Edit Template

Bispo apela à Irmandade do Senhor Santo Cristo para ser promotora da comunhão nos Açores

D. Armando Esteves Domingues apela a que o futuro implique
mais acção e menos contemplação do Divino

O bispo de Angra pediu a todos os peregrinos, e em especial à Irmandade do Senhor Santo Cristo, que saiam para o mundo e não fiquem apenas a contemplar e a admirar o Divino.
“Precisamos de nos sentar nestes lugares do mundo, às vezes contaminados por águas sujas. Não fiquemos a admirar o Divino mas levemo-Lo ao mundo, aos outros, testemunhando não só os valores humanos mas também o evangelho que professamos. Aqui há remédios para todos. Que o senhor Santo Cristo vos ajude na missão”, afirmou D. Armando Esteves Domingues na homilia da concelebração a que presidiu Segunda-feira na Igreja de Nossa Senhora da Esperança e que teve em especial atenção os irmãos falecidos e os benfeitores da Irmandade do Senhor Santo Cristo dos Milagres, que organiza estas festas maiores da Igreja nos Açores, juntamente com o Santuário do Senhor Santo Cristo.
“As multidões são importantes, mas a conversão é pessoal” disse ainda o prelado depois de ter elogiado e agradecido o trabalho da Irmandade nestas festas marcadas “pela serenidade”, como frisou de novo o bispo de Angra.
“Vós sois o garante da tradição, mas sois também promotores da comunhão e por serdes uma das Irmandades mais numerosas e também com maior visibilidade mediática no país, tendes responsabilidades acrescidas”, afirmou o bispo de Angra.
“E esta responsabilidade não é só para com Ponta Delgada é para com toda a região. É uma responsabilidade que o Senhor santo Cristo coloca nas vossas costas” frisou, deixando, ainda, outros agradecimentos ao Reitor do Santuário, cónego Manuel Carlos Alves e a todos “os que trabalharam para que as festas tivessem corrido bem”.
“Na memória destas festas fica tragédia do incêndio no Hospital do Divino Espírito Santo e todo o sofrimento que ainda está a provocar, mas o que eu gostaria de destacar é a onda de solidariedade gerada por detrás desta tragédia”, disse D. Armando Esteves Domingues.
“Sejamos sempre esta Igreja de porta aberta, presente e disponível para beijar”, afirmou alertando para a dificuldade que temos de dizer obrigado.
“Por vezes somos forretas em dizer obrigado, mas o amor não é forreta e quando vemos as coisas feitas com amor e por amor, temos mesmo de dizer Obrigado!”, disse.
“Que todos saiam desta festa com Cristo sempre presente, não só na Imagem, mas de olhos postos no sacrário”, disse ainda.
Aos agradecimentos à organização da festa, o bispo D. Armando Esteves Domingues acrescentou uma sugestão: que se aproveite a vigília de Domingo para acções de carácter vocacional.
“Era uma maneira de dar visibilidade à questão vocacional que diz respeito à igreja, porque falamos sempre de vocações para a vida consagrada, religiosa e sacerdotal, mas também para outras vocações, como a família”.

Myron Cotta: A experiência
mais alta que tive como padre”

Esta Missa, que ocorre habitualmente na manhã de Segunda-feira e que é conhecida como a Missa da Irmandade, ainda contou com a participação do Bispo de Stockton e do padre Larry Machado, pároco da paróquia portuguesa de Nossa Senhora da Assunção em Turlock.
“Participar nesta festa foi a experiência mais alta que tive como padre” afirmou o bispo Myron Cotta, muito emocionado.
“Quando faço uma visita aos Açores o meu coração fica sempre por cá. Depois desta visita julgo que as nossas duas dioceses vão ficar mais unidas numa irmandade muito bonita”, ressalvou o prelado.
Depois desta Missa, as forças de segurança, protecção civil e motards, bem como os taxistas, prestaram, uma vez mais, a sua homenagem ao Senhor Santo Cristo, dando uma volta bem ruidosa ao Campo de São Francisco. Há menos de uma década esta homenagem era feita no Sábado de manhã mas, por causa das promessas e do barulho, foi adiada para a Segunda-feira. Não integra o programa oficial das festas, mas é sempre um momento muito apreciado pelos peregrinos.
Na manhã de Segunda-feira foi especialmente saudada a presença dos bombeiros devido à missão que tiveram no combate ao incêndio no Hospital do Divino Espírito Santo.
De tarde, a festa do Senhor Santo Cristo prosseguiu com as habituais arrematações no adro da Igreja e à noite com música no Campo de São Francisco.

“A esperança não deve ficar
encerrada num Santuátrio”

D .Myron Cotta afirmou na Missa campanha de Domingo na homilia a que presidiu que a esperança não pode ficar dentro de uma Igreja ou de um Santuário mas deve ser levada ao mundo “quebrado” e “ferido”.
“A esperança não deve estar encerrada numa capela, nem numa igreja, nem num santuário, mas deve ser oferecida gratuitamente, especialmente, àqueles que não têm esperança. Este Jesus, que te ama, apresentado aqui nesta imagem solene, sai deste santuário para encontrar-se contigo, quer seja onde estejas na tua vida” , afirmou o Bispo de Stockton na homilia proferida na concelebração que decorreu no Campo de São Francisco em Ponta Delgada, para celebrar a festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres.
“Ele está presente no meio das nossas imperfeições, da nossa tentação ao pecado, para oferecer-nos a Sua graça e misericórdia, para nos dar esperança no nosso caminho peregrino nesta vida, tornando-nos, assim, ´peregrinos da esperança’“.
“Esta imagem do Santo Cristo, lindamente adornada e decorada, transporta-nos para o mistério do que está por baixo dos adornos do ouro, pérolas e pedras preciosas. O que está por baixo são os sinais da sua paixão e do seu sacrifício que ele ofereceu por nós, renunciando a vontade própria, isto é, a sua Misericórdia. Esta imagem solene do seu rosto transmite uma sensação de serenidade, de paciência”, disse ainda o prelado descendente de açorianos da ilha Terceira, ao referir que “somos evangelizados pelas chagas gloriosas”.
A festa termina no dia 9 de Maio. Às 18h00 haverá a celebração eucarística que encerrará a festa, que será presidida peloRreitor do Santuário.

Missa dos Doentes não se realizou
O Bispo de Angra lamenta o incêndio na área técnica do Hospital do Divino Espírito Santo que deflagrou Sábado de manhã e impediu a celebração da Missa dos Doentes, no âmbito da festa do Senhor santo Cristo dos Milagres.
“É sem dúvida um acontecimento triste e por isso a minha primeira palavra vai para a Administração do Hospital, para a Capelania Hospitalar, mas sobretudo para os doentes. Se há lugar onde a Festa do Senhor Santo Cristo deveria chegar era este” disse D. Armando Esteves Domingues ao Sítio Igreja Açores.
Estava prevista para as 10h30 a celebração da Eucaristia na Capela do Hospital e o incêndio impediu a realização da celebração.
Igreja Açores

Edit Template
Notícias Recentes
“É urgente a necessidade de reduzir o número de utentes por Médico de Família”, diz Maria Teresa Albergaria
Jaime Oliveira foi um dos cinco açorianos que ao lado de Salgueiro Maia desceram de Santarém a Lisboa no dia 25 de Abril de 1974: “Tive medo…”
“Temos muita fé no Divino Espírito Santo”, afirmamos mordomos dos Remédios da Bretanha
Câmara de Ponta Delgada estuda solução para o trânsito na Alameda de Santa Teresa
19 medalhas de ouro, 19 de prata e 18 de bronze no Campeonato Regional das Profissões
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores