Edit Template

A Inteligência Artificial deveria libertar o homem daquilo que o faz perder tempo e aumentar a sua qualidade de vida, afirma investigador João Paiva

O professor João Paiva, da Universidade do Porto, afirmou esta Quarta-feira, em Santa Cruz das Flores, que há inúmeras coisas em que a Inteligência Artificial pode, e já é, mais eficaz que o ser humano e, por isso, há que aproveitar “sem medo” e tendo sempre presente “uma dimensão ética”.
“Há muitas coisas em que a Inteligência Artificial (IA) é boa e faz mais do que os homens”, como por exemplo limpar lixo, produzi-lo de forma mais eficaz, ler aspectos relacionados com a saúde humana a partir de exames de diagnóstico; por isso “numa sociedade ideal apoiada tecnologicamente a IA faria tudo o que é menos construtivo para o ser humano e libertava-se o homem para o homem” afirma o investigador da Universidade do Porto, que proferiu uma conferência sobre “Inteligência Artificial e Humanidade- Fascínios e Dilemas”, no centro Cultural de Santa Cruz das Flores, uma iniciativa promovida pela Ouvidoria das Flores em parceria com a Pastoral Familiar da ilha.
“Tudo o que é assegurado em defesa da liberdade deve ser defendido” adiantou João Paiva, que deveria ter proferido duas conferências na ilha, mas que por causa do cancelamento de voo, na tarde de Terça-feira, apenas proferiu uma delas.
O professor de Química, natural da zona centro de Portugal, afirmou, por outro lado, que as grandes mudanças tecnológicas levantam e suscitam medos.
“O dilema ético é também antropológico. Houve vários sustos sociais ao longo da história da humanidade e com razão. Antes eram os nossos pais que nos controlavam e controlavam a nossa liberdade; hoje são organizações de informação muito vastas que nos controlam e isso não nos deve fazer descansar com sentido crítico”, referiu o investigador.
“Antes quem tinha mais poder era quem tinha coisas; hoje ter poder é ter dados e muitos dados” afirmou ainda.
“Temos de aproveitar o que ela tem de bom e estar atentos ao que ela representa de menos bom” disse ainda elencando a educação como um desafio.
A iniciativa da ouvidoria das Flores conta com o apoio das autoridades autárquicas da ilha bem como da pastoral da família.
A questão da Inteligência Artificial tem dominado as preocupações mais recentes do Papa. Francisco tem alertado para os riscos do homem se tornar escravo do algoritmo.
“A utilização da inteligência artificial poderá proporcionar uma contribuição positiva no âmbito da comunicação, se não anular o papel do jornalismo no local; se valorizar o profissionalismo da comunicação, responsabilizando cada comunicador; se devolver a cada ser humano o papel de sujeito, com capacidade crítica, da própria comunicação”, ressalta o Pontífice.
No entanto, alerta: “a inteligência artificial acabará por construir novas castas baseadas no domínio informativo, gerando novas formas de exploração e desigualdade ou se, pelo contrário, trará mais igualdade, promovendo uma informação correcta e uma maior consciência da transição de época que estamos atravessando, favorecendo a escuta das múltiplas carências das pessoas e dos povos, num sistema de informação articulado e pluralista”.

Igreja Açores

Edit Template
Notícias Recentes
“Câmara Municipal de Ponta Delgada deixou praticamente de investir na vila das Capelas nos últimos anos”, afirma Manuel Cardoso
“Sou um bocadinho vulcão dos Açores e as minhas equipas reflectem essa personalidade,”assume a treinadora do Sporting, Mariana Cabral
Marcha com mais de 100 marchantes jovens promete hoje muita “brincadeira e diversão” nas Festas do São João da Vila
“Estas ilhas oferecem-nos sensibilidade, alegria, amor e dádiva que nenhum outro lugar do mundo oferece,” afirma António Rego
Maycon Melo veio de Mato Grosso no Brasil para os Açores para fazer do sushi a sua vida
Notícia Anterior
Proxima Notícia
Copyright 2023 Correio dos Açores