Casa do Povo dos Arrifes admite que podem existir alguns casos de pobreza envergonhada na população idosa da freguesia

Antes de mais, como surgiu esta instituição e quantas pessoas trabalham actualmente na Casa do Povo dos Arrifes?
A Casa do Povo de Arrifes foi implementada a 11 de novembro de 1939, e teve como primeiro Presidente o Sr. Bento Caldas, na altura Delegado do Trabalho do Distrito Autónomo de Ponta Delgada. A sede estava situada na Chã dos Afonsos, Rua da Saúde, onde esteve instalada cerca de 20 anos. Nos finais dos anos 90, iniciou-se a actividade dos Centros de Actividade de Tempos Livres - CATL, que deram o mote para o início de toda a actividade social da mesma. Além disso, a 13 de Agosto de 2020, foi inaugurado um novo equipamento social, o Centro Intergeracional de Arrifes (CIA), onde se integram, fisicamente, quase todas as valências da Casa do Povo de Arrifes. São cerca de 82 anos de história, em prol da comunidade arrifense, e a Casa do Povo dos Arrifes conta actualmente com trinta e oito colaboradores.

Quantas valências tem presentemente a Casa do Povo?
A Casa do Povo de Arrifes desenvolve a sua actividade em nove valências: os CATL (Centro de Actividades de Tempos Livres), fisicamente sedeados em diferentes locais da freguesia, nomeadamente o CATL  Saúde I, CATL Saúde II e CATL Milagres; o Centro de Dia; a ERPI (Estrutura Residencial para Pessoas Idosas);  o Descanso do Cuidador e Acolhimento de Emergência; o Atendimento/Acompanhamento Social; o Serviço de Apoio Domiciliário, na vertente Serviço de Refeições ao Domicílio; e o Centro Comunitário de Arrifes - “Cubo Mágico”. Além disso, temos uma resposta social especializada, designada Banco de Ajudas Técnicas.

Começando pelos mais novos, que trabalho tem sido desenvolvido neste âmbito? Quantas crianças frequentam as valências CATL?
Em termos de desenvolvimento de actividades e projectos na área da infância, cumpre corroborar que, à data, temos capacidade protocolada para acolher 100 crianças em resposta de CATL. Ademais, o Centro Comunitário de Arrifes - “Cubo Mágico”, tem protocolos específicos com a Carrinha da Girafa da Kairós e a Associação de Basquetebol de São Miguel, que colabora no desenvolvimento de actividades lúdico-pedagógicas. Durante a época de Verão são desenvolvidos o Campo de Férias – “Verão Mágico” nos CATL da Casa do Povo de Arrifes, bem como com crianças e/ou jovens, alvo da intervenção da Equipa Técnica da valência supramencionada.

Relativamente a idosos, quantos frequentam o vosso Centro Intergeracional?
O Centro Intergeracional de Arrifes inclui as valências de Centro de Dia e ERPI – Estrutura Residencial para a Pessoas Idosas, no que à 3ª idade diz respeito. A valência de Centro de Dia tem capacidade para 30 utentes, sendo que de momento todas as vagas estão preenchidas, havendo, igualmente, uma vasta lista de espera. É umas das valências com mais procura, sendo que o que é valorizado por algumas famílias é a continuidade da pessoa idosa, no seu seio familiar, mantendo-a ocupada apenas parte do dia, manhã e tarde. A valência ERPI é uma resposta, comumente conhecida como Lar, com capacidade para trinta 30 utentes, sendo que duas camas são para descanso do cuidador. Nesta valência, está em vigor o sistema centralizado de vagas contratadas com a Segurança Social, havendo por isso uma gestão integrada com o ISSA-IPRA e procurando-se sempre responder às necessidades dos utentes, bem como à capacidade da valência.

Que tipo de actividades são desenvolvidas?
As actividades desenvolvidas são, de uma forma geral, o convívio, a ocupação lúdica, pedagógica e terapêutica, bem como o lazer, tendo sempre em conta os gostos, interesses, necessidades e avaliações dos utentes. Diariamente, estes têm ao seu dispor jogos, trabalhos manuais, por exemplo, integrados em diferentes Ateliers. Recentemente, conseguimos, com a integração de um Psicólogo Clínico, apoio psicoterapêutico especializado para os utentes, aulas de ginástica, em parceira com a Câmara Municipal de Ponta Delgada, assim como procuramos integrar as actividades promovidas pela Equipa de Apoio ao Idoso do ISSA-IPRA. Com os utentes promovemos, de igual forma, a comemoração de dias festivos, datas comemorativas e actividades intergeracionais com os CATL e outras entidades parceiras. Não obstante, importa ressalvar que estamos dispostos a estabelecer novas parcerias com outras entidades.

O espaço é suficiente para o número de idosos que frequentam? Seria necessária uma ampliação?
Apesar do espaço ser recente, com uma construção moderna e adequada à nossa dinâmica, constatamos que, se houvesse mais espaço, mais poderia ser feito.  No entanto, importa mencionar que tal facto não impossibilita, de todo, o normal desenvolvimento das actividades, acima mencionadas. Em boa verdade, uma ampliação não seria urgente, mas se existisse um pavilhão multiusos na freguesia, poderíamos rentabilizar o espaço e desenvolver actividades intercomunitárias com maior frequência.

Sentem que tem existido um maior ‘abandono’ destas pessoas de idade nos últimos tempos? A família tem vindo a perder relevância e a ajudar cada vez menos os idosos?
Cada caso é um caso, portanto é uma ideia que não poderá ser generalizada. Efectivamente, há idosos sem suporte familiar, tornando-os, por isso, mais vulneráveis a ficarem numa situação de risco ou perigo. Nos últimos tempos, constatamos e experienciamos o fenómeno da ‘’pirâmide invertida’’, ou seja, a população está cada vez mais idosa, sendo que, fruto deste facto, há uma necessidade cada vez maior de suporte formal e informal. As famílias são o maior apoio da pessoa idosa em grande parte dos casos, pelo que tentamos fazer sempre um trabalho em paralelo.

Existem muitos casos de pobreza nesta população? O Banco Alimentar tem conseguido dar resposta a todas as solicitações das famílias carenciadas?
Não temos uma avaliação completa de toda a população idosa arrifense, contudo temos a noção que poderão existir alguns casos de pobreza envergonhada. Deste modo, quando os casos são sinalizados é accionada toda a rede de suporte existente. A Casa do Povo de Arrifes é, ainda, uma entidade mediadora, em parceria com o Banco Alimentar contra a Fome de São Miguel (BACF), em que através das Técnicas de Zona são avaliadas as situações de vulnerabilidade socio-económica e sinalizados os agregados familiares. Além disso e pela segunda vez, irá iniciar o Fundo Europeu de Apoio a Carenciados (FEAC) - Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas (POAPMC), em parceria com o ISSA-IPRA e o BACF. Este programa visa abranger toda a população, independentemente da sua faixa etária, desde beneficiários de RSI, famílias numerosas, monoparentais, idosos, entre outros, através da distribuição de géneros alimentares e da realização de acções de acompanhamento aos beneficiários.

Para finalizar, sentem que a Casa do Povo dos Arrifes tem tido a ajuda por parte das outras entidades públicas para desenvolver a sua actividade?     
Na verdade, a Casa do Povo de Arrifes conta com o apoio imprescindível do Governo Regional dos Açores (GRA), nomeadamente através da Vice-presidência do Governo Regional dos Açores, por meio das suas secretarias e direcções regionais, contando com os acordos de cooperação valor-cliente celebrados entre as partes e de apoio formal e informal generalizado. Existem outras instituições, entidades e associações que colaboram com a Casa do Povo de Arrifes, de forma contínua e pontual.

*Respostas elaboradas pelos Coordenadores das Valências e respectiva Direção.
 

 

Print

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker