Edit Template

Um grito e uma gangrena sem cura à vista!

1- Entramos numa semana dedicada à reflexão e marcada por três andamentos, sendo um que recorda, no Domingo de Ramos, a aclamação de Jesus Cristo como rei dos Judeus aquando da sua entrada em Jerusalém. Depois, a última ceia, seguida da traição de que foi vítima entre os seus apóstolos e, depois, a entrega de Cristo feita pelos escribas, doutores da Lei e fariseus, a Pilatos para ser julgado, que foi condenado por aclamação do povo e que o levou à crucifixão.
2- O que se passou há 2024 anos em Israel, continua a acontecer hoje, tornando por isso legítimo, perguntar o que valeu a evolução que durante esse tempo abrangeu o mundo, quando passados dois mil anos, as pessoas continuam a ser levadas a julgamento muitas vezes sem culpa formada; se as traições crescem no seio familiar e na sociedade em geral, conduzindo vezes sem conta à morte de inocentes. Essas são perguntas para nos centrarmos no mundo em que hoje habitamos e convivemos, e procurar abrir caminho ao que, na realidade, atormenta a humanidade.
3- O poder dos poderosos continua a espalhar a mentira e o terror, levando a guerras que se alastram pelo mundo, matando crianças inocentes e destruindo casas, hospitais e infra-estruturas que são, no mundo actual, indispensáveis para garantir a sobrevivência das pessoas, tal como hoje acontece em Israel ou na Ucrânia, sem falar no que se passa, de forma obscura, noutras partes do Planeta que é pertença de todos os seres vivos.
4- Podemos dizer que grande parte dos habitantes que constituem a sociedade global, vive num “mundo cão”.
5- E esse mundo acontece à nossa porta e, por isso, não posso deixar neste Domingo de Ramos de dar voz a um conjunto de pessoas que esta semana enviaram ao ‘Correio dos Açores’ um grito dizendo:
6- Estamos fartos de ver todos os dias, drogados a virem buscar a sua dose no cruzamento da Rua do Bago com a Canada Nova do Popúlo, nas Socas, Livramento. Estamos fartos da prostituição ao ar livre. Estamos fartos de ver crianças a fornecer drogas aos clientes. Estamos fartos dos roubos que são feitos todos os dias. Trata-se de um grito de desespero que precisa de respostas de quem tem o poder para as dar.
7- Os moradores lamentam-se da insegurança em que vivem imputando-a aos vários governos e à impotência dos serviços responsáveis pela aplicação da lei e da acção do poder judicial, lembrando que as gerações que se seguem estão comprometidas pelo facto denunciado.
8- O grito DOS MORADORES DE SOCAS NO LIVRAMENTO termina com uma pergunta que busca a esperança de que… ALGO MUDE.
9- Este é um grito que se repete em toda a Região, e no país inteiro certamente, mas ele interpela os políticos que têm o poder de fazer leis, assim como os estudiosos a quem incumbe encontrar caminhos alternativos para este tremendo flagelo, assim como os responsáveis pelo combate ao tráfico e consumo de drogas que, apesar de tudo, têm feito o que podem com a legislação que está em vigor e os poucos recursos humanos que têm.
10- É precisa acção, e ela tem de começar por quem tem o poder de legislar e governar. Ao longo do tempo, têm-se procurado sedativos que não resultam e só fazem crescer o número de dependentes e os produtores e comerciantes da droga.
11- Neste tempo de reflexão não podemos deixar que a sociedade se torne uma gangrena sem cura à vista.

Américo Natalino de Viveiros
Edit Template
Notícias Recentes
Novo modelo de avaliação externa dos alunos a partir de 2024/2025
Octant Furnas lança nova carta de Verão com sabores dos Açores com assinatura do Chef alentejano Henrique Mouro
Homem de 48 anos detido no Aeroporto João Paulo II por suspeita da prática do crime de posse de arma proibida
Incêndio em casa devoluta nas Laranjeiras
Câmara investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores