivo Rabo de Peixe.
“Foi o gosto pelo desporto, que abracei esta causa, de eleição a eleição e de projecto a projecto. Lembro-me, que quando iniciei esta aventura, não tínhamos, por exemplo, carrinhas de transporte de atletas e o campo desportivo estava localizado junto à orla marítima, sem iluminação e treinávamos apenas com um projector alimentado por um gerador, mas de Inverno era muito complicado e treinávamos quase às cegas. No entanto, com o crer e com ambição, mas acima de tudo, com vontade de transformar algo, que não estava bem fomos criando, juntamente com vários elementos da direcção, novas condições e abrindo novos escalões para a prática do futebol, quando só tínhamos dois escalões de futebol de sete”.

A mesma ambição de sempre

A sua ambição manteve-se ao longo dos anos, de tal forma, que hoje em dia é um clube conhecido não só a nível regional como naciona pelo que não é à toa, que hoje em dia disputa o Campeonato de Portugal Série C. “Com o tempo, fomos dando passos seguros rumo àquilo que nós queríamos e nunca quisemos hipotecar o futuro, ou seja, dar um passo maior daquele que nós podíamos, porque é esse o fim de muitos clubes, quando querem chegar a outros patamares e não estão protegidos, nem têm estrutura que possa cimentar esse passo e que muitas vezes os clubes acabam por ter imensas dificuldades”.
Jaime Vieira foi, de igual modo, treinador e chegou a acumular as duas funções: treinador e presidente do clube ou jogador e presidente, que deve ser um caso quase único no país. “Acho, que nunca estava satisfeito apenas com um cargo, queria sempre mais. Aliás, tenho uma história engraçada, quando era treinador da equipa sénior e eu Jaime Vieira Presidente despedi o treinador Jaime Vieira dentro do balneário e foi quase hilariante, depois de um jogo menos conseguido”.
A despedida do treinador Jaime Vieira aconteceu após um empate frente a uma equipa, que o presidente achava que não deveria ter acontecido. “No balneário anunciei que o treinador, a partir daquele momento, deixaria de exercer funções e que iríamos encontrar um substituto. Essa acumulação de papéis não foi fácil, mas deixei o lado emotivo e pus os interesses do clube em primeiro lugar”.
“Passando pelas situações e estando no papel do outro, por vezes é mais fácil podermos decidir e agir da melhor maneira possível. Esta experiência foi enriquecedora para perceber melhor o meu actual papel no clube para poder ultrapassar situações. Apesar das experiências acumuladas, respeito sempre todos os treinadores e nunca interfiro em nada, em nenhumas questões técnicas, porque já estive do outro lado, o treinador tem a sua competência e nunca devemos tomar decisões precipitadas. Estar do outro lado, ajudou-se a perceber toda a realidade do futebol e a própria dinâmica, mas acima de tudo também, a tomar as melhores decisões, quando estas têm de ser tomadas”, acrescentou.

Uma paixão enorme pelo futebol
e pelo clube

Sobre os tempos em que foi jogador ou treinador, Jaime Vieira relevou, que “sente saudades do futebol e do campo”, apesar de jogar nos veteranos do Clube Desportivo Rabo de Peixe, porque mantém “uma grande paixão pelo futebol”.
Ao mesmo tempo, no final de cada ciclo, como Presidente da Direcção do Clube Desportivo Rabo de Peixe, diz sempre “que é o último, mas a paixão que tem pelo clube não deixa, e depois há sempre novos desafios que aparecem, o último dos quais, as novas instalações do clube e o novo estádio, que efectivamente terminou a primeira fase, e neste ano vai dar-se início à segunda fase, mas logicamente, que quero sair quando as coisas estiverem feitas e quero deixar todas as condições, porque vou ter de sair um dia, mas vou sair quando as coisas estiverem preparadas, para quem entrar, tenha tido um legado e não tenha de encontrar aquilo, que encontrei, mas sim, as melhores condições para que este clube continue a crescer, porque também acredito, que mais hoje ou amanhã, sangue novo também trará grandes conquistas para este clube e é preciso também não esquecer, que todos nós precisamos de rejuvenescer e o clube, de certeza absoluta também terá a sua oportunidade para rejuvenescer”.

Grandes conquistas

Daquilo que se recorda, a primeira conquista foi “começar a treinar com electricidade, quando se treinava com um projector alimentado por um gerador”. A segunda grande conquista “foi quando abrimos todos os escalões de formação e também a equipa sénior, porque quando entrei só havia dois escalões de formação”. A terceira grande conquista “foi quando o velhinho Campo Bom Jesus teve o seu piso sintético e isto revolucionou, por completo, o futebol, que veio dar outras condições, que não tínhamos”. Outro marco importante “foi a primeira vitória do Clube Desportivo Rabo de Peixe nos Sub-17”, quando essa equipa era liderada pelo próprio Jaime Vieira. “A subida, pela primeira vez, à Série Açores”, foi outro momento marcante no clube, que “na altura era uma Terceira Divisão Nacional, assim como a construção do novo estádio e agora, as vitórias no campeonato de juniores de ilha, há dois anos, e também no campeonato de Sub-17, que revalidamos este ano a conquista e estamos a disputar os nacionais, assim como a subida do Rabo de Peixe aos campeonatos nacionais, da equipa sénior são também etapas marcantes”.
“Acima de tudo, o Rabo de Peixe hoje em dia está vivo, está bem, logicamente com dificuldades como todos nós temos na vida, mas está bem e acima de tudo é um clube com muito para dar e com grande futuro. Esta é a maior vitória de todas, ou seja, é o Clube Desportivo Rabo de Peixe ainda existir, ainda estar em competição nos campeonatos nacionais, quer ao nível da formação quer ao nível da equipa sénior, esta é a maior vitória”.

Crescer cada vez mais

Para além de Presidente do Clube Desportivo Rabo de Peixe, Jaime Vieira é também Presidente da Junta de Freguesia de Rabo de Peixe. “Logicamente, que quero o melhor para a minha terra e que seja reconhecida pelos bons motivos, mas enquanto presidente do Clube, sempre disse, que queria o melhor para o clube e que o Rabo de Peixe fosse respeitado na Região e não só, e somos. Mas, acalento ainda o sonho de poder ver um jogo, sem estar ligado ao clube, de um dos melhores clubes dos Açores, senão quiçá, a segunda ou terceira maior instituição desportiva. Logicamente, não falo do presente, falo daquilo que é a minha ambição, mas quando falo não é só disputar os campeonatos nacionais, é ter uma formação fortíssima e ter uma estrutura forte e capaz de dar as respostas, que esta terra e clube necessitam. Acho que podemos chegar lá, acho que temos todas as condições para podermos trabalhar com um bom parceiro, para atingirmos os objectivos que pretendemos, vai levar um, dois ou mais anos, mas esta estrutura vai lutar por isso, para que efectivamente possa continuar a trilhar um caminho seguro, rumos àquilo que pretendemos, que é crescer cada vez mais”.

Marco Sousa

Edit Template
Notícias Recentes
“Câmara Municipal de Ponta Delgada deixou praticamente de investir na vila das Capelas nos últimos anos”, afirma Manuel Cardoso
“Sou um bocadinho vulcão dos Açores e as minhas equipas reflectem essa personalidade,”assume a treinadora do Sporting, Mariana Cabral
Marcha com mais de 100 marchantes jovens promete hoje muita “brincadeira e diversão” nas Festas do São João da Vila
“Estas ilhas oferecem-nos sensibilidade, alegria, amor e dádiva que nenhum outro lugar do mundo oferece,” afirma António Rego
Maycon Melo veio de Mato Grosso no Brasil para os Açores para fazer do sushi a sua vida
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores