Edit Template

A Crise da Justiça– Pilar da Democracia

Se Justiça falha… Democracia fracassa.
Lutar contra tamanha e funesta perigosidade em que a Liberdade estará, tem que constituir objectividade primordial dos verdadeiros democratas.
Perplexidade e desconfiança! Palavras muito citadas quando o referencial é a justiça. Tem sido assim nos últimos tempos.
Não terá ficado no 24 de Abril de 1974, um dos fundamentais sustentáculos dum Estado Direito Democrático, como é a Justiça?
Interrogação deixada por diversos observadores de vários quadrantes ideológicos.
Curiosamente com apenas uma excepção, os que aspiram neutralizar o actual sistema e pugnar por uma nova Republica e Nova Constituição.
Não escondem pretenderem recuperar muitos dos princípios orientadores do Estado Corporativo e Nacionalista.
No ano em que se comemoram 50 anos de Liberdade e Democracia, que durante 48 anos esteve vedada, os casos envolvendo a instituição judiciária, têm-se vindo a multiplicar, constituindo notícia das primeiras páginas da imprensa e abertura de telejornais.
Tem-se chegado a afirmar que as ocorridas violações dos direitos das pessoas que se tem vindo a verificar, são próprias duma ditadura e não duma democracia.
Nomeadamente, detendo e prendendo pessoas, fazendo escutas e buscas a residências, fugas de informação para determinados órgãos de comunicação social, que têm conhecimento prévio, chegando aos locais de intervenção antes dos agentes e inspectores.
Como se sabe a violação do segredo de justiça é crime.
O exemplo mais recente foi a detenção durante vinte e um dias de arguidos, sob investigação por alegados casos de corrupção, e que foram libertados após o Juiz de Instrução ter concluído que os elementos de acusação não justificavam a privação da liberdade.
Há quem já tenha comparado semelhantes procedimentos às tácticas das polícias políticas de regimes autocráticos.
E lá vem à baila a memória das acções da PIDE – Policia Internacional e de Defesa do Estado, ou das suas homólogas, a russa KGB ou a alemã Gestapo.
Para além de todo o aparato espectacular que tem vindo a rodear vários casos envolvendo figuras públicas, tem também constituído motivos de preocupação a morosidade dos processos judiciais, a falta de recursos humanos e materiais, burocracia excessiva, falta de confiança da população na justiça.
Também se tem vindo a assistir a alguma tensão entre os titulares do Ministério Público e os Juízos de Instrução.
Igualmente se constatou a queda de dois governos, o de Portugal e o da Madeira, com origem em processos judiciais com investigações a decorrer.
Chegou-se ao ponto de um Juiz de Instrução ter declarado “serem vagas e contraditórias as suspeições sobre determinado processo”. O tal que levou ao pedido de demissão do Primeiro-Ministro de Portugal.
Toda esta problemática tem levado a criticas e debates sobre a necessidade de reformas estruturais no sistema judiciário português.
Estranhamente tem sido tema arredado das campanhas eleitorais.
Será que o medo se apoderou de alguns protagonistas? Como têm aventado alguns comentadores.
Que chegam a acrescentar se não estará a politica a ser contaminada pelo ministério público?
E lá vem o habitual comentário: “à justiça o que é da justiça e à política o que é da política”.
Contrariando a opinião e o pensamento de prestigiados Magistrados e Juízos, alguns já jubilados.
Contudo, manda o bom senso salientar que após a Revolução do 25 d Abril de 1974, houve mudanças no sistema de justiça do país.
Diversas reformas legais e institucionais foram levadas a cabo para modernizar e democratizar a justiça penal e garantir os direito humanos.
A Constituição de 1976 estabeleceu princípios fundamentais, como a igualdade perante a lei e o direito a julgamentos justos.
A par disso, foram promovidas medidas para fortalecer a independência dos Tribunais e do Ministério Público, bem como para garantir o acesso à justiça para todos os cidadãos.
Apesar de todos estes avanços, continuam a persistir desafios que impactam negativamente o funcionamento eficiente e eficaz da justiça penal, como os factos que têm vindo a acontecer o comprovam.
Daí, a urgência dum “pacto de regime”, entre todas as forças democráticas, para serem levadas a bom termo as necessárias reformas estruturais para garantir a eficácia e legitimidade do sistema judicial português.
Antigos Altos Dignitários da República e prestigiados democratas têm vindo a defender uma intervenção do Mais Alto Magistrado da Nação na crise da justiça, criticando a actuação do Ministério Público em casos judiciais que vieram a originar crises políticas.
Entretanto, anteriores Procuradores Gerais da República, têm a vindo a terreiro afirmar que chegou o momento, dados os últimos acontecimentos, para discutir a Justiça, com reflexão consequente e serenidade assertiva.

António Benjamim
Edit Template
Notícias Recentes
Governo destaca Marca Açores como uma ferramenta essencial na promoção dos produtos e serviços do arquipélago
Presidente do Governo reafirmou ao Almirante Gouveia e Melo os poderes autonómicos dos Açores na gestão do mar
Padre Duarte Melo e Leonor Anahory defendem que se deve aproveitar o saber dos mais velhos para ajudar a formar os mais novos
Dezenas de pessoas “com muita devoção pelo Espírito Santo” ajudaram nos preparativos das 13 mil sopas que serão servidas hoje no Campo de São Francisco
Cinco detidos no aeroporto de Ponta Delgada com documentos de identificação falsos
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores