Escola em Vila Franca foi fechada a cadeado pelos pais dos alunos que conseguem depois 4 auxiliares para estarem com os filhos no recreio

 Os pais e encarregados de educação da Escola Prof. António dos Santos Botelho, em Vila Franca do Campo, fecharam os portões a cadeado do estabelecimento de ensino para exigirem a contratação de mais auxiliares de educação. Os pais afirmam que está em causa a própria segurança dos alunos, sobretudo no período de recreio e à hora das refeições.
A Escola tem 200 alunos do ensino pré-primário até ao quarto ano. Dantes, havia no estabelecimento de ensino 10 auxiliares de educação e, presentemente, tem apenas quatro. Ou seja, não chegam a ter 50% das auxiliares que tinha. Face a esta circunstância, todos estão cientes de que há períodos do dia em que os alunos não estão seguros.
 Uma das mães presentes e promotora do protesto, Cátia Medeiros, afirmou à Antena 1 Açores  que o filho “quando está dentro da sala eu fico calma. Mas, quando se chega à hora do refeitório e do recreio não me sinto completamente segura. Não há segurança no recreio”, sublinhou.
Os pais e encarregados de educação apontaram muitas razões de queixa a começar pelo rácio de auxiliares. “Este rácio não está a ser cumprido. Sabemos que há assistentes operacionais que estão de baixa. Há professores que estão a fazer manhãs de protesto e os alunos estão sozinhos na sala de aulas. São cerca de 90 alunos a almoçar na cantina e não há assistentes operacionais suficientes para ajudar. E também não há assistentes operacionais para estarem no recreio com os alunos, afirmou Bruno Machado, pai de um aluno da escola, em declarações à Antena 1 Açores.
As quatro auxiliares de educação que estão ao serviço mostram-se exaustas e preocupadas com a segurança das crianças. É o caso da auxiliar Helena Cabral: “Eu falo por mim, que também sou responsável pelo piso de cima e sou ainda responsável por 90 crianças que almoçam aqui no refeitório. Estamos exaustas. Desde o início do ano que esta situação se está a agravar. Tentamos fazer o melhor mas, pela segurança das crianças também, tem sido muito complicado,” afirmou.
A seguir ao protesto os pais estiveram reunidos com o Conselho Executivo da escola e ficou decidido que vão enviar um abaixo-assinado a exigir soluções à Secretária da Educação.
Em sequência a esta manifestação e protesto, o Correio dos Açores soube ao fim da tarde que a Direcção Regional da Educação já deu instruções ao Conselho Executivo da Escola Prof. António dos Santos Botelho para contratar mais quatro auxiliares educativos.
A escola passa, assim, a ter oito auxiliares educativos, o dobro do que aqueles que tinha e menos dois dos que já teve.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker