Edit Template

Serviço de Oncologia do HDES estará a funcionarem pleno dentro de duas semanas e já começaram as consultas em algumas especialidades

A Directora Clínica do Hospital do Divino Espírito Santo, Paula Macedo, anunciou ontem que a administração hospitalar está num “processo de reactivação” do HDES que está a ser feita “de forma faseada e lenta”.
Em termos de capacidade cirúrgica, houve 25 nascimentos no bloco de partos sendo que 15 foram de cesariana, foram realizadas 51 cirurgias, 42 em contexto de urgência. “Significa que as cirurgias programadas realmente estão em números muito baixos.”
Até hoje (ontem) foi possível fazer 36 procedimentos fora as urgências, nomeadamente cateterismos , exames endoscópicos com anestesia e procedimentos oncológicos, estes foram garantidos 36 procedimentos esta semana.
Paula Macedo revelou que, no serviço de oncologia, ficaram 94 doentes com tratamento pendentes durante a semana do incêndio, e desses 94 doentes, 49 foram remarcados para esta semana e 45 vão ser remarcados até ao final da próxima semana.
A Directora Clínica prevê que Segunda-feira a oito dias o hospital terá o serviço de Oncologia a funcionar “no seu funcionamento normal, com algumas dificuldades em relação às consultas.”
Especificou que, porque Segunda-feira é feriado, inicia-se na Terça-feira as consultas presenciais relativamente à oncologia, com as primeiras consultas a serem priorizadas pela responsável da unidade de oncologia.
Paula Macedo anunciou também que, na próxima semana, serão iniciadas as consultas de seguimento, de acordo com a disponibilidade dos serviços de retaguarda. “A necessidade de serviços de retaguarda acontece porque a consulta externa não é só fazer consulta ao utente, necessita de alguns serviços de apoio, nomeadamente de patologia clinica e de outros laboratórios que trabalhamos, e do serviço de imagiologia”.
Ou seja, “quando se faz uma consulta necessitasse de apoio desses serviços porque é necessário as análises, como os doentes dizem, e os outros exames complementares de diagnóstico que fazem parte do seguimento da consulta. Essa retaguarda desses serviços está a ser implementada já esta semana e poderá vir a funcionar praticamente em pleno já na próxima semana.”
Em relação aos serviços de Hematologia, todos os tratamentos ficaram pendentes na semana do incêndio até Sexta-feira dessa semana e já estão totalmente concluídos. Ou seja, os doentes do serviço de Hematologia e Hemato-oncologia já podem apresentar-se no HDES a partir da próxima Terça-feira, obedecendo ao agendamento habitual.
Em relação aos dadores, “foi necessário fazer uma colheita de amostras e de sangue feita fora do hospital, em Ponta Delgada, foi explicado que é uma rotina habitual, serve para repor os stocks de sangue no nosso banco de sangue, mas a partir desta semana já há um normal funcionamento.”
Paulo Macedo reafirmou que “todos os nossos doentes hemodializados crónicos encontram-se fora da ilha de São Miguel. Mantém-se as mesmas localidades, mas continuamos a receber situações novas. Essas situações são garantidas mas com um aparte, ou seja, com uma característica, porque temos que ter noção que pode haver potencial evacuação. A continuidade desta técnica de diálise não pode ser dada. Apenas, podemos fazer o suporte inicial e depois o doente terá de ser evacuado.”
“Foi feito um acompanhamento dos doentes transplantados renais crónicos. Foram realizadas 73 consultas esta semana, até ao período da manhã de hoje (ontem) que englobam consultas de pré-dialise e de diálise peritonial e de pós-transplante e nefrologia geral. Estão a fazer consultas ao nível da área de intervenção da consulta externa de Nefrologia,” informou.
O serviço de Nefrologia do HDES tem dado todo o apoio telefónico a todos os familiares e a todos os utentes que se encontram deslocados da sua ilha e, principalmente, há doentes hemodializados crónicos em Portugal continental que já estão agendados para procedimentos, quer para consultas quer para transplantes. “Toda esta logística é feita pelo HDES e não pelas unidades que os recebem,” explicou Paula Macedo.
A Hemodiálise Crónica não foi reactivada nesta semana. Está a ser feita uma análise qualitativa das águas que foram contaminadas pela fuligem do incêndio. “A análise já chegou mas sem a totalidade dos resultados. Os primeiros resultados estão ‘ok’ mas ainda faltam os outros,” disse.
“Tivemos uma situação de contaminação das águas e é importante que esta análise venha na sua totalidade para podermos fazer o regresso dos nossos doentes hemodializados crónicos que se encontram deslocados da nossa ilha”, afirmou.

Reiniciar consultas

Revelou, por outro lado, que as consultas vão ser reiniciadas de uma forma faseada no polivalente numa parte, na ala nascente e posteriormente será na ala poente.
Reiniciam-se hoje nos locais habituais as consultas de Oftalmologia, Estomatologia e Cirurgia Maxilofacial. “Todos os doentes destas áreas terão de ser previamente contactados.”
As consultas de Anticoagulaçao já estão a ser efectuadas desde o inicio desta semana. Os doentes “vêm também após contacto do HDES.”
Relativamente ao internamento, continua a realidade apresentada na primeira comunicação. “Tínhamos internamentos que foram efectuados em várias instituições. Não mudou nada. O que mudou foi os novos doentes que estão a ser alocados numa estrutura hospitalar privada. Temos duas instituições que nos estão a dar apoio: uma privada e no centro de saúde da Ribeira Grande. E agora com o pavilhão Carlos Silveira, que tem o nosso posto médico avançado com unidade de internamento”.
Até ontem, 155 doentes era o número de internamentos de doentes HDES nas várias unidades de saúde.
“Temos 2 postos de urgência hospitalar. Não nos podemos esquecer que há unidades básicas de saúde que nos acompanham e que foram reforçadas quer em termos estruturais físicos e humanos por profissionais do HDES: Ribeira Grande, Vila Franca e agora aberta, há pouco tempo, a Lagoa com posto médico para atender situações não urgentes (verdes e azuis). É bastante importante porque alargou o leque de instituições de saúde a que a população se poderá dirigir em situação urgente e não urgente consoante a triagem.”
Desde ontem o centro de saúde de Ponta Delgada já possuiu as chamadas consultas do dia extra, desde as 17h às 22h.

Administração do HDES abriu processo de averiguações ao incidente

A Presidente do Conselho de Administração do HDES, Manuela Gomes de Menezes, anunciou ontem que o Conselho de Administração da unidade hospitalar deliberou instaurar um processo de averiguações das causas do incidente do dia 4 de Maio, o incêndio no Posto de Transformação Eléctrico.
Manuela Menezes referiu que foi solicitado à Ordem dos Engenheiros a nomeação dos peritos que “assegurarão, de modo totalmente independente e idóneo, o estudo técnico das causas do incidente em averiguação”.
O Conselho de Administração do HDES solicitou que este processo “esteja concluído com a maior brevidade possível, de modo a que as conclusões do mesmo possam contribuir para os trabalhos a desenvolver no âmbito do grupo de trabalho” criado por resolução do Governo dos Açores.
Por mais de uma vez Manuela Menezes enalteceu a entrega e empenho dos “excelentes” profissionais do Hospital do Divino Espírito Santo que, como foi assegurado, têm os salários pagos.

Frederico Figueiredo

Edit Template
Notícias Recentes
Mulheres em situação de sem-abrigo em São Miguel estão “em profundo sofrimento psicológico pela situação em que vivem”
Sónia Melo distinguida com o Prémio Cinco Estrelas Regiões na categoria chef privada
“O folclore é sempre o parente mais pobre da cultura”, afirma Filomena Loura, Presidente do Grupo Folclórico da Lomba do Cavaleiro
Tem crescido o número de caravelas-portuguesas avistadas nas zonas balneares do continente e Açores
Comunidade açoriana de Rhode Island apela a David Neeleman para a Breeze Airways fazer voos directos para os Açores
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores