Gualter Furtado reivindica reunião da Concertação Social

CESA quer Governo a tomar posição rápida sobre a inflação nos Açores

O Conselho Económico e Social dos Açores (CESA) reuniu em Ponta Delgada esta semana para debater e reflectir sobre o impacto do aumento da inflação na economia e nas famílias açorianas. Deste encontro resultou uma proposta dirigida ao Presidente do Governo açoriano. O CESA entende que é hora do tema ser debatido entre empregadores e trabalhadores e, para isso, é necessário que o Presidente José Manuel Bolieiro, convoque a Comissão Permanente de Concertação Social.    
Gualter Furtado, Presidente do CESA, afirma que as expectativas estão a confirmar-se. A taxa de inflação dos Açores está a aproximar-se dos níveis do continente, pelo que é necessário que se tomem medidas no âmbito social. “Houve um conjunto de conselheiros que fizeram propostas ao Serviço Regional de Estatística para que fosse constituído um cabaz de compras, na área das despesas das famílias.”
Em declarações à Antena 1, Gualter Furtado deixou novamente uma recomendação ao Governo: “não basta saber as taxas de execução, mas é importante sabermos onde e como se realizaram (…) até para sermos um exemplo para o país, temos de ter uma disponibilização de impactos, não só quanto é que se executou, mas qual foi o impacto que isso teve.” Para isso, é importante criar um departamento único entre toda a informação, declarou.
Em discussão no plenário esteve, ainda, o parecer do CESA sobre o subsídio de mobilidade regional, que mereceu igualmente uma recomendação dos conselheiros. “É um modelo muito bom para os residentes dos Açores, mas também não ignoramos que existem grandes distorções com o modelo actual, sobretudo, no preço das passagens. Há relatos de cidadãos açorianos a pagar 800 e 900 euros para poderem ter acesso a um bilhete. (…) quer em termos burocráticos, quer em termos de preço, isso não pode continuar. Um preço alto acaba por não servir a ninguém, inclusivamente ao próprio turismo” assegurou Gualter Furtado.
Sem querer comprometer-se com medidas, o Presidente do Governo diz-se disponível para o “diálogo na concertação com os parceiros sociais”, com o objectivo de encontrar soluções para atenuar o impacto subida dos preços dos bens e serviços no arquipélago. “Desde sempre fui muito favorável ao diálogo social. A concertação social é uma bela oportunidade para reflectirmos impactos e soluções.”
José Manuel Bolieiro, também à Antena1, adiantou que não anunciará “nada brevemente, mas gostaria de focar” que “estivemos sempre a combater sobrecustos da insularidade e uma tendência para controlo da despesa das famílias, prevendo não só o contexto da insularidade como também esse contexto económico e financeiro existente.”                   C.P.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker