Edit Template

Jovem de 18 anos acusado de vários furtos e de agressões aos progenitores começou a ser julgado no Tribunal de Ponta Delgada

Um jovem de 18 anos, natural da freguesia da Candelária, começou ontem a ser julgado no Tribunal de Ponta Delgada por vários crimes contra pessoas e património. Os factos de que é acusado ocorreram entre o final de Setembro e Novembro do ano passado.

Furto da carrinha da
Filarmónica Lira Nossa
Senhora da Estrela

Na acusação consta um rol extenso de ocorrências que envolvem este arguido. O primeiro episódio terá ocorrido entre as 08h00 do dia 30 de Setembro e as 17h20 do dia 1 de Outubro, quando o homem, consumidor de drogas sintéticas, ter-se-á dirigido à sede da Filarmónica Lira Nossa Senhora da Estrela, na Candelária, com o propósito de se apoderar de bens que ali encontrasse.
Terá entrado duas vezes no local. Primeiramente, terá deixado a janela da casa-de-banho aberta, para que pudesse voltar depois. Momentos mais tarde, o arguido terá regressado ao local e ter-se-á dirigido à caixa registadora, onde se encontrava a chave do veículo da filarmónica. Alegadamente, apropriou-se da carrinha de nove lugares e conduziu até à Fajã de Baixo, onde terá dado boleia a um jovem. O veículo foi abandonado na estrada das Cumeeiras, nas Sete Cidades, tendo sido encontrado com alguns danos, entre os quais o pára-choques amolgado, o vidro triangular partido e a embraiagem inutilizada. De acordo com o Ministério Público, o suspeito sabia que não se encontrava legalmente habilitado para conduzir aquele veículo e que estava a agir contra a lei.
Após ouvir os factos sobre ele imputados, o arguido quis prestar declarações em Tribunal. Admitiu ter sido o autor material do furto da carrinha pertencente à filarmónica, mas referiu ter sido outra pessoa a entrar na sede da banda e a apoderar-se da chave. Disse, ainda, que furtou o veículo porque “precisava de boleia para a cidade (Ponta Delgada)”.

Furto de veículo automóvel

Outro incidente relatado terá ocorrido no início de Outubro. O arguido é acusado de ter partido o vidro de um veículo automóvel, conseguindo, assim, aceder ao seu interior. No porta-luvas terá encontrado a chave suplente e, fazendo uso desta, terá iniciado marcha, abandonando o veículo em Ponta Delgada. O jovem deu-se como culpado deste furto, no entanto, disse que a chave se encontrava junto à caixa de velocidades. Em sua defesa, afirmou estar sob o efeito de estupefacientes.

Tentativa de furto a unidade
hoteleira em Ponta Delgada

De acordo com a acusação, a 16 de Outubro, pelas 03h45, o jovem ter-se-á dirigido a uma unidade hoteleira em Ponta Delgada com o propósito de subtrair dali os valores que pudesse encontrar. Descalço, terá forçado a entrada, encontrando primeiramente uma caixa registadora vazia. De seguida, ter-se-á dirigido à zona da restauração e ao backoffice, onde terá sido surpreendido pelos funcionários. Acerca deste incidente, o jovem afirmou que apenas “queria comida” e que estava a colocar “um Compal e uns bolos” dentro de um saco, quando apareceu o funcionário do hotel.

Agressões e ameaças aos
progenitores e ao irmão

Dois dias antes, a 14 de Outubro, após as 17h00, o acusado, ao chegar a casa dos progenitores, terá encontrado a porta do seu quarto de cama destrancada e o quarto revirado. Depois de apurar que o seu progenitor se encontrava na filarmónica, terá aparecido no local “descalço, ensanguentado e com uma ferida nas costas.”
Foi relatado que, por mais do que uma vez, em datas não apuradas, devido ao consumo de estupefacientes, o arguido ter-se-á tentado suicidar, tomando comprimidos prescrevidos à sua progenitora. Numa dessas ocasiões, o pai do jovem tê-lo-á levado ao hospital porque “ele estava a cambalear.”
O arguido terá inclusive tentado enfiar uma tesoura no seu próprio corpo e, quando o seu progenitor tentava retirar-lhe o objecto, tentou encostá-lo ao peito do pai. De seguida, o acusado terá pegado numa faca de cozinha e saído de casa, tendo sido um vizinho a retirar-lhe o objecto cortante.
Segundo avança a acusação, a 24 de Outubro, terá exigido que a mãe lhe desse dinheiro, mas foi-lhe negado. Frustrado com a recusa, o jovem terá desferido um soco no veículo automóvel e, no seguimento, terá desferido outro soco na face do pai e um pontapé na coxa direita. Por sua vez, terá apertado o pescoço e o pulso da mãe e terá ainda agredido o irmão mais novo, que terá intervindo para socorrer os pais, com um soco na face e apertando-lhe o pescoço.
A 5 de Novembro, ter-se-á apoderado do telemóvel da progenitora e, quando o pai interveio para recuperá-lo, ter-lhe-á desferido um soco. No dia seguinte, pelas 19h00, ter-se-á dirigido à mãe aos gritos, exigindo que lhe desse dinheiro, insultando-a e proferindo ameaças de morte. Munindo-se de uma tesoura de cozinha, o acusado ter-se-á dirigido à sua progenitora, que terá escapado para o exterior. Após o pai ter conseguido retirar-lhe o objecto, o arguido terá “revirado a mesa da cozinha.” Entretanto, a progenitora terá regressado do exterior e o acusado tê-la-á perseguido com uma fruteira.
A 7 de Novembro, o acusado alegadamente aproveitou a saída dos progenitores de casa, para encher e amarrar chouriços, para subtrair do casaco do pai a chave do quarto de cama e retirar a quantia de 320 euros dos envelopes que lá estavam. É referido que no total estariam 1.920 euros. De seguida, ter-se-á dirigido a um café da freguesia e pago bebidas a toda a gente, no valor de 20 euros.
Ao dar conta do montante em falta, o progenitor ter-se-á dirigido ao café para recuperar o dinheiro. O arguido terá exigido que o pai lhe desse 200 dos 300 euros que tinha retirado e, perante a recusa, terá dado uma dentada no progenitor. No dia a seguir, a 8 de Novembro, antes das 10h00, terá dito aos pais e irmão que queria “partir tudo em casa.”
Sobre estes factos, o jovem afirmou não se recordar de muitos eventos, por estar sob o efeito de drogas sintéticas. Adiantou que consumia dois a três pacotes por dia.
Atendendo aos factos, o Ministério Público referiu que a progenitora se encontra numa situação de grande desgaste psicológico. Antes de o arguido ser detido, o irmão faltava às aulas, prejudicando o seu aproveitamento escolar, e os pais e irmão dormiam com as portas do quarto trancadas, com medo do jovem. Além disso, é referido que a mãe, quando saía de casa, levava o dinheiro e os ouros com receio que o arguido os subtraísse.

Furto de 375 euros a residência

Ainda em Novembro, o arguido ter-se-á dirigido a uma residência e pedido ao ofendido para utilizar a casa-de-banho, altura em que terá aproveitado para deixar a janela aberta, com o intuito de regressar. Alegadamente, quando o ofendido saiu para o trabalho, o arguido voltou a entrar, apoderando-se de 375 euros que estariam dentro de uma gaveta, no quarto de cama da vítima. O jovem explicou que conhecia o ofendido e a casa, e confessou saber que aquela janela não fechava. Contudo, negou ter-se apropriado dos 375 euros, garantindo apenas ter levado “cinco euros e tal em moedas de cinquenta cêntimos e em pretos”.
Actualmente, o arguido encontra-se detido no Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada, onde aguarda o desfecho do julgamento.

Carlota Pimentel

Edit Template
Notícias Recentes
Governo destaca Marca Açores como uma ferramenta essencial na promoção dos produtos e serviços do arquipélago
Presidente do Governo reafirmou ao Almirante Gouveia e Melo os poderes autonómicos dos Açores na gestão do mar
Padre Duarte Melo e Leonor Anahory defendem que se deve aproveitar o saber dos mais velhos para ajudar a formar os mais novos
Dezenas de pessoas “com muita devoção pelo Espírito Santo” ajudaram nos preparativos das 13 mil sopas que serão servidas hoje no Campo de São Francisco
Cinco detidos no aeroporto de Ponta Delgada com documentos de identificação falsos
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores