Edit Template

Taxa de pobreza aumentou nos Açores no último ano de 21,9% para 25,1%

De acordo com o relatório anual “Portugal, Balanço Social 2023”, a prevalência da pobreza em Portugal é maior nos Açores e na Madeira, regiões que também têm mais privação material e social e mais desigualdade do que Portugal continental.
A taxa de pobreza nos Açores está 9 pontos percentuais acima da média nacional e a quase 10 pontos percentuais acima da média nacional na Madeira, a região com maior taxa de pobreza em Portugal. Além disso, os Açores e a Madeira foram as únicas regiões em que a taxa de pobreza aumentou no último ano, respectivamente de 21,9% para 25,1% e de 24,3% para 25,9%.
Já no continente, a região com maior taxa de pobreza foi o Algarve (22,1%).
O mesmo documento dá nota que a taxa de privação material e social severa desceu em todas as regiões de Portugal entre 2021 e 2022, à excepção dos Açores. Em 2022, nos Açores uma em cada dez pessoas estava em situação de privação material e social severa. O Alentejo é a região com a menor taxa de privação material e social severa (3,2%), enquanto os Açores (9,8%) e Madeira (7,8%) são as regiões em que esta taxa é mais alta.
Segundo o coeficiente de Gini, analisando as sete regiões portuguesas, a região com maior desigualdade são os Açores, que foi também aquela em que a desigualdade mais aumentou face ao ano anterior, seguida da Madeira e do Centro. No Norte, Centro, e na Área Metropolitana de Lisboa a desigualdade diminuiu.
A taxa de risco de pobreza diminuiu em todas as regiões, excepto nos Açores e em Lisboa. O Algarve continua a ser a região continental com a maior taxa de pobreza: 19,7%, 2,4 pontos percentuais abaixo do valor de 2022. Lisboa conheceu o maior aumento da taxa de pobreza, com uma subida de 4,3 pontos percentuais face a 2022.
Conforme o relatório, a desigualdade, medida através do coeficiente de Gini, aumentou em todas as regiões, excepto no Alentejo. A região em que a desigualdade mais aumentou foi Lisboa, onde o coeficiente de Gini subiu de 31,4, em 2022, para 34,9, em 2023.
Tudo isto significa que em 2023, os Açores continuam a ser a região mais desigual do país.

C.P.

Edit Template
Notícias Recentes
“É urgente a necessidade de reduzir o número de utentes por Médico de Família”, diz Maria Teresa Albergaria
Jaime Oliveira foi um dos cinco açorianos que ao lado de Salgueiro Maia desceram de Santarém a Lisboa no dia 25 de Abril de 1974: “Tive medo…”
“Temos muita fé no Divino Espírito Santo”, afirmamos mordomos dos Remédios da Bretanha
Câmara de Ponta Delgada estuda solução para o trânsito na Alameda de Santa Teresa
19 medalhas de ouro, 19 de prata e 18 de bronze no Campeonato Regional das Profissões
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores