Edit Template

PS quer combaterpobreza energéticacom apoios às famílias

É com Energia que o PS/Açores arranca para a última semana de campanha para as legislativas de 10 de Março. De visita a um edifício da EDA de armazenamento de baterias, na Ilha de São Miguel, os candidatos socialistas quiseram pôr as energias renováveis na ordem do dia, sublinhando a relevância do tema não só para o ambiente como para o orçamento das famílias.
“Quando nós dedicamos a nossa campanha à questão dos rendimentos, aos problemas reais da vida das pessoas, a questão do preço da energia, da conta da luz, é muito importante para nós”, sublinha Francisco César, que vê na poupança energética um modo de ajudar as famílias a diminuir gastos e assim terem mais recursos para si.
É nesse sentido que o Partido Socialista inclui no seu programa medidas de combate à pobreza energética, entre elas a aplicação da taxa mínima de eletricidade de 4% aos primeiros 200 kWh de energia elétrica consumida em cada mês e de 300 kWh mensais, no caso das famílias numerosas, o que duplica os valores actuais e beneficia mais de 3 milhões de famílias.
Os socialistas querem também continuar a proteger famílias economicamente vulneráveis, intenção que ficou clara com a criação da Tarifa Social de Fornecimento de Energia Elétrica (TSE). Nos Açores, esta traduz-se num desconto de cerca de 33% na tarifa de eletricidade, face aos valores do tarifário normal, alargada a cerca de 20 mil famílias.
Francisco César sublinha ainda outra vantagem da aposta estratégica em energias renováveis. “Para além da questão ambiental, que está em causa é termos recursos para alocarmos noutras áreas ou, pelo menos, garantir que em alturas de crise o preço da eletricidade não suba tanto”, explica o candidato, dando como exemplo a recente crise inflacionista, cujo impacto no custo da energia foi menor na Madeira e os Açores do que em Portugal Continental, dados os investimentos feitos em energias renováveis. Para os próximos anos, ambas as regiões autónomas terão à disposição um pacote de apoios na ordem dos 370 milhões de euros do PRR.
Estas medidas vêm juntar-se a outras que o PS prevê para ajudar as famílias a nível de rendimentos, como o aumento do salário mínimo para 1.050€ até 2027 e do salário médio para, pelo menos, 1750€, a atualização dos escalões do abono de família ao nível da inflação, a devolução de parte do IVA dos consumos de bens essenciais às famílias que não pagam IRS, entre outras. Os socialistas assumem a missão de trabalhar para tornar a eletricidade e acesso à internet direitos de acesso universal, promotores de dignidade e da igualdade de oportunidades.

Edit Template
Notícias Recentes
“Câmara Municipal de Ponta Delgada deixou praticamente de investir na vila das Capelas nos últimos anos”, afirma Manuel Cardoso
“Sou um bocadinho vulcão dos Açores e as minhas equipas reflectem essa personalidade,”assume a treinadora do Sporting, Mariana Cabral
Marcha com mais de 100 marchantes jovens promete hoje muita “brincadeira e diversão” nas Festas do São João da Vila
“Estas ilhas oferecem-nos sensibilidade, alegria, amor e dádiva que nenhum outro lugar do mundo oferece,” afirma António Rego
Maycon Melo veio de Mato Grosso no Brasil para os Açores para fazer do sushi a sua vida
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores