Edit Template

Extinção, Conservação e Sobrevivência da vida selvagem nos Açores

(Excertos de uma palestra proferida em Vila Franca do Campo em 1995 e publicada na revista Açoreana, 1995, 8 (1), aqui actualizada e adaptada)

A essência do espírito humano espelha-se na magia dos olhos, projecta-se na profundidade da visão e esconde no seu âmago a dinâmica da dialética e a insensatez do paradoxo. Tão infinito como os horizontes que alcança, é ao mesmo tempo tão delicado que a mínima poeira o incomoda, tão dependente que a imponderável névoa o limita, tão vulnerável que o negro da escuridão o assusta. E, no entanto, é tão rebelde que, quando os olhos falham a engenhosidade da invenção socorre os sentidos, e onde a visão sucumbe a interiorização da mente constrói o significado. Novidade misteriosa da Evolução, por si mesmo se colocou no topo de uma pirâmide de perfeição, proclamando o seu domínio incontestável sobre os animais da terra, os peixes do mar e as aves do céu. No seu narcisismo de rebento serôdio, arrogou-se igualmente o privilégio de centro da criação, fazendo girar à sua mercê o princípio das coisas, a disponibilização do presente e a justificação do futuro. Semi-alheio aos gemidos de uma Natureza por ele ferida, prossegue em sua marcha triunfal através da Vida, com os olhos postos num destino de gloriosa fluidez e os pés assentes no ôco da autodestruição.
O milagre da Vida apareceu quase no início da conturbada existência do nosso planeta. E se o acontecimento da vida se esconde sob o véu da acção de forças extremas, o caminho por ela trilhado até aos nossos dias não foi menos pacífico. Por cinco vezes a destruição generalizada e a morte reinaram sobre a terra, levando a vida às portas da extinção. Os fósseis contam-nos a história. Juntando a tais catástrofes globais, causadas pela queda de meteoritos ou por descomunais erupções vulcânicas, outras mais localizadas e o desaparecimento relativamente lento das espécies devido precisamente à evolução que as criou, hoje vivem na terra apenas 5% de todas as espécies que já existiram.
Os nossos dias têm vindo a ser alarmados com o aviso de outra catástrofe iminente. Desta vez não é causada por vulcões ou por meteoritos que alteram dramaticamente o clima, mas pelo próprio homem.Uma ameaça múltipla,sub-reptícia,causada pela aparente insignificância de uma árvore a cair, de uma gota de petróleo a se estender no mar, de uma baforada de CFC lançada a caminho do ozono. E porque a morte da árvore é necessária, a gota de petróleo imprescindível e o desodorizante conveniente, parece-nos inevitável a rota que a civilização nos traçou. E porque a árvore cai no Brasil, o petróleo se espalha no Golfo Pérsico e o desodorizante não passa de uma insignificância, o perigo dissipa-se na inconsciência da distância e a solução dilui-se nairresponsabilidade da multidão.A luta pela sobrevivência de uma Humanidade que cresce exponencialmente, a busca contínua de melhoria de nível de vida, ou simplesmente a rotina adormecedora do quotidiano, raptaram-nos da biosfera que nos envolve e sustenta e embotaram-nos os sentidos para o que se passa à nossa volta. Olhamos para a Natureza como “o outro lado”, donde apenas é necessário tirar mais e melhor. E, se alguém se atreve a fazer qualquer reparo, apontam-se-nos os olhos de fome de mundos de terceira ordem, ou os rostos de miséria das esquinas de ruas e praças. Nem que fossem estes os causadores da destruição ou os beneficiários dela!
A vida do homem, como toda a vida na terra, nutre-se da morte e cresce da destruição. A violência parece ser o estigma da Natureza. É necessário destruir para se sobreviver ou, em linguagem mais paliativa, importa “transformar” a Natureza para assegurar um sustento continuado. Foi assim, também entre nós, desde que os nossos antepassados povoadores cá chegaram. O sábio Açoriano Gaspar Frutuoso lamenta nas Saudades da Terra, apenas um século depois de cá chegados: “Vestida estava esta ilha [São Miguel] de diversas árvores de várias cores e cheiros, a cuja sombra se criavam as galinhas, e em cujos ramos pousavam muitas aves; e a cobiça dos homens foi tanta que o que Deus, mediante a natureza, lhe deu em tantos anos, em um dia de roça, ou em uma hora de fogo, tudo brevemente lhe despiram, esbulharam e desfizeram…” E nem o mar escapou: “O pescado de toda a sorte, chernes, peixe escolar, peixe galo, crongos, gatas, gorazes, pargos, garoupas, abróteas, sargos, salmonetes e outras sortes, lagostas, lagostins e cavacos, muito dele era tanto nesta terra, que do porto de Santa Eiria levavam seves (sic) cheias em carros carregados dele à vila da Ribeira Grande. E agora tudo é miséria, parece que até o mar, e não tão somente a terra, se fez estéril e nega o que soía a dar de si com grande abundância.”
Desde o século XX que se assiste a um ritmo de extinção alucinante; este efeito de “bola de neve”, que cresce à medida que avança e mais avança quanto mais cresce, assume proporções catastróficas. O exemplo mais gritante provém do declínio das florestas tropicais, verdadeiros tesouros de biodiversidade. Mais de dois terços das espécies que hoje existem, vivem nas florestas tropicais. Estas “selvas impenetráveis”, onde a ficção do século passado buscava “paraísos perdidos”, diminuíram em área para menos de metade do que eram em tempos pré-históricos, e continuam a desaparecer numa área equivalente à de um campo de futebol por segundo. E, com elas, todo um riquíssimo e complexo ecossistema, de tal modo que estimativas apontam para que em cada ano se extingam 27.000 espécies de seres vivos, ou seja, 74 em cada dia, 3 por cada hora. O que antes levava milhões de anos a acontecer, foi agora acelerado pela actividade humana para um ritmo entre 1.000 a 10.000 vezes superior, ombreando assim com qualquer das grandes crises de extinção da história da Vida.
Na perspectiva lúgubre da co-extinção, a consciência humana começou a reagir. Os estudiosos da Natureza viram o seu clamor atendido e os governantes mexeram-se em suas secretárias dando indício de se preocupar com o mundo não humano. A nível planetário movem-se influências, integram-se projectos, planeiam-se estratégias de acção. Os meios de comunicação falam de baleias e golfinhos, da ameaça do efeito de estufa e do buraco do ozono, da destruição pela chuva ácida e pela poluição radioactiva, do sufoco do “smog” citadino e da acumulação de lixos. No entanto, enganadoramente, a mediatez do perigo esbate a sua acuidade, a distância do acontecimento distrai-nos de agir e a magnitude do problema esvazia-nos de responsabilidade.
Os Açores não possuem florestas tropicais nem em suas montanhas caem chuvas ácidas; já não se caçam cachalotes e os golfinhos saltam livres no oceano azul; a terra é verde e o priolo lá vai resistindo; temos Natureza para dar e vender nos desfiladeiros da Tronqueira e nas alturas do Pico. No entanto, lagoas saturam de nutrientes e caminham para a morte, o manto unicolor da pastagem resseca o Arquipélago, a Natureza original descaracteriza-se e definha, afogada por um rôr de invasores. […]. O enganador verde tenro das pastagens generalizadas, algumas em lugares afrontosos para a sensatez de uma exploração rentável, lentamente suga a terra da água vivificante. Quem viaje de Santa Cruz para Ponta Delgada, na maravilhosa ilha das Flores, pode experimentar a verdade do que aqui se afirma. O verde lacrimoso do esfagno – o musgão – aprisiona a água das chuvas e fá-la descer a conta gotas para o solo; a água abunda e a Natureza é pródiga. Por outro lado, o emaranhado de raízes da pastagem favorece a escorrência imediata, perdendo-se para o oceano a maior parte da água das chuvas. E, lentamente, o ecossistema se modifica.
O mundo vivo dos Açores guarda ainda muitas surpresas científicas, que o interesse dos especialistas a pouco e pouco desvenda; o Arquipélago é bem um laboratório vivo, um paraíso para os cientistas. Mas a realidade mais premente impõe que ele seja, antes de mais, um lugar de vida feliz para pouco mais de 200 mil Açorianos. E essa felicidade não poderá acontecer à custa da destruição sistemática ou descaracterização daquilo que nos individualiza e que muitos invejam. Será a familiaridade com o mundo que nos rodeia e o conhecimento profundo das potencialidades que nos oferece que nos levarão a preservá-lo. É preciso continuar a ensiná-lo nas escolas e dizê-lo em público; importa convencer governantes e informar as populações. Como afirmou um conservacionista Senegalês: “No fim, conservaremos só o que amarmos, amaremos só o que compreendermos, compreenderemos só o que nos ensinarem”.
Pode parecer notícia chocante, mas esta é a verdade que não se deve escamotear com propaganda simpatética para com o planeta, como se dele fôssemos os salvadores: Não é o planeta que está doente, somos NÓS que corremos o risco de extinção! As vicissitudes por que a Vida tem passado atestam claramente a sua tenacidade e testemunham a força interna que a caracteriza. A Vida, de facto, veio para ficar. Suspirar de alívio perante esta certeza e minimizar o problema de destruição global que a humanidade enfrenta, mostra falta de visão e confrangedora superficialidade. A Vida ressurgiu das cinzas das cinco grandes crises que a ameaçaram desde que conseguimos ler a sua história nos fósseis, e os meros 5% de espécies que hoje sobrevivem estão tão gloriosos como sempre. Mas foram necessários muitos milhões de anos para que recuperasse de cada crise. No caso de extinção global, as baratas e os ratos terão muitíssimas mais hipóteses de sobrevivência do que a espécie humana. Pode muito bem acontecer que, se ignorarmos o grito dos seres minúsculos que desaparecem e o aviso que do mundo da ciência nos chega, os seres que sobreviverem e evoluírem para, de novo, conquistar uma terra vazia, daqui a muitos milhões de anos – tal como hoje fazemos com os imponentes dinossáurios –se maravilhem perante os fósseis de estranhos seres bípedes de enorme capacidade craniana. E neles jazerão, aprisionados e cristalizados, o infinito dos sonhos e a profundidade do pensamento de uma espécie que em sua imaginação conquistou as estrelas e em sua mente dominou o universo, mas que, na realidade, não conseguiu encontrar a fórmula para a sua própria sobrevivência.

António M. de Frias Martins
Biólogo

Edit Template
Notícias Recentes
“Câmara Municipal de Ponta Delgada deixou praticamente de investir na vila das Capelas nos últimos anos”, afirma Manuel Cardoso
“Sou um bocadinho vulcão dos Açores e as minhas equipas reflectem essa personalidade,”assume a treinadora do Sporting, Mariana Cabral
Marcha com mais de 100 marchantes jovens promete hoje muita “brincadeira e diversão” nas Festas do São João da Vila
“Estas ilhas oferecem-nos sensibilidade, alegria, amor e dádiva que nenhum outro lugar do mundo oferece,” afirma António Rego
Maycon Melo veio de Mato Grosso no Brasil para os Açores para fazer do sushi a sua vida
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores