Edit Template

“Europa mais forte só com envolvimento robusto do poder local e regional”, refere a declaração de Mons

Na 10.ª Cimeira Europeia das Regiões e dos Municípios, por ocasião da qual também se assinalou o 30.º aniversário do Comité das Regiões Europeu (CR), os líderes locais e regionais apresentaram uma declaração ao Primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, representante da actual Presidência do Conselho da União Europeia.
A Declaração de Mons estabelece as principais prioridades do poder local e regional para uma Europa mais forte, mais justa e mais resiliente, entre as quais se encontram:

  • Reforçar o investimento público: são necessários mais recursos orçamentais para fazer face aos desafios actuais e futuros. Os investimentos devem nortear-se pelo princípio de «não prejudicar a coesão» e reconhecer que a Política de Coesão tem de continuar a ser o instrumento mais importante e visível da UE para reduzir as disparidades, reforçar a competitividade da UE e impulsionar uma transformação inovadora a longo prazo.
  • Definir soluções locais para os objectivos climáticos: os órgãos de poder local e regional devem ter acesso directo ao financiamento da UE para desenvolver soluções inovadoras que ajudem a cumprir os objectivos do Pacto Ecológico, alcançar a neutralidade climática e promover o desenvolvimento sustentável e a prosperidade económica.
  • Responder às necessidades regionais: todas as políticas da UE devem promover a igualdade de oportunidades, combater a pobreza, garantir empregos seguros e assegurar a igualdade de género em todas as regiões da UE, reconhecendo as suas diferentes características, nomeadamente as das regiões ultraperiféricas, rurais e urbanas.
  • Alargamento e reformas da UE: os líderes regionais e locais devem participar atcivamente na preparação das reformas e do processo de alargamento da UE. A preparação do alargamento a todos os países candidatos deve assentar no princípio da parceria e promover a governação a vários níveis e a descentralização.
  • Subsidiariedade activa: o Comité das Regiões Europeu deve desempenhar um papel mais forte na estrutura institucional e no processo legislativo da UE. Nas futuras reformas da UE, o nível local e regional da democracia europeia deve ser reforçado através de reformas da subsidiariedade activa.
    Antes da adopção da Declaração de Mons, os dirigentes dos grupos políticos do Parlamento Europeu e vários dos seus cabeças de lista dirigiram-se aos representantes políticos locais e regionais numa sessão dedicada às eleições europeias. A promoção da participação democrática e o contributo para um debate público aberto sobre os desafios e as oportunidades da UE são os principais objectivos do CR no sentido de mobilizar os cidadãos europeus para votar.
    A declaração da cimeira dos dirigentes locais e regionais constituirá a posição das regiões e dos municípios a transmitir aos dirigentes das instituições da UE e aos chefes de Estado e de Governo, que se reunirão em Bruxelas, a 21 e 22 de março, bem como na preparação das eleições europeias.
    O Presidente do Comité das Regiões, Vasco Cordeiro, afirmou, em sequência á declaração, que “mais de 3500 representantes locais e regionais reuniram-se em Mons para manifestar o seu empenho num futuro mais forte, mais justo e mais resiliente para a Europa”.
    No entender de Vasco Cordeiro, “as regiões e os municípios não são meros executores das políticas da União Europeu, são actores de pleno direito do projecto europeu com o poder de produzir resultados concretos para os cidadãos. Com a Declaração de Mons, apelamos a um papel mais forte para o Comité das Regiões Europeu na definição do futuro da Europa,” reivindicou.
Edit Template
Notícias Recentes
“Câmara Municipal de Ponta Delgada deixou praticamente de investir na vila das Capelas nos últimos anos”, afirma Manuel Cardoso
“Sou um bocadinho vulcão dos Açores e as minhas equipas reflectem essa personalidade,”assume a treinadora do Sporting, Mariana Cabral
Marcha com mais de 100 marchantes jovens promete hoje muita “brincadeira e diversão” nas Festas do São João da Vila
“Estas ilhas oferecem-nos sensibilidade, alegria, amor e dádiva que nenhum outro lugar do mundo oferece,” afirma António Rego
Maycon Melo veio de Mato Grosso no Brasil para os Açores para fazer do sushi a sua vida
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores