Edit Template

O Serviço Militar Obrigatório

Numa altura em que quase metade da população portuguesa defende o regresso ao Serviço Militar Obrigatório, impõem-se algumas reflexões.
Em primeiro lugar, não podemos esquecer que a defesa de uma nação não compete apenas a um grupo escravizado de cidadãos. Dito de outro modo, não é justo o que sofri na pele em 1986- 1987 e muito menos o sofrimento daqueles que foram obrigados a ir para o Ultramar. Esta foi uma das principais reclamações da Revolução de abril, há 50 anos.
Se por um lado, os vários países da Europa pretendem melhorar a defesa, então os jovens chamados deverão receber um justo salário e não deverão ser maltratados com palavrões e receber todas as frustrações de sargentos que nunca deveriam colocar os pés dentro de um quartel. Os jovens não são “suas Amélias“ e sabem fazer muito melhor do que “bosta”.
A disciplina até seria benéfica para alguns alunos que conheço. Uma a duas semanas daquelas até daria muito jeito. O mesmo não se pode dizer para quem pediu adiamento para completar uma licenciatura na Universidade (das antigas com 5 anos) e que depois vem a ser chamado, já casado, pensando montar uma vida, quando fica a rebolar numa sensação de inutilidade, permanecendo a marchar dias seguidos, em Ordem Unida. O curso, a especialidade? E isso importava a alguém?Foi dado nos últimos dias e à pressa.
Entrei para o quartel da Escola Prática de Administração Militar, em Lisboa, perto do estádio do Sporting, no início de agosto de 1986. Tive de devolver o meu vencimento ao Estado, cerca de 50 000 escudos. Recebi em troca o meu super-vencimento militar de pouco mais de 100 escudos que mal dava para engraxar os sapatos. E a esposa que na altura ainda não tinha profissão? Pois que se desenrascasse! Valeram-nos grandes amigos que tínhamos em Vila Viçosa e que ainda não esquecemos. Depois da especialidade, foi cumprimento nos Arrifes.
Alguns dos meus colegas foram dispensados deste bendito serviço a uma Pátria madrasta para certos cidadãos. Dá para olhar o céu e interrogar: “ onde paira a justiça?!”. E assim o nosso dito Estado Português conseguiu estragar 18 meses de uma das fases da minha vida, que supostamente deveria ser a melhor.
Foi Paulo Portas quem em 2004 pôs fim ao Serviço Militar Obrigatório, sendo na altura Ministro da Defesa Nacional (2002- 2004), na sequência de aprovação ainda no tempo do engº Guterres. A partir daí, os nossos jovens passaram a ter o seu futuro muito mais livre. Alguns, certamente, escolheram este serviço com o fito de poderem ingressar na carreira da polícia, com maior facilidade.Já agora, com reclamação de igualdade de género, será que também tencionam convocar as “mancebas”?
Pois então se é para abraçar esta amarga realidade de uma nuvem negra que paira sobre nós, que as nações (e não apenas a nossa) deem todo o apoio a quem realiza tamanhos sacrifícios.
Nordeste, 2 de abril de 2024

Eduardo Jorge Melo

Edit Template
Notícias Recentes
Governo destaca Marca Açores como uma ferramenta essencial na promoção dos produtos e serviços do arquipélago
Presidente do Governo reafirmou ao Almirante Gouveia e Melo os poderes autonómicos dos Açores na gestão do mar
Padre Duarte Melo e Leonor Anahory defendem que se deve aproveitar o saber dos mais velhos para ajudar a formar os mais novos
Dezenas de pessoas “com muita devoção pelo Espírito Santo” ajudaram nos preparativos das 13 mil sopas que serão servidas hoje no Campo de São Francisco
Cinco detidos no aeroporto de Ponta Delgada com documentos de identificação falsos
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores