Vento está na origem da energia alternativa não poluente e inesgotável que poderá ser a mais barata nos Açores

 Correio dos Açores - Qual a importância da energia eólica no conjunto das energias nos Açores?
Empresa de Electricidade dos Açores - A energia eólica é importante, quer pela complementaridade com as outras fontes de produção de energias renováveis, quer pela abundância com que se manifesta na Região. Assim, apesar de sazonal, sendo predominante nos meses de Inverno, mas ocorrendo também no Outono e na Primavera, acaba por ser, num balanço anual, um bom método alternativo, e renovável, de produção de energia eléctrica na Região. Por outro lado, a produção de energia eléctrica através da energia eólica utiliza tecnologia já madura e com elevada fiabilidade nos seus equipamentos, o que garante volumes de produções eléctricas anuais proporcionais ao recurso existente. Como na Região o recurso é abundante, à parte as pequenas variações anuais, é expectável que as produções, em geral, também o sejam.

Como se posicionam os Açores na energia eólica?
A exploração de energia eólica para a produção de energia eléctrica iniciou-se na ilha de Santa Maria em 1988, seguindo investimentos nas ilhas de São Jorge e Graciosa em 1991 e 1992, respectivamente. Foi a fase inicial e de aprendizagem nesta, então nova, tecnologia. Em 2002 ampliaram-se os parques existentes e expandiu-se a produção eólica para as ilhas do Faial e das Flores, a que se seguiu o Pico em 2005; a Terceira em 2008 e São Miguel em 2011. Na ilha do Corvo o parque eólico está, actualmente, em fase de concurso. Esta experiência, de mais de trinta anos, e a evolução que a tecnologia nos tem garantido, quer na já referida fiabilidade, quer no impacto que a produção dessa energia possa causar na rede, traduzir-se-á em que a importância da energia eólica seja cada vez maior e que seja, por certo, uma das opções para o processo de descarbonização da produção da energia eléctrica que se pretende.

Qual a evolução da produção de energia eólica nos últimos anos?
Comparando os últimos cinco anos completos, 2017 a 2021, verificou-se um aumento de 26,8% da emissão de energia eólica. Em 2021 a emissão foi de 78,9 GigaWatts/hora, comparativamente aos 62,2 GWh registados em 2017.
No mix de emissão da Região, o aproveitamento deste recurso renovável contribuiu, em 2021, com 9,8% do total de energia emitida para a rede.

Quanto custa a energia eólica nos Açores?
Não é fácil apresentar um custo de produção para a energia eólica, pois ele é fortemente variável de projecto para projecto. De um modo geral, a produção eólica é sempre mais económica de que a produção térmica convencional. Mas, os custos associados às ligações à rede, aos transportes dos equipamentos ou aos transportes dos meios de elevação são significativos, pelo que quanto maior o projecto mais se conseguem diluir esses valores no custo do investimento.  

A energia eólica oscila com a velocidade do vento?
A energia produzida por um aerogerador depende da velocidade do vento num factor cúbico. Com velocidade de vento baixa, da ordem dos 5 m/s (18 km/h), a produção eléctrica é baixa; com a subida da velocidade do vento para valores de 10 m/s (36 km/h) a produção pode representar dois terços da potência nominal; e com ventos entre os 15 m/s (54 km/h) e os 25 m/s (90 km/h) o aerogerador encontra-se à potência nominal. Acima deste limiar, e por razões de segurança do equipamento, a produção diminui ou pára completamente.
Esta interligação geométrica entre a velocidade do vento a e produção acaba por ser também a razão da dificuldade de integração da energia eólica na rede eléctrica. Sendo o vento inconstante por natureza, a produção eléctrica a partir da sua fonte também o é, mas o abastecimento público não o pode ser, o que obriga a que, em redes pequenas e isoladas como as da Região, existam sempre meios alternativos de produção que possam, instantaneamente, compensar essas variações.  

Quantos parques eólicos existem nos Açores e em que ilhas?
Actualmente, os Açores possuem nove parques eólicos (36,7 MegaWatts) instalados em todas as ilhas, com a excepção do Corvo, onde esse projecto está agora em fase de concurso.

Qual a potência de cada parque?
A potência de cada parque depende, não só, mas especialmente, da dimensão do consumo eléctrico da ilha. As potências eólicas instaladas por ilha são: Santa Maria – 1,5 MW; São Miguel – 9 MW; Terceira – 12,6 MW; Graciosa - 4,5 MW; São Jorge – 1,8 MW; Pico – 2,4 MW; Faial – 4,25 MW e Flores – 0,6 MW.

Que desenvolvimento futuro se espera para a energia eólica na Região?
A energia eólica poderá vir a ser uma das mais importantes por estar também disponível em todas as ilhas, e poder ser montada e operada com alguma facilidade. Vencendo a dificuldade da sua volatilidade, por armazenamento de energia produzida ou pela sua conversão num veículo energético para posterior utilização, é a tecnologia actual mais económica e de mais rápida implementação, com vista à criação de uma maior independência energética.

Que mensagem quer deixar neste Dia Mundial do Vento?
Que se pense no simbolismo dos moinhos de vento, que tradicionalmente moldavam as paisagens, e na mecanização e modernização que então estavam associados à moagem dos grãos. Que se pense nos aerogeradores como os novos instrumentos, com vista à integração das energias renováveis na produção eléctrica, para se caminhar para uma descarbonização da sociedade e para uma electrificação dos consumos que garanta uma preservação do ambiente, sem diminuição dos níveis de conforto e de qualidade de vida já conseguidos.

Há algo mais que queira acrescentar?
Agradecemos ao Correio dos Açores a oportunidade de partilhar com os vossos leitores estas informações, assim como a importância desta evolução para a descarbonização do planeta e, não menos importante, para o reforço da autonomia energética dos Açores.  
                                 

Carlota Pimentel

 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker