PS/Açores quer mais medidas para combater a inflação

 O PS/Açores reafirmou, ontem, a sua apreensão face a matérias com as quais as famílias e empresas açorianas estão, atualmente, confrontadas, lembrando, a esse propósito, o conjunto de medidas apresentadas ao longo dos últimos meses pelo Partido Socialista e a falta de respostas por parte do Governo Regional para mitigar os efeitos desta situação.
Segundo o Vice-Presidente do PS/Açores, Berto Messias, que apresentava em conferência de imprensa as conclusões do Secretariado Regional do Partido, realizado no último sábado, com o aumento vertiginoso do preço dos combustíveis, que em apenas um ano e meio subiu, por litro, “47% o preço da gasolina; 60% o preço do gasóleo rodoviário; 106% o gasóleo agrícola e em 153% o gasóleo pescas”, o Governo arrecadou, até maio, “23 milhões de euros de imposto sobre os combustíveis, mais cerca de 300 mil euros que em igual período do ano passado”, de acordo com o Boletim de Execução Orçamental. “Para este Governo Regional, e para a maioria absoluta que o suporta, a prioridade das prioridades é garantir o mesmo valor de impostos arrecadados, mesmo que para isso as famílias e as empresas tenham de pagar muito mais”, assegurou o socialista, defendendo, na ocasião, que já para o PS/Açores a prioridade só pode ser “a de ajudar as famílias e as empresas a pagarem menos, mesmo que para isso o Governo Regional tenha de receber menos receita de impostos”, reforçando, assim, a necessidade de se reduzir a taxa de imposto sobre os combustíveis. Segundo referiu, “desde março que o PS/Açores vem propondo essa medida com o objetivo de reduzir o custo dos combustíveis para as famílias e as empresas”, mas, desde essa altura que o Governo Regional, e a maioria que o suporta, vem, “teimosa e arrogantemente, desprezando e recusando”. De igual forma, e face ao aumento do preço dos géneros alimentares, o dirigente socialista salientou que o Governo Regional se tem revelado “omisso e ausente na adoção de medidas regionais para ajudar as famílias a enfrentar esta situação”, sendo o apoio extraordinário à aquisição de bens alimentares, no valor de 60 euros, decidido e pago pelo Governo da República do PS, o único apoio a que tiveram acesso nesta situação.
A este propósito, e reiterando a posição defendida pelo PS/Açores, Berto Messias considerou que o Governo Regional deve criar “uma majoração açoriana no valor de 30 euros”, devendo a mesma ser paga de imediato às famílias com maiores fragilidades, por referência ao benefício da tarifa social de eletricidade. Os socialistas defendem ainda que, no caso do apoio decidido pelo Governo da República do PS, e que já foi por este pago nos Açores, ser renovado, esta majoração deve, igualmente, ser renovada pelo Governo Regional.
Sublinhando que as famílias e as empresas açorianas não podem assumir, sozinhas, os custos desta situação, Berto Messias instou o Governo Regional a não ficar “a assistir de braços cruzados a essas dificuldades, limitando-se a ganhar dinheiro com o aumento da inflação”.
 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker