Parcerias de cooperação não ferem a Autonomia Democrática, mas dignificam e enriquecem-na, defende Gualter Furtado

O Conselho Económico e Social dos Açores promoveu, o colóquio intitulado ‘Desenvolvimento Pessoal e Profissional: processos e contextos numa visão Penta Helix’, que teve lugar no NONAGON - Parque de Ciência e Tecnologia de São Miguel.
Durante a sessão de abertura intervieram Teresa Borges Tiago, Presidente da Comissão Especializada da Educação e Formação do Conselho Económico e Social dos Açores, Gualter Furtado, Presidente do Conselho Económico e Social dos Açores e Duarte Freitas, Secretário Regional das Finanças, Planeamento e Administração Pública.
Na 1ª Mesa, intitulada ‘Desafios da Valorização do capital humano: educação, formação e ciência’, foram oradores Sofia Ribeiro, Secretária Regional da Educação e Assuntos Culturais, Maria João Carreiro, Secretária Regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego e José Luís Presa, Presidente da ANESPO – Associação Nacional de Escolas Profissionais. A Mesa foi moderada pelo jornalista Osvaldo Cabral.
A 2ª Mesa do colóquio intitulou-se ‘O papel do capital humano nas iniciativas empresariais’ e foram oradores Duarte Freitas, Secretário Regional das Finanças, Planeamento e Administração Pública; Luís Rebelo de Sousa, assessor do Conselho de Administração da AICEP Portugal Global e Pedro Dominguinhos, Presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento do Plano de Recuperação e Resiliência. A Mesa foi moderada pelo professor universitário João Carlos Teixeira.
A sessão de encerramento foi presidida por Gualter Furtado, Presidente do Conselho Económico e Social dos Açores, e António Ventura, Secretário Regional da Agricultura e do Desenvolvimento Rural. Na ocasião, Gualter Furtado agradeceu aos  conferencistas que  aceitaram “o nosso desafio de apresentar e debater ideias numa área absolutamente critica para o nosso Desenvolvimento e Sustentabilidade, como são a educação, a ciência, a formação, a partilha e a utilização do conhecimento, o PRR, e as exportações, tudo isto numa lógica de interdependências e de valorização do capital  humano, um factor de produção relevante na criação de valor em termos económicos, sociais e ambientais”.
Acresce, disse, “que todos os conferencistas, desde logo os quatro secretários regionais do Governo dos Açores que ocupam as pastas das Finanças, Planeamento e Administração Pública, a da Educação e dos Assuntos Culturais, a da Juventude,  Qualificação Profissional e Emprego, e a da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, tudo áreas fundamentais para o nosso crescimento, desenvolvimento e criação de uma sociedade mais equilibrada, mais solidária e com uma mais sólida base de sustentação  mais robusta e propiciadora da redução da nossa dependência externa”.
Gualter Furtado sublinhou que “o CESA como  Órgão Colegial independente, portador de uma representação alargada da sociedade  açoriana, cumpre com a sua missão de tudo fazer para que o poder político esteja  próximo da sociedade civil e que esta participe activamente na construção do presente  e do futuro dos Açores. Tivemos, pois, aqui uma oportunidade excelente de os ouvirmos  e questionarmos os primeiros responsáveis políticos nos Açores nestas áreas em  apreciação.  Mas também relevo como muito importante a participação do Presidente da ANESPO  – Associação Nacional de Escolas Profissionais, o Dr. José Luís Presa, pelo que representa no contexto desta nossa reflexão, também do Dr. Pedro Miguel  Dominguinhos, Presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento do PRR, um instrumento que pode e deve ser fundamental para ajudar recuperação das dificuldades acrescidas resultantes do Covid-19, porque passaram e passam os  portugueses e os açorianos em Portugal, como é sabido nos Açores a Comissão de Acompanhamento do PRR Açores é assegurada por uma Comissão Especializada  Temporária do CESA e cujos Pareceres são discutidos e votados nos Plenários do CESA. Sempre defendemos e praticamos o princípio da cooperação e que o trabalho  em conjunto entre os diferentes Parceiros Sociais e diferentes Órgãos Regionais e  Nacionais, não ferem em nada a nossa Autonomia Democrática, mas a dignificam e  enriquecem. Assim, faz todo o sentido a participação do Professor Pedro Dominguinhos neste evento e o meu agradecimento.
Luís Maria Rebelo de Sousa, em representação da AICEP Portugal Global, pelo  seu currículo, experiência profissional, e pela própria natureza da Agência que  representa, é uma mais-valia muito forte para esta Conferência. Pois os Açores da  Autonomia Democrática porque nos batemos e trabalhamos tem de ter uma economia  exportadora forte, baseada em produtos de qualidade excelente, símbolo do nosso  ambiente, que alie o melhor que a nossa tradição nos legou à ciência e à inovação, e  fixe valor acrescentado líquido positivo nos Açores, neste enquadramento a AICEP  deve ser um Parceiro estratégico no nosso processo de Desenvolvimento e afirmação no mundo, a começar pelos Países da nossa vasta e rica emigração, mas também nos  Países da imigração que vem trabalhar e viver nos Açores”, conforme  disse Gualter Furtado.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker