Edit Template

PSP e o Governo açoriano lançam nos Açores aoperação “Cinto-me Vivo”

Numa colisão frontal a 50 km/h, um condutor com 70 quilos, sem cinto de segurança,
sofre um impacto equivalente a uma
queda livre de um terceiro andar.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) lançam a partir de hoje, a Campanha de Segurança Rodoviária “Cinto-me vivo”, inserida no Plano Nacional de Fiscalização (PNF) de 2024.
A decorrer entre hoje e 11 de Abril, a campanha tem como objectivo alertar condutores e passageiros para a importância de utilizarem sempre, e de forma correcta, os dispositivos de segurança.
Assim, a fiscalização rodoviária da PSP será focalizada, de forma permanente e intensiva, nos comportamentos de risco, principalmente sobre condutas que têm elevada prevalência e maior impacto na sinistralidade rodoviária, nomeadamente nas infracções graves e muito graves.
Numa colisão, um veículo pára numa fracção de segundo. Mas os ocupantes, caso não usem cinto de segurança, continuam a seguir na direcção do movimento com uma velocidade igual à que seguia o veículo no instante inicial do acidente. Numa colisão frontal a 50 km/h, um condutor com 70 quilos, sem cinto de segurança, sofre um impacto equivalente a uma queda livre de um terceiro andar.
O uso do capacete de modelo aprovado, devidamente apertado e ajustado, reduz em 40% o risco de morte em caso de acidente.
Está igualmente comprovado que a utilização correcta de cadeirinha homologada e adaptada ao tamanho e peso da criança, reduz em 50% o risco de morte. Em crianças até aos 18 quilos, a utilização de uma cadeirinha voltada para a retaguarda, combinada com a utilização de cinto de segurança, reduz até 90% o risco de lesões graves ou morte.
A PSP e a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária relembram que a utilização dos dispositivos de segurança “é fundamental” e apelam a todos para que os utilizem de forma correcta.
Utilize sempre “uma cadeirinha homologada, devidamente instalada, e adaptada à altura e peso da criança”; “o cinto de segurança, em todos os lugares do veículo, e em todos os percursos, mesmo nos de curta distância”; “e o capacete de modelo aprovado, devidamente ajustado e apertado”.
Paralelamente às acções de fiscalização serão realizadas em território continental, campanhas de sensibilização em parceria com ANSR e nos Açores e Madeira em parceria com os respectivos Governos Regionais.
A sinistralidade rodoviária “não é uma fatalidade e as suas consequências mais graves podem ser evitadas através da adopção de comportamentos seguros na estrada” por parte dos condutores na esrada.

Edit Template
Notícias Recentes
“Câmara Municipal de Ponta Delgada deixou praticamente de investir na vila das Capelas nos últimos anos”, afirma Manuel Cardoso
“Sou um bocadinho vulcão dos Açores e as minhas equipas reflectem essa personalidade,”assume a treinadora do Sporting, Mariana Cabral
Marcha com mais de 100 marchantes jovens promete hoje muita “brincadeira e diversão” nas Festas do São João da Vila
“Estas ilhas oferecem-nos sensibilidade, alegria, amor e dádiva que nenhum outro lugar do mundo oferece,” afirma António Rego
Maycon Melo veio de Mato Grosso no Brasil para os Açores para fazer do sushi a sua vida
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores