Edit Template

As festas e a necessária mudança!

As festas em honra do Senhor Santo Cristo dos Milagres são para os micaelenses o ex libris das FESTAS! São igualmente importantes e com enorme significado para todos os açorianos espalhados por essa região dispersa no mar atlântico e ainda para todos os açorianos que vivem por esse mundo fora e que por esses dias nos visitam!
Este povo insular, perante a imagem do Senhor Santo Cristo, desarma, chora, apela e humildemente demonstra toda a sua fé!
A parte religiosa das festas do Senhor Santo Cristo, com mais ou menos alterações ao longo dos anos, sempre correu bem e de acordo com o previsto!
Serve este artigo de opinião para demonstrar o meu desagrado com a parte profana das festas, também ela de extrema importância para todos os açorianos! Para além de permitir o gozo das festas na sua plenitude, o convívio entre amigos e familiares, desde que me lembro… é de extrema importância para a economia açoriana. A quantidade de barracas, rulotes e afins com os diferentes produtos alimentares, cosmética, roupas e acessórios espalhados pela zona previamente determinada impressiona qualquer um, mas devo dizer que falta MUITA ORGANIZAÇÃO nessas festas! É necessário, urgentemente, organizar espaços, determinar zonas para restauração e outra para comércio de outros produtos. Tudo misturado e sem qualquer planeamento, torna-se extremamente confuso, desorganizado e com falta de condições. Não dignifica a importância que essas festas têm para todos nós!
É necessário assumir, de uma vez por todas, que a restauração na Avenida Kopke não é funcional, nunca foi! Geram-se filas para a entrada das pessoas na restauração e toda a circulação para a zona dos carrinhos e aviões fica extremamente condicionada, com dificuldades de circulação, pois a zona não permite a passagem desafogada de pessoas, muitas vezes com carrinhos de crianças e as filas para a restauração. Tenho saudades da restauração na Avenida Roberto Ivens, funcionava muito melhor, no meu ponto de vista!
Este ano tentei experimentar a zona de restauração do Largo Dr. Manuel Carreiro (largo da GNR e Polícia Marítima), mas também encontrei algumas dificuldades de circulação, com carros estacionados, filas que se cruzavam e, só com muita ginástica, não entravam pelas instalações das entidades que estão sedeadas no local! Assisti a brigas entre as pessoas que se encontram nas filas para a restauração, pois ninguém conseguia perceber onde começava a fila dos cachorros e onde acabava a fila das bifanas, isso tudo por falta de espaço!
É preciso, com coragem, olhar para essa parte das festas igualmente importante, não como um “desenrasca”, mas sim com vontade de proporcionar aos locais, emigrantes e turistas uma boa experiência! Com a devida antecedência, sentar à mesma mesa as diferentes entidades, deixar os egos de lado e olhar para o mapa da nossa cidade, planear e determinar as diferentes zonas, organizar os espaços de uma forma homogénea e com condições para todos, talvez retirar os carros estacionados e que condicionam a circulação e o comércio! É necessário criar uma ligação entre a FICSA – Feira da Indústria, Comércio e Serviços dos Açores e o Campo São Francisco!
Este ano está feito… será que alguém vai ter a coragem de melhorar e modernizar as Festas do Senhor Santo Cristo em 2025? Espero bem que sim… que o Senhor Santo Cristo dos Milagres vos abençoe e ilumine!

Alexandra Carvalho e Cunha

Edit Template
Notícias Recentes
“É urgente a necessidade de reduzir o número de utentes por Médico de Família”, diz Maria Teresa Albergaria
Jaime Oliveira foi um dos cinco açorianos que ao lado de Salgueiro Maia desceram de Santarém a Lisboa no dia 25 de Abril de 1974: “Tive medo…”
“Temos muita fé no Divino Espírito Santo”, afirmamos mordomos dos Remédios da Bretanha
Câmara de Ponta Delgada estuda solução para o trânsito na Alameda de Santa Teresa
19 medalhas de ouro, 19 de prata e 18 de bronze no Campeonato Regional das Profissões
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores