Assinala-se hoje o Dia Mundial da Prematuridade

Recorde de 172 bebés prematuros foi atingido no Hospital do Divino Espírito Santo em 2021 num ano em que nasceram 1.295 crianças

 Correio dos Açores - Qual a importância do Dia Mundial da Prematuridade?
Lucinda Pacheco (Pediatra do Hospital do Divino Espírito Santo) - Aumentar a consciencialização desta problemática de saúde pública que é a prematuridade, evitando mortes e sequelas da mesma, assim como alertar para medidas simples, comprovadas e eficientes que poderiam preveni-la. Este dia serve para reflectir sobre estratégias de reduzir as taxas de prematuridade.

O que causa a prematuridade?
A idade materna, tabagismo, abuso de drogas, restrição de crescimento fetal são factores de risco para parto prematuro, factores estes em que podemos e devemos actuar.
A probabilidade de um parto pré-termo é maior em algumas situações, nomeadamente história prévia de prematuridade; recurso a técnicas de procriação medicamente assistida; pré-eclâmpsia (disfunção dos vasos sanguíneos); descolamento da placenta; malformações fetais; gemelaridade; entre outros factores.
Existem alguns indicadores de saúde associados ao parto pré-termo que funcionam como sinais de alerta para os médicos, designadamente, a hipertensão arterial, diabetes, historial de infertilidade, gemelaridade, ou malformações.
 Além disso, gravidezes mal vigiadas, baixo nível económico, consumo de álcool, idade materna muito jovem (inferior a 18 anos) ou muito tardia (superior a 40 anos), ansiedade e stress.

Qual o número/percentagem de bebés prematuros nascidos no HDES?
O número de partos continua a descer, como já acontece há vários anos. Contudo, o número de pré-termos não diminuiu. O ano de 2021 foi o ano em que a taxa de prematuridade foi a maior de sempre, com cerca de 172 prematuros, num total de 1.295 nascimentos (13.38%).
Até Setembro de 2022, nasceram 34 prematuros com idade gestacional inferior a 34 semanas.

De que ilhas recebem bebés prematuros no HDES?
A unidade de Neonatologia do Hospital do Divino Espírito Santo é considerada uma unidade de apoio perinatal diferenciada, responsável pela prestação de cuidados aos recém-nascidos das ilhas de São Miguel e Santa Maria, oriundos do bloco de partos, serviço de urgência e berçário do HDES; recém-nascidos de outras ilhas da Região que necessitem de cuidados na área de cuidados intensivos e intermédios neonatais, ou transferidos por suspeita de ameaça de parto pré-termo, com idade gestacional compreendida entre as 26 semanas e as 36 semanas, se provenientes da maternidade da Horta, ou com idade gestacional entre as 26 semanas e as 32 semanas, se provenientes doa maternidade de Angra do Heroísmo.
 
Há casos de prematuros que têm de ser encaminhados para Lisboa. Em que situações se verificam estas evacuações?
Estas evacuações verificam-se nas seguintes situações: asfixias neonatais graves para programa de Hipotermia; cirurgia neonatal, nomeadamente casos de enterocolite necrosante; cardiopatias complexas para cirurgia pediátrica; ou por falta de vaga e/ou recursos técnicos.

Entende-se que um bebé é prematuro quando nasce antes das 37 semanas de gestação. Existem vários níveis de classificação de prematuridade? Pode explicar?
O prematuro é todo aquele bebé que nasce abaixo das 37 semanas de gestação. A idade gestacional e o peso do bebé determinam, depois, a classificação do nível de prematuridade em causa.
A prematuridade segundo a idade gestacional divide-se em prematuro pré-termo limiar (33 a 36 semanas); prematuro moderado (28 a 32 semanas); prematuro extremo (menos de 28 semanas). A prematuridade segundo o peso à nascença classifica-se por prematuro de baixo peso (entre 1,5 e 2,5 quilos); prematuro de muito baixo peso (entre 1 e 1,5 quilos); prematuro de extremo baixo peso (menos de 1 quilo).

Como evitar  a prematuridade?
Informando e consciencializando as grávidas, a família e a sociedade para os riscos e problemas da prematuridade, assim como as suas sequelas e consequências. Melhorando as condições de vigilância da gravidez, condições de vida.
Lidar com a prematuridade como um problema que requer soluções de fundo, apoiando com equipes multidisciplinares todo o percurso desde o nascimento até à idade adulta. O problema da prematuridade, não acaba com a alta hospitalar, antes pelo contrário, para a família é quando começam os verdadeiros desafios.

Como funciona a amamentação e alimentação do bebé prematuro?
Desde o nascimento é promovido o aleitamento materno e, logo que possível, o prematuro inicia a alimentação com leite materno através de uma sonda nasogástrica.

Qual a importância do acompanhamento psicológico aos pais de bebés prematuros?
Considero este acompanhamento total e absoluto. Dava para uma tese de mestrado.

Como foi gerido o serviço em tempo de pandemia? Os pais ficaram privados de estar com os seus bebés, tendo em conta que o risco de contágio era muito elevado?
No início da pandemia, o desconhecimento sobre o vírus e a infecção causada por este eram totais, pelo que os recém-nascidos eram isolados da sua família (mãe e pai), o que foi de uma violência psicológica muito grave. Felizmente, com o passar dos meses, a ciência e o conhecimento foram evoluindo e esta medida foi totalmente abandonada, preconizando-se o internamento conjunto, o contacto pele a pele e a amamentação.

Que iniciativas são promovidas neste dia? No HDES fazem algo especial como forma de assinalar a data?
Normalmente, nesta data, organizamos eventos sociais, envolvendo a comunidade de cuidados, médicos, enfermeiros, auxiliares, psicólogos e todos os outros técnicos envolvidos nos cuidados aos prematuros com os antigos prematuros e as suas famílias.
Actualmente, ainda com as medidas de contenção da pandemia não retomamos a estes eventos. Celebramos, na unidade, com a entrega de um mimo aos prematuros internados, decoramos a unidade com a cor da prematuridade, que é o roxo, e fazemos um voto entre os profissionais de serviço para que continuemos a dar o nosso melhor e a melhorar a prestação de cuidados a estas crianças.

Que mensagem quer deixar neste dia?
A prematuridade, actualmente, é um grave problema de saúde pública. Segundo o relatório global sobre a prematuridade, da UNICEF, estima-se que 15 milhões de bebés nascem prematuros, todos os anos. Isto é, mais do que 1 em cada 10 bebés.
Aproximadamente 1 milhão de crianças menores de 5 anos morrem todos os anos devido a complicações do parto prematuro. Muitos sobreviventes enfrentam uma vida inteira de deficiência, incluindo dificuldades de aprendizagem, problemas visuais e auditivos. Em todo o mundo, a prematuridade é a principal causa de morte em crianças com idade inferior a 5 anos. Há que mudar esta realidade. Prevenir e evitar a prematuridade!

Há algo mais que queira acrescentar?
A nossa unidade de Neonatologia do Hospital do Divino Espírito Santo precisa de novas instalações, mais modernas e adequadas. Desde que foi inaugurada, em 1997, não sofreu melhorias. É a única unidade da Região que presta cuidados aos prematuros abaixo das 32 semanas, pelo que precisa urgentemente de material novo, nomeadamente ventiladores, incubadoras, berços, aparelhos de fototerapia, entre outros. Há que investir, quer em recursos técnicos, quer em recursos humanos.

Carlota Pimentel

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker