Edit Template

Liga Portugal SABSEG: Santa Clara: um ponto na melhor exibição

Se não foi a melhor exibição da época da equipa do Santa Clara, andou por lá perto. O treinador Vasco Matos assumiu no final do jogo em Viseu, que ditou o oitavo empate no Campeonato da Segunda Liga de futebol, ter sido “dos melhores jogos do conjunto”.
O empate a um golo frente ao Académico não revela a superioridade que a equipa demonstrou em quase todo o jogo. As estatísticas nem sempre coincidem com a realidade de um desafio. Há jogos em que o maior número de ataques, de remates e de pontapés de canto e a maior posse de bola deriva das contingências dos momentos do jogo. Já aconteceu ao Santa Clara ganhar com menos posse de bola em seis contendas e menos remates em três.
O que se passou em Viseu foi evidente desde a primeira parte. Uma equipa muito personalizada, com um futebol de elevada qualidade, que antes de sofrer o golo teve três situações de golo flagrantes. Safira não foi eficaz na finalização, assim como Ricardinho e Pedro Ferreira.
O golo de Marquinho (28m), no primeiro remate enquadrado com a baliza, dos 6 que o Académico executou na primeira parte, 3 deles para fora, abalou por minutos a equipa. Só que rapidamente se reergueu, continuando com a superioridade e a perder mais uma boa ocasião para marcar.
O Santa Clara terminou a primeira parte com 15 ataques (9 do Viseu), 12 remates (6), 5 cantos (0) e 5 faltas (10). São dados demonstrativos do que apresentou em campo.
Na segunda parte continuou a equipa de Ponta Delgada a manter o ritmo ofensivo, acentuado com as entradas de Gabriel Silva e de Rafael Martins. O número de ataques aumentou de 15 para 17, terminando o jogo com 32, enquanto o Viseu se ficou pelos 18. Os remates totais foram 23 (o segundo maior número, ficando atrás dos 27 contra o AVS), mas só aos 82m, novamente de bola parada (ao sexto dos oito cantos), é que Sidney Lima cabeceou para o merecido e tardio golo.
A confirmar que o Académico de Viseu esteve por baixo no jogo, apesar do ex-treinador e de má memória para o Santa Clara, Jorge Simão, não tê-lo reconhecido, está nos 18 ataques, nos 12 remates, num único canto e nos 37% de posse de bola que obteve nos 54,35 minutos úteis do encontro da noite de Segunda-feira.
Os 63% de posse do Santa Clara iguala o que alcançou no jogo em casa com o Penafiel, mas não supera os 68% na partida com o Lank Vilaverdense, jogos que também terminaram empatados.
Nos 6 minutos de compensação, que se estenderam a 9, o jogo foi animado. Houve um penálti claro que favorecia o Santa Clara, com a mão de Rodrigo Pereira a desviar um centro de Gabriel Silva não assinalado pelo árbitro e pelo video árbitro e uma expulsão de Adriano revertida pelo video num erro clamoroso de mais um árbitro da nova geração.
Com a vontade tremenda de chegar à vitória, o Santa Clara desguarneceu a retaguarda, tendo, por duas vezes, visto o golo perto do Académico.
A equipa da ilha de São Miguel permanece em primeiro, a 6 pontos do terceiro classificado Nacional, quando faltam 10 jogos. Tem de adicionar mais 15 pontos, pelo menos, aos 53 que possui para a subida directa à Primeira Liga.
Como o Santa Clara joga Sábado (14h30), no Seixal, com o Benfica B, a caravana fica no continente, realizando a preparação em Freamunde.

Edit Template
Notícias Recentes
“Câmara Municipal de Ponta Delgada deixou praticamente de investir na vila das Capelas nos últimos anos”, afirma Manuel Cardoso
“Sou um bocadinho vulcão dos Açores e as minhas equipas reflectem essa personalidade,”assume a treinadora do Sporting, Mariana Cabral
Marcha com mais de 100 marchantes jovens promete hoje muita “brincadeira e diversão” nas Festas do São João da Vila
“Estas ilhas oferecem-nos sensibilidade, alegria, amor e dádiva que nenhum outro lugar do mundo oferece,” afirma António Rego
Maycon Melo veio de Mato Grosso no Brasil para os Açores para fazer do sushi a sua vida
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores