Edit Template

O impactodas europeias

As eleições europeias estão à porta e a campanha entrou na sua última semana, em que os temas europeus têm passado para segundo plano, muitos preferindo que elas constituam a segunda volta das eleições legislativas. Era inevitável que chegássemos à campanha e que os temas europeus tivessem menos interesse para a população, mas tal não poderia levar a que os partidos procurassem nacionalizar até à exaustão o debate nas ruas e nas televisões.
Em Portugal, o cenário está a ser muito renhido entre o Partido Social Democrata e o Partido Socialista. De acordo com as sondagens recentes, muitas delas com resultados contraditórios, o PSD lidera ligeiramente com 31% das intenções de voto, enquanto o PS aparece com 29,6%. Tal significa que ambos os partidos devem eleger o mesmo número de eurodeputados, oito cada um, o que representa um ganho de dois mandatos para o PSD e uma perda de um para o PS em comparação com as eleições de 2019.
O Chega está projetado para ser a terceira força política, com 14,2% dos votos, garantindo três assentos no Parlamento Europeu pela primeira vez, o que constitui para todos os efeitos um facto considerável, que vai a reboque de uma tendência europeia. A Iniciativa Liberal também deve estrear-se no Parlamento Europeu, com 4,5% das intenções de voto, resultando em um mandato.
Em contrapartida, os partidos da esquerda radical, como é o caso do Bloco de Esquerda e o Partido Comunista, mostram uma tendência de queda, com o Bloco de Esquerda a eleger apenas um eurodeputado e os comunistas ficando mesmo fora do mapa político europeu nesta eleição.
Estas eleições têm um impacto significativo na política interna portuguesa, e estão a influenciar a dinâmica dos partidos políticos quanto a perceção pública sobre a liderança nacional do Primeiro-Ministro, Luís Montenegro, que subiu vertiginosamente na apreciação positiva dos portugueses, sendo mesmo o político dentro de portas com maior visibilidade.
Por isso mesmo, os resultados positivos podem fortalecer a posição de partidos políticos dentro do país, em que por exemplo, uma vitória do PSD nas eleições europeias pode consolidar a sua liderança e proporcionar uma maior influência após as eleições legislativas nacionais. Da mesma forma, um desempenho fraco do PS pode ser interpretado como uma perda de confiança do eleitorado, afetando a sua posição como maior Partido da Oposição.
O resultado das europeias também terá um impacto na perceção internacional de Portugal, pois uma representação significativa de partidos de extrema-direita pode alterar a forma como Portugal é visto na União Europeia e no cenário internacional.
Por isso, tem havido uma preocupação nesta campanha eleitoral com o objetivo de incentivar a participação dos eleitores, com vista a aumentar a conscientização política e a mobilização em relação a questões internas e europeias. Tendencialmente, uma grande parte dos eleitores desvaloriza estas eleições e deixam de ir votar, mas um alto nível de participação poderia legitimar o processo democrático e fortalecer a representação política.
Os impactos nestas eleições europeias não são apenas um reflexo das preferências eleitorais em relação à União Europeia, mas também um indicador importante das tendências da política interna portuguesa, pelo que a AD tem necessidade de, como pão para a boca, vencer no próximo domingo e assim, dar-lhe mais força para os próximos tempos que não se anteveem fáceis para a Aliança Democrática.
O dia 16 de julho será a data oficial de início da nova legislatura, que arranca com a primeira sessão plenária do novo Parlamento Europeu, que terá de decidir o que fazer com os dossiês que não foram concluídos antes das eleições, entre os quais se encontram temas como: o combate à corrupção, as regras de responsabilidade civil extracontratual adequadas à inteligência artificial, a luta contra o abuso e a exploração sexual de crianças, a proteção de animais durante o seu transporte, ao transporte de animais e o bem-estar dos cães e dos gatos e a sua rastreabilidade.
Vamos esperar pelo próximo domingo para sabermos se os Açores terão 1 ou 2 deputados europeus e isto fará toda a diferença, porquanto o resultado exigirá um ajuste de contas entre o governo regional e o governo de Luís Montenegro, que juro a pé juntos que estaria sempre ao lado da Região.

António Pedro Costa
Edit Template
Notícias Recentes
“Câmara Municipal de Ponta Delgada deixou praticamente de investir na vila das Capelas nos últimos anos”, afirma Manuel Cardoso
“Sou um bocadinho vulcão dos Açores e as minhas equipas reflectem essa personalidade,”assume a treinadora do Sporting, Mariana Cabral
Marcha com mais de 100 marchantes jovens promete hoje muita “brincadeira e diversão” nas Festas do São João da Vila
“Estas ilhas oferecem-nos sensibilidade, alegria, amor e dádiva que nenhum outro lugar do mundo oferece,” afirma António Rego
Maycon Melo veio de Mato Grosso no Brasil para os Açores para fazer do sushi a sua vida
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores